REPORTGENS, CRÍTICAS E INVESTIGAÇÕES DO CYBER-RERPORTER + SECRETO DO MUNDO Blog Nacionalista e Monárquico (UM AVISO: AQUI NÃO VAI ENTRAR O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO BLOG MONÁRQUICO E NACIONALISTA)
28 de Fevereiro de 2017

Estão cada vez mais transformando, as zonas típicas de Lisboa em em guetos apenas reservado para turistas com dinheiro no bolso e com esta transformação estão a despejar famílias que estão nestes bairros históricos há dezenas de anos para que as suas casas sejam transformadas em hostels ou apartamentos de luxo que devido aos seus preços estão condenados à partida a servirem de cenário a uma cidade oca e de fantasia qual Veneza na actualidade.

O caso da Mouraria é um paradigma nesta situação porque têm sido esvaziados prédios inteiros, famílias inteiras são deslocadas em nome do turismo e dos apartamentos de luxo que ninguém compra e estes vampiros do turismo, estes viciados nesta nova heroína chamada turismo em dose bruta, se esquecem que a Constituição exige como direito fundamental a habitação condigna, não para turistas, mas para os portugueses e nem o desgoverno da república e muito menos o Taliban Turismo Medina querem saber deste direito. Apenas pensam em tratar das hemorróidas aos turistas com a língua.

Nem sei que livros de Direito andaram a ler os políticos da nossa praça, mas de certeza que não foram os livros correctos porque o que se passa na Mouraria e outros bairros históricos de Lisboa vai contra todos os princípios legais instituídos tanto antes como depois do 25 de Abril porque se está a violar de forma clara e descarada uma das prerrogativas principais da revolução dos cravos que é a habitação condigna.

As sucessivas leis dos despejos, perdão, leis do arrendamento urbano tanto por Santana Lopes (aka. Sacana Lopes) Adolf Sócrates Pinto de Sousa e Merkel Dog Passos Coelho, colocaram os inquilinos destes mesmos bairros e não só em situações precárias o que levou os mais desafogados a meterem-se em créditos para compra de casa e os outros com o pé na rua ou acabarem por terem que ir morar para casa de familiares ou em quartos manhosos, muitos deles clandestinos, financiados por IPSSS como a SCML e outras semelhantes.

Esta situação se evitaria se os presidentes da república depois de Mário Soares tivessem sido mais activos e cumprissem com aquilo que juram quando tomam posse, estas leis dos despejos tinham sido sumariamente chumbadas pelo Tribunal Constitucional e obrigaria os sucessivos governos depois de Guterres a repensarem antes de agirem, mas como aqui o burgo das grandes ondas da Nazaré e dos pastéis de nata se consola a ver os Big Brothers e as novelas, vai votando sempre nos mesmos calhoadas mesmo sabendo que eles vão contra os seus prórpios direitos.

Esta nova heroína que viciou muitos presidentes de câmara e de junta de freguesia do estado-nação mais antigo do mundo está agora a mostrar as suas consequências mais graves depois dos elevadores da Carris (Lisboa) se terem transformado de transportes públicos em guetos segregados apenas para turistas, sobretudo o de Santa Justa e o mesmo está a acontece com os eléctricos que praticamente servem mais turistas do lisboetas.

E como já se pensa nas festas da cidade que outra chance que os agarrados no turismo têm para se injectarem com ainda mais droga, se estão a esquecer que quem faz o ponto máximo destas mesmas festas são os moradores dos bairros e os membros das colectivdades de cultura e recreio dos mesmos bairros e se os moradores originais do bairro saírem dos mesmos bairros e estes forem substituídos por turistas gourmet ou como chamam no Brasil, Turistas Nuttela, como seriam feitas as marchas; que apesar de serem uma criação do Estado Novo entraram na cultura lisboeta de forma irreversível de forma que nem a revolução dos cravos apagou e ainda conseguiu capitalizar depois de 1976 como prova de uma nação estável e pacífica.

Não estou a ver alemães ou espanhóis a cantarem odes as sardinhas assadas ou ao fado sem saberm a ponta de um chavelho de português ou mesmo do significado das letras e ouvir fado com sotaque alemão deve soar pior do que ouvir um espanhol ou um português a cantarem as músicas do malogrado austríaco Falco ou dos metaleiros Rammstein ou os músicos do cavalinho terem nomes nomes tão lusos como Pablo, Smith, Fritz ou outros parecidos.

Se os partidos com assento na assembleia da república não travam esta situação, então têm que ser punidos de forma exemplar, e a melhor punição é nas próximas eleições municipais serem corridos dos seus cargos e darem o lugar a outros que não fazem parte da assembleia da república e que no caso de Lisboa pensem na cidade e não nesta nova heroína chamada turismo que já tem uma legião de viciados que apenas prejudicam a cidade e os seus habitantes.

E ficam as minhas perguntas de sempre: Até onde este novo ópio dos poderosos vai levar Lisboa? O que é feito do direito da Constituição da República que defende a habitação condigna para o povo e não a habitação turística? O que é preciso fazer para que este vício do turismo acabe? Quando é que os eleitores criam tomates e votam nos outros que não fazem parte do sistema? O que têm feito os presidentes da república depois de Mário Soares? Será que a república ainda nos serve para alguma coisa?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

publicado por tron às 14:03
 O que é? | | favorito
sinto-me:
música para pensar: Liberdade - Sérgio Godinho
10 de Setembro de 2015

O velho elevador de Santa Justa projectado por Raoul Mesnier du Ponsard inaugurado em 1902, já não é um transporte para os Lisboetas ou para aqueles que fazem de Lisboa e a zona do Carmo e do Bairro Alto o seu local de trabalho; mas sim apenas um local apenas para turistas onde a Carris (empresa pública) tem um verdadeiro maná porque cada viagem sem bilhete pré-comprado custa 5 euros e sabendo que uma viagem de ida e volta no elevador de Santa Justa leva 30 passageiros, agora basta fazer as contas em quanto é que fica em termos de lucros um dia de função do elevador de Santa Justa.

De alguns anos para cá a discriminação que os lisboetas (não só os naturais de Lisboa como aqueles que trabalham na capital lusitana) sofrem em relação aos turistas nos transportes públicos tem vindo a aumentar e o elevador de Santa Justa é o mais descarado paradigma desta vergonha que se passa em Lisboa com uma impunidade nojenta e ainda para aumentar mais o maná, quem quiser subir ao cimo do elevador de Santa Justa tem que pagar mais 1,50€.

E o mesmo elevador agora se encontra em obras tendo apenas uma cabine a funcionar e o passadiço que dava acesso directo ao Largo do Carmo foi substituído por um passadiço provisório há um par de anos pelo menos que fez o favor de extirpar o local onde era a papelaria da extinta Escola Secundária Veiga Beirão e cuja entrada foi engalanada com pseudo-rendilhados transformando o pátio principal da Veiga Beirão numa espécie de anexo do Largo do Carmo; as mesmas obras e que apenas permitem o uso de uma só cabine, faz com que este mesmo elevador seja apenas para turistas e mesmos estes têm que ter uma paciência de Job porque as filas para se entrar no elevador de Santa Justa chegam a ter por vezes uma ou duas dúzias de metros e além disso a obra não se sabe quando vai estar pronta.

Agora para o cidadão comum que queira chegar ao Largo do Carmo ou as suas áreas próximas tem algumas opções alternativas e cada uma pior do que a outra: uma é entrar pelo lado da estação de metro Baixa-Chiado que dá para a Rua do Crucifixo e subir as escadas rolantes do lado oposto e que vão sair ao Largo do Camões o que até em termos físicos pode ser saudável, mas por outro lado se revela uma desnecessária perca de tempo se a Carris investisse a sério na mobilidade o elvador de santa justa voltaria a sua essência e seria um transporte uisado por todos que precisassem dele e não apenas os turistas que todos os dias saturam o passeio da Rua do Ouro onde fica o elvador de Santa Justa dificultando e muito o caminho das pessoas que têm que passar exactamente por aquele lado da Rua do Ouro devido as infindáveis filas causadas pela existência de uma cabine só em funções devido as obras que nunca mais acabam no elevador de Santa Justa e o passadiço que nunca mais está feito, embora os danos feitos na antiga Escola Secundária Veiga Beirão já estejam feitos, num edifício com os devidos retoques poderia ser transformado num centro de formação profissional poupando a muitos utentes do IEFP idas de transporte e algumas bem onerosas.

Enfim, houve ou há um autor francês do qual não me recordo do nome que disse que Paris não passava de um gingantesco hotel artificial e sem vida e a Lisboa que eu conheci nos anos 80 é muito diferente da actual, demasiadamente turística e com demasiados turistas para uma cidade verdadeiramente histórica para o mundo e que ao mesmo tempo está cada vez mais fechada para os seus moradores que são transformados em reculusos numa cidade que os viu nascer ou então acabam para ter que irem viver para os subúbios da mui nobre e sempre leal cidade de Lisboa que em algumas zonas parecem favelas, não pode serem bairros de lata; mas porque a marginalidade cresce nestas mesmas zonas numa forma expoencial.

Mas voltando a vaca fria, o elevador de Santa Justa quando foi concebido há 113 anos não foi como transporte de turistas para o Bairro Alto que não querem subir uma das sete colinas e não fazer aquilo que quase 600 mil habitantes (só Lisboa cidade) fazem todos os dias que é subir e descer as colinas da cidade das 7 Colinas, mas sim como transporte público para facilitar a mobilidade dos habitantes e visitantes da cidade.

Dá dó ver um transporte público da cidade tomado de assalto pelos turistas, e quando um lisboeta quer usar o elevador de Santa Justa como transporte, simplesmente não o pode fazer porque se tornou em algo demasiadamente turístico e não nos podemos esquecer que em Lisboa quase que tratam das hemorróidas dos turistas com a língua e os lisboetas muitas vezes são tratados como cães sarnentos e já passei por esta situação e vi outrtas pessoas passarem pelo mesmo.

E ficam as minhas perguntas de sempre: Quando é que o elevador de Santa Justa volta a ser dos lisboetas? Para quando uma Lisboa menos turística e mais humana? Será preciso fazer alguma petição para tornar os elevadores da Carris transportes públicos como sempre foi a sua génese? O que têm de especial os turistas para serem previligiados numa cidade cheia de miseráveis?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

publicado por tron às 13:25
 O que é? | | favorito
sinto-me:
música para pensar: Esta Lisboa que eu Amo - Simone de Oliveira
30 de Maio de 2015

Outra foto similar a outra, mas desta vez foi tirada na travessia de comboio junto a estação de comboio de Alcântara - Terra

 

 

 

 

fossil urbarno 2.jpg

 

publicado por tron às 14:12
 O que é? | | favorito
sinto-me:
música para pensar: Crazy Train - Ozzy Osbourne

Foto tirada na Avenida da Liberdade junto aos escritórios do banco BBVA....

 

 

 

 

fossil urbarno 1.jpg

 

 

 

 

 

 

publicado por tron às 13:52
 O que é? | | favorito
sinto-me:
música para pensar: Daed and Confused - Led Zeppelin
25 de Agosto de 2013

Hoje passaram ou passam 25 anos do Incêndio do Chiado o que não será exagero se o chamarmos o 9/11 de Lisboa dado o dano causado e as marcas deixadas por várias gerações sobretudo naqueles como eu que ainda têm memórias vivas do antes e do depois da tragédia e era para por outra música para a escolha de hoje, mas pensei melhor e a a escolha de hoje nos remete para tempos antigos, tempos de saudade de tempos que já não voltam....

 

 

 

 

esperando que seja do vosso agrado

 

 

 

 

Lisboa Antiga - Hermínia Silva

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por tron às 23:59
 O que é? | | favorito
sinto-me:
música para pensar: Lisboa Antiga - Hermínia Silva

Hoje passam 25 anos do 9/11 da baixa pomblina que foi o incêndio do Chiado e ainda me lembro de muitas coisas daquela data, e quando dou as minhas voltinhas pela baixa tenho a estranha sensação que parece que se passou outro incêndio porque só vejo lojas a fechar por toda a espécie de motivos e boa parte delas não são substituídas por outras e muitas delas se não são históricas pouco longe andam deste estatuto, até me lembro onde eu estava naquela maldita data: estava em casa a provar o meu fato ou smoking branco que usei na minha Primeira Comunhão feito pela minha avó porque tínhamos sido convidados para o casamento de uma vizinha da qual na altura tínhamos muita estima e a boda eram 3 dias depois e a minha avó era uma costureira picuínhas (deve ser dela que puxei o ser picuínhas quando estou a cozinhar) daí os 3 dias para dar um jeito a fatiota.

Mas naquele dia fui acordado pela minha mãe em pânico e apesar de estar em férias escolares e me estar a preparar para entrar na 3ª classe e quase com tudo comprado para a escola (na altura a minha irmã tinha uns 5 anos e ainda não andava na escola) numa manhã de Verão não muito quente como a de hoje, mas fria e sobretudo trágica e de aflição.

Quando me levantei, olho para a televisão e vejo os Armazéns do Chiado e do Grandella feitos em cinzas tomados pelas chamas e fico de boca aberta, a minha irmã chorava com medo e qual ironia, uns dias antes da tragédia tinha ido com a minha família comprar algumas coisas para a roupa que íamos levar ao casamento e umas bugigangas para nós os dois, desde brinquedos que na altura estavam a bom preço, até algum material escolar em falta e eu quando vi aquilo primeiro fiquei de boca aberta e depois olho para algumas coisas que tinham sido compradas naquelas mesmas lojas e fiquei com uma estranha sensação de perda e depois desta parte material vi o bombeiro que morreu todo queimado em directo pela televisão e depois o desespero dos soldados da paz, que graças a uma obra asinática do presidente da CML da altura, Kruz de Abecassis; aumentou a tragédia de forma exponencial e que poderia ter sido reduzida ou mesmo evitada se não fosse tal obra e a obra foi uns florões metidos no meio da Rua do Carmo e parte da Rua Garrett que impediram os trabalhos dos bombeiros ou dificultaram.

Hoje em dia temos um caso um pouco de nada semelhante no Marquês de Pombal e tal como há 25 anos o Largo do Rato sofria obras para aquilo que se veio a tornar na extensão do metro até este largo alfacinha e que cujo chão estava todo escavacado, hoje é a Rua do Ouro com a mesma aparência e vamos ver qual vai ser o novo 9/11 que a cidade que reza lenda ter sido fundada por Ulisses e que tem como padroeiros S. Vicente e Sto. António de Lisboa e de Pádua e vos digo que há 25 anos me deixou arrepiado e eu tinha 9 anos, o de Nova Iorque me deixou quase borrado de medo, e agora um semelhante me vai deixar possesso de raiva porque nos dois casos onde houve mortes poderiam ter sido evitados e no caso lisboeta nunca se soube qual a real causa, mas muitos de entre os bombeiros que andavam pela cidade capital da Lusofonia diziam que tinha sido fogo posto e o processo de investigação nunca deu em nada e acabou por desaparecer e na volta milhares de pessoas perderam o seu ganha-pão e quando se perde um emprego pode ser quase como uma morte quando quem perde tem uma idade demasiadamente alta para trabalhar e demasiadamente baixa para se reformar de forma digna e além do bombeiro que faleceu alguns dias depois, ainda nnguém explicou nem explica como alguns dias depois deste verdadeiro 9/11 lisboeta apareceu nas ruínas do Eduardo Martins o corpo de um maquinista da marinha sem ninguém explicar o motivo da presença do marinheiro bem no cerne do desastre.

E ficam as minhas perguntas de sempre: Quem são os culpados do 9/11 de Lisboa ? Quem ganhou com isto ? Porque o Chiado está tão abandonado ? Porque não moram pessoas no Chiado ? Qual e onde vai o novo 9/11 de Lisboa ? Quando é que esta cidade volta a ser das pessoas que cá moram ? Que país é Portugal ?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

 

publicado por tron às 12:16
 O que é? | | favorito
sinto-me:
música para pensar: Lisboa antiga - Mariema
25 de Junho de 2012

O presidente da Câmara Municipal do Intendente, perdão de Lisboa, enquanto se consola nas festas da cidade, anda a comer sardinhas e visita o seu colega tripeiro e gastando uns valentes milhares euros a reparar o chão da favela no meio da cidade chamada Intendente e que ainda está em reparações que são repetidas sem fim ao jeito das obras de Santa Ingrácia.

E com esta vaga de calor e com lixo que ainda não foi recolhido da baixa de Lisboa está a transformar o coração da cidade num ninho de baratas de todas espécies que saem dos esgotos e do lixo onde se alimentam e em algumas zonas já surgiram ratazanas enquanto o lixo continua espalhado pela cidade sem que nignuém se incomode a recolher esperando quem sabe se alguém se passe da cabeça e resolva as coisas mesmo a força bruta e depois não se espantem se tal acontecer e neste entretempo já era tempo para alguém fazer algo antes que os lisboetas tenham que partir para medidas radicais como a inceneração de lixo nas ruas para que se acabe com as pragas de Verão que vão aumentar com este calor súbito muito típico dos mais recentes Verões da antiga capital do Império.

Gostava de saber quem trabalha a sério na divisão de higiene urbana da CM do Intendente, digo de Lisboa; para que a cidade chegue a este ponto vergonhoso e que mostra quando falta mais ou menos um ano para as eleições municipais, em quem não devem votar os lisboetas porque a coisa está ficando muito mal cheirosa e com o calor ainda mais ajuda, todavia já anuncia chuva para esta semana que será a maneira que as ruas serão lavadas pela chuva causando umas quantas inundações, dando trabalho desnecessário a protecção civil, enquanto a higiene urbana deve estar debaixo de algum chaparro a ouvir os relatos da epopeia da selecção das quinas no Euro 2012, ou então a fazer algo de mais inútil do que ouvir futebol.

Pelo visto a CMI/L só vai ver as coisas quando estas ficarem feias porque já meteram na Rua do Saco, junto ao Desterro mesmo em frente a Escola 1, uns vasos enormes que vão de certeza ser mais um mono na cidade a acrescentar as casas, lojas e prédios devolutos e que enquanto não tiverem a terra poderão servir de mini-inceneradoras para quem se quser livrar do lixo porque a cidade está cada vez mais pestilenta e o município não faz porra, enquanto os lisboetas passam os dias a fazer fintas ao lixo que dá vontade regar de gasolina e pegar fogo para que alguém acorde nesta cidade.

e ficam as minhas perguntas de sempre: Quando é que Lisboa é limpa ? Estão a espera de quê para a limpar ? O que anda a fazer o vereador da higiene urbana ? Será preciso haver merda para limparem a merda da cidade ? Que país é este ?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

publicado por tron às 22:55
 O que é? | | favorito
sinto-me:
música para pensar: Goodbye Blue Sky - Pink Floyd
18 de Junho de 2012

Hoje fui dar mais uma das minhas caminhadas pela antiga capital do império e agora apenas capital de Portugal para além de tratar duns assuntos particulares, ver sobretudo se a nojenta situação do lixo espalhado pela cidade se já teria sido resolvido, mas acontece que para a desgraça da cidade que segundo reza a lenda foi funadada por Ulisses segundo reza a lenda.

Hoje dia 18 seria para ver a cidade das sete colinas com melhor aspecto do que nos últimos dias, mas acontece que o lixo continua espalhado pela cidade, já há casos de ratzanas que se vão alimentar do lixo acumulado, o cheiro em algumas zonas da cidade parece o cheiro de uma qualquer criação de porcos e para ajudar a festa, como já de si a situação em Lisboa fosse já de si quase comparável a Berlim do pós-segunda guerra mundial; consegu saber que há prédios habitados na Rua do Arco da Graça, em plena baixa pombalina, a paredes-meias com os novos prédios do Martim Moniz; estão a cair por dentro e hoje assisti aos bombeiros a toma nota da ocorrência, impotentes perante a situação; no entanto não consegui mais informações; sei que numa calçada adjacente estavam a cortar árvores, não sei se relacionado com esta semente de tragédia social que apenas será mais uma em Lisboa.

Entretanto o chão recentemente renovado no âmbito dos melhoramentos do Intendente em frente ao balcão do BPI da Rua da Palma foi levantado no prazo de 6 meses pela terceira vez gostando eu como lisboeta saber o que aquele chão tinha de mal para ser levantado de novo, mas o lixo nas ruas cada vez é mais, agora com a companhia das ratazanas e com mais prédios a cair gostava de saber onde anda o presidente da maior edilidade da nacionalidade, ou se pensa apenas em festas e colocar mármore no Indentente para melhorar o servço de tráfico de droga e de prostituição, quando a maior cidade do país chora e berra por obras de fundo; obras que tragam o sangue da cidade para o seu interior e não faça sair de si este mesmo sangue da cidade que são as pessoas.

Confesso se estou mais do que 4 horas distante de Lisboa começo mesmo a carburar mal das ideias, mas 6 gerações e sem ter família formada pode parecer normal eu pensar assim, mas formar família numa cidade sem limpeza urbana capaz, com cada vez mais crimes, mais marginalidade e uma edilidade que apenas se preocupa em sustentar empresas municipais para colocar os amigos do costume e com obras de pura cosméctica em vez de tratar os seus munícipes como gente e não apenas como massa para se colocar no poleiro até ao limite dos mandatos.

E ficam as minhas perguntas: Quando limpam o lixo de Lisboa ? Quando é que deixam de haver obras cosmécticas e sim obras que tornem Lisboa uma cidade digna ? Quando acabam as mamas das empresas municipais ? Será que algum dia, Lisboa volta a ter o esplendor da capital do império ? Será que é preciso fazer arrauaça para que Lisboa volte a ser Lisboa ? Afinal o que andam a fazer na CML ?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

publicado por tron às 22:52
 O que é? | | favorito
sinto-me:
música para pensar: Sangue da Cidade - Xutos & Pontapés (Part. Especial PacMan)
16 de Junho de 2012

Esta cidade sem o seu sangue que são as pessoas no seu centro, no seu coração; devido aos patos bravos da imobliárias e outros micróbos semelhantes que têm feito o serviço de deixar cada vez o centro mais um deserto, um coração estéril e morto cada vez com menos sangue, tranformando as grandes cidades em cemitéros depois das horas de expediente.

E como não bastassem já estas chagas no meio da cidade, se vai juntar uma greve as recolha de lixo que coincide com o feriado municipal onde lixo feito é coisa que não falta deixando as artérias alfacinhas tranformadas em lixeiras e nesta greve se vai juntar um conflito jurídico-sindical no qual o Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local (STAL) acusa a edilidade de Lisboa de colocar a conduzir as viaturas de recolha de lixo funcionários sem capacidade para conduzir as ditas viaturas; todavia a greve vai acabar neste domingo, dia 18 de Junho; mas o mal está feito, a cidade que se diz das sete colinas transformada em aterro municipal onde além de se ter que fazer as habituais fintas aos carros tanto os que estão mal-estancionados como àqueles que estão em movimento além dos presentes caninos deixados pelos passeios se tem agora que fazer fintas ao lixo alheio.

Não sei o que se passa na regência da edilidade lisboeta que pelo que se sabe passou do Largo do Município para o Largo do Intendente com vasto investimento em mármore e calcário para pavimentar as ruas do mesmo largo onde antes e ainda hoje se trafica droga e se pratica prostituição aos olhos do presidente da câmara que eu chego a duvidar que tenha toda a sua sanidade ao afectar mais um edifício a câmara municipal ao mesmo tempo que muitos desesperam por uma casa e os edificícos afectados ao município são cada vez mais e confesso como lisboeta de 6ª geração aonde esta cidade que é capital quase milenar e que chegou a ser a capital de um império vai parar com tantas ideias psicadélicas dos vários edis que têm passado pela cadeira de presidente da dita edilidade alfacinha.

Nesta cidade cada vez mais vazia, cada vez sei menos em quem confiar e para mal dos meus pecados vou ser eleitor à força porque tenho que tirar a bosta do cartão do cidadão, mas quano for eleitor mesmo contra a minha vontade, uma coisa é certa; nunca votarei nos senhores do costume porque já estou farto de ver sempre as mesmas caras a nos roubarem o dinheiro para fazerem aquilo que nunca fazem: Melhorar Lisboa e sobretudo Portugal.

E ficam as as minhas pergunta: Que destino leva Lisboa ? Esta cidade terá salvação ? Porque gastaram aquela fortuna nos melhoramentos do Intendente ? Para quando obras a fundo em Lisboa ? Será que algum dia, Lisboa terá o edil perfeito ?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

 

publicado por tron às 23:49
 O que é? | | favorito
sinto-me:
música para pensar: Mein Land - Rammstein
15 de Abril de 2012

O ultra-premiado e ultra-consagrado actor britânico Jeremy Irons já viu a vergonha em que se encontra Lisboa com tantos prédios abandonados e tanta gente enlatada nos arrebaldes que disse ao diário Público...

 

 

 

 

Actor em Portugal

                            Jeremy Irons quer ver a Lisboa histórica protegida

 

 

 

 

A rodar em Lisboa uma co-produção europeia, o filme Comboio Nocturno para Lisboa, o actor Jeremy Irons alertou hoje, em conferência de imprensa, para a necessidade de se preservar a zona histórica de Lisboa, que, no seu entender, constitui “uma verdadeira jóia”.

 

 

 

 

mas cada vez que dou um tour a pé por Lisboa só vejo prédios a cair....

 

 

não anda alguém no poder a dormir....fica a ideia para todos pensarmos

publicado por tron às 23:55
 O que é? | | favorito
sinto-me:
música para pensar: Scandal - Queen
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Visitantes
AmazingCounters.com
links
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Um de seis Milhões