Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Reportagens de Critica Investigação e Opinião

REPORTGENS, CRÍTICAS E INVESTIGAÇÕES DO CYBER-RERPORTER + SECRETO DO MUNDO Blog Nacionalista e Monárquico (UM AVISO: AQUI NÃO VAI ENTRAR O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO BLOG MONÁRQUICO E NACIONALISTA)

Reportagens de Critica Investigação e Opinião

REPORTGENS, CRÍTICAS E INVESTIGAÇÕES DO CYBER-RERPORTER + SECRETO DO MUNDO Blog Nacionalista e Monárquico (UM AVISO: AQUI NÃO VAI ENTRAR O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO BLOG MONÁRQUICO E NACIONALISTA)

Uma Rapsódia Bohémia em dois Actos que .... foi uma Montanha Russa de Sensações

Este artigo é um dois em um, por que numa primeira fase fala sobre o disco que contem a banda sonora da obra-prima sobre os Queen "Bohemian Rhapsody" e a segunda fase é sobre o filme.

Começando pela pela banda sonora:

Já tinha ouvido pelo Spootify, listas de músicas que poderiam vir no álbum e fiquei em pulgas até que saisse o alinhamento oficial das músicas e assim que este saiu, fiquei a contar os dias até comprar um exemplar do mesmo e calculando que fosse um verdadeiro best-seller arrisquei tudo e fui para uma pré-venda a e consegui um exemplar e até dei um tour pelas lojas da Fnac na zona de Lisboa na semana que o disco saiu e não vi nenhum no expositor.

Depois passei-o para o meu MP3 e foi apenas por a música tocar e sentir uma descarga de endorfina  percorrer o corpo todo e ao mesmo tempo o corpo físico a se desligar da alma e esta como tivesse a flutuar numa viagem no tempo através das notas musicais dos deuses da música e dei por bem gasto o dinheiro no disco e o oiço vezes sem conta e depois veio outra expectativa que foi a película alimentada por vários trailers e que tive a sábia ideia de trocar os pontos da Nicequest por bilhetes para a película um mês antes da sessão pretendida

 

Passando a película:

 

Como mencionei no capítulo anterior deste artigo, eu já tinha feito a compra prévia dos bilhetes para assistir a película biográfica sobre os deuses da música e contava os dias até ser o dia da sessão para qual eu tinha bilhete e lá fui eu mais a minha família assistir a algo que poderia ser algo que me deixava nas nuvens ou com vontade de cantar o gergório.

Bem e a montanha russa das emoções se fez sentir logo no começo e foi um sobe e desce de sensações boas e más e ao mesmo tempo que se atravessava a biografia do melhor cantor de todos os tempos tendo-se o cuidado de se deixar implícitos alguns detalhes da vida de Mercury que são mais sórdidos do que cidadão comum está habituado a ver num filme do mainstream.

E ao assistir a esta obra-prima do cinema actual foi como tivesse entrado no DeLorean da trilogia Regresso Ao Futuro e tivesse assistido a grande parte dos pontos-chave da carreira do maior grupo musical que alguma vez a humanidade vai alguma vez conhecer e dei por mim estando na primeira fila do cinema do Colombo a ouvir miúdos que nem eram nascidos quando Freddie Mercury transmigrou a cantarem as músicas.

Eu por dentro estava a cantar e senti esta montanha russa de emoções a toda guisa, nem quando foi o Euro 2016 senti este sobe e desce de emoções e algo que nunca vi em cerca de quatro décadas de vida, foi ver um aplauso em massa das dezenas de pessoas que foram a sessão das 17:30 de hoje.

Não vos vou contar muitos detalhes do filme, mas comprimir em pouco mais de duas horas, cerca de 20 anos de carreira de um grupo da magnitiude divina como os Queen não foi coisa fácil e muito ficou ainda por mencionar e quem sabe se poderá vir num blu-ray ou noutro filme....

Em relação ao elenco o actor norte-americano de origem egípcia Rami Malek, encaixou a personagem de Freddie Mercury de tal forma que parecia que o mesmo Freddie Mercury tinha por momentos retornado do Vahala dos grandes músicos e tinha vindo dar um ar da sua graça, os restantes membros do grupo igualmente vestiram a camisola como se tratasse de uma segunda vida, bem como todos os outros personagens que se fizeram parte da vida dos Queen em algum momento e que foi possível encaixar nestas duas horas e alguns minutos de filme.

As músicas foram bem escolhidas e uma das árias de ópera que não aparecem no disco mas aparecem no filme, era cantada pelo mito Montserrat Caballé e logo reconheci a voz e apenas respiriei fundo para não desatar a chorar.

Resumindo esta obra-prima do seu nome Bohemian Rahpsody, foi uma verdadeira rapsodia de emoções que fez uma autêntica festa boémia no meu espírito e dei por mim desligado deste mundo e a sentir um nó na garganta semelhante ao que sinto quando vejo E.T. - O Extra Terrestre ou outro qualquer filme que mexa com as emoções, uma senhora que estava na cadeira ao lado da minha chorava e bem em algumas cenas, sobretudo nas cenas em que Freddie descobriu que estava doente e quando andou com a alma perdida.

Esta obra-prima digna de ser grande vencedora da noite dos Oscares nos ensina valiosas lições, talvez pela base étnica zoroastrica de Mercury e da sua famíla: lições como colocar a lealdade acima de tudo, ou saber escolher com quem andamos entre outras.

Para concluir: Se a Academia de Hollywood não premiar esta obra-prima e premiar outra película qualquer, então questiono qual o valor da academia em si.

 

Recomendo apenas que vão esta bela Rapsódia Bohémia e depois deem a vossa opinião

 

 

IMG_20181103_170327.jpg

 IMG_20181019_165430.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

IMG_20181005_135423.jpg

 

 

Gracias Por Tudo Superba, Hasta Siempre....Montse....

Ontem, fui buscar os meus bilhetes para o filme biográfico sobre o grandioso Freddie Mercury, Bohemian Rhapsody, para não ter que ficar em pé na fila nem ter que ir várias horas antes para o cinema antes da sessão para ter o bilhete e depois de ter feito umas coisinhas descansei.

Hoje de manhã quando me levantei e fui acabar um trabalho pendente que tinha do curso soube de uma das mais tristes noícias da minha vida....

 

 

Que a Diva Montserrat Caballé se tinha juntado a Freddie Mercury no eterno palco do paraíso.....

 

 

 

Senti como tivesse perdido alguém de muito querido e tive que sair antes que me sentisse mal tamanha é a tristeza que sinto 

 

E me despeço da grande diva em espanhol e em catalão:

 

Hasta Siempre! Diva universal, tu tienes para siempre un lugar en mi corazón, ahora estás cantando para Dios con otro dios cerca de tu llamado Freddie Mercury, hasta un dia... nos veremos por ahí...Dama Real Montserrat Caballé...

 

 

 
 
Fins Sempre! Diva universal, tu tens per sempre un lloc en el meu cor, ara estàs cantant per a Déu amb un altre déu a prop del teu anomenat Freddie Mercury, fins a un dia ... ens veurem per aquí ... Dama Reial Montserrat Caballé ...
 
 
 
 
E deixo 5 vídeos onde o talento de Montserrat foi levado ao extremo
 
 
 
 
Barcelona; How Can I Go Home, La Japonaise e Ensueño (em dueto com Freddie Mercury) e Bohemian Rhapsody (dueto com Bruce Dickson, apenas o áudio)
 
 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Já passaram 3 anos do Contrasenso habtiual dos Concurso

Dia 17 passaram 3 anos que um desempregado fez aquilo que nenhum dos licenciados do que têm ido agora ao novo concurso da RTP fazem que é .... responder perguntas a rodos....

 

 

Vejam primeiro e opinem depois

 

 

 

 

E Na Venezuela não há Crise Humanitária Sr. Guterres?

Há vários anos, sobretudo depois da queda continuada dos preços do petróleo que nunca se sentiu em Portugal, os produtores e exportadores de petróleo de alguma forma tiveram as suas economias abaladas e sobretudo os petrodependentes como Angola ou a Venezuela que dependem das vendas do petróleo como grande fonte de receitas para as suas despesas básicas e algumas menos básicas.

Uns conseguiram contornar a situação com o seu jeito próprio como foi caso angolano, no caso da Venezuela se dedicou a cavar uma guerra com os EUA que no fim das contas com os mimos que foram distribuídos nos tempos de Hugo Chavez, quando o petróleo custava os olhos da cara, o custo dos mesmos está agora a sentir; e durante o governo de Chavez e os primórdios de Maduro se formou uma Nomenclatura partidária digna dos tempos da URSS, onde apenas os membros da elite do partido têm direito aos bens de primeira necessidade e aos serviços essenciais e os restante da população que não tem cartão do partido e nem faz parte da nomenclatura tem que comer o pão que o diabo amassou ou é acusado de tudo e mais alguma coisa.

Além dos que sofrem com as mais diversas necessidades que não parecem serem de um país que se diz ter um governo de esquerda e que se preocupa com o povo e com as necessidades deste, mas na realidade com o regime de Maduro se aplica a regra de "O Triunfo dos Porcos" que é "Todos os animais são iguais, mas uns mais iguais do que os outros"; e crise financeira provocada pela queda dos preços do petróleo e que a esquerda diz ser culpa de um suposto boicote dos EUA, não faz com que elite partidária deixe de andar com os maiores luxos e é quando andam com os artigos mais luxuosos que se possam pensar.

Entretanto Buda Guterres apenas se lembrou da situação da Síria e não olhou para os seus vizinhos de baixo que está a causar na América do Sul uma onda de refugiados semelhante a que vem da Síria, a diferença é quem em vez de morrem afogados, morrem de sede porque caminham milhares de kilómetros para fugirem da fome e do estado de guerra que se encontra a pátria fundada por Simon Bolívar que nada tem a ver com o ideário do militar crioulo que libertou a Venezuela do jugo espanhol há mais de 200 anos.

A gerigonça em Portugal, apesar de ver portugueses e luso-descendentes a sofrerem as consequências da crise venezuelana e nem falam nos casos de fome e de falta de meios na saúde e em outros sectores essenciais na Venezuela ao ponto de nem haver dinheiro para as pessoas comprarem pão ou papel higiénico e esta situação para quem estudou história é a mesma vivida pela a Alemanha de Weimar depois do crash da bolsa de Nova Iorque e depois veio a Grande Depressão e com esta a hiperinflação que depois foi uma das causas para a subida ao poder do Terceiro Reich. E a esquerda está esquecida ou se baldou a descarada as aulas de História e se está esquecer deste pequeno grande detalhe da História Universal e vamos ver se o que se passsa na Venezuela e também no Mediterrâneo não será o catalizador para o surgimento de ditaduras como as que existiam na Europa nos anos 30 do século XX.

Os Demo-liberais, socialistas e afins; se atiram que nem uns lobos a direita sobretudo a chamada populista por que esta toca nas feridas que estão abertas e os demo-liberais e a esquerda não têm a panaceia para estas dores e nem olham para outras feridas que estão igualmente abertas porque estas mesmas feridas foram abertas por camaradas desta mesma esquerda que faz parte da gerigonça que suporta o actual desgoverno da república e não pode ser olvidado que o Sr. sócrates Pinto de Sousa era grande amigo do Sr. Chavez e ainda andou a fazer uns negócios com uns Magalhães em troca de petróleo e outras coisas mais.

E a esquerda se cala e o Buda da ONU se cala e na América Latina se vive uma crise humanitária e o mundo está a assobiar para o lado e apenas se chateiam quando o Trump faz algum disparate em vez de olharem o que se passa no planalto das Guianas onde se está a meio caminho do estado de guerra como a Europa estava nos anos 30 do século XX e ninguém quis saber ou ainda piorava a situação, e no meio deste carnaval, ainda há quem apoie o regime de Maduro em vez de apoiar mudanças na Venezuela para ver se aquela nação volta a ter a força que tinha antes da crise dos preços do petróleo.

E ficam as minhas perguntas de sempre sem resposta: Como foi possível se chegar a este ponto na Venezuela? Porque a ONU não abre os olhos para esta tragédia humanitária? Quem ganha com ela? Porque a esquerda insiste em apoiar o regime de Maduro?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

Que Drogas andam a Tomar no IPDJ?

Sim questiono a sanidade de quem está a frente do Instituto Português do Desporto e da Juventude porque resolveram decretar um jogo a porta fechada ao Benfica por este não ter as suas claques legalizadas; mas outros clubes que têm as suas claques organizadas devidamente licenciadas; são conhecidas por cometer de forma sistemática actos de violência gratuita e nada lhes acontece.

Ainda recentemente, instigados possivlemente pelo ex-presidente do Sporting, membros da Juventude Leonina, claque devidamente legalizada e apoiada pela direcção leonina não viu este apoio retirado depois dos eventos de Alcochete que deixarm o emblema de Alvalade no verdadeiro caos que levou em última instância a queda de Bruno de Carvalho do cargo de presidente do clube verde e branco.

Ou ainda dos vários casos de coação e ameaças feitas a árbitros de futebol por parte de elementos ligados aos Super Dragões, claque organizada do Futebol Clube do Porto, liderados por Fernando Madureira que tem a alcunha de Macaco e que nem sei porque carga de água é o chefe da claque organizada da selecção nacional de Portugal de futebol masculino e tanto a claque portista como a claque sportinguista não acontece nada, nem um joguinho sequer a porta fechada.

Acontece que as claques do Benfica não são nenhuns santinhos, todavia, quando existem claques organizadas que cometem de forma sistemática crimes e actos violentos e têm cadastrados nas suas hostes por crimes violentos e ainda tem membros das mesmas claques presos pelas autoridades e estão em prisão preventiva por actos violentos en terrorismo e o estádio de Alvalade não teve decretado nenhum jogo a porta fechada e muito menos o Dragão devido a violência exercida sobre os árbitros.

E se for entrada nas chamadas modalidades ditas amadoras, então o panorama dos rivais do Benfica ficam mais negro por que sobretudo os Super Dragões saõ conhecidos por actos de violência em pavilhões dos rivais ou mesmo nos pavilhões que usa como seus, como aconteceu numa final da liga dos campeões de hóquei em patins no Pavilhão Rosa Mota que na altura funcionava como casa dos Dragões; depois da derrota do emblema da casa perante o Barcelona, os catalães tiveram que ser escoltados pelas autoridades devido aos objectos que choviam das bancadas...e apenas o Comité Europeu tomou medidas e considerou impróprio o Rosa Mota para jogos de hóquei e em Portugal nada se fez.

Se sabe que quem manda do IPDJ teve que se afastar de uma das candidaturas das próximas eleições para a presidência do Sporting Clube de Portugal e isto cheira a troca de favores à alguém porque quem manda do IPDJ não tivesse nenhuma ligação ubmlical a nenhum clube esta suspeição não se levataria embora se questione o castigo porque poderia ter vindo por exemplo no caso do Very Light e não surgiu ou porque então não punem os clubes quando as suas claques cometem actos de violência sistemática e quando a justiça tem dois pesos e duas medidas não há verdade desportiva em parte nenhuma e esta interdição surgiu quando o clube da águia parece estar num renascer de forma; terá sido coincidência... e vos digo que não.

Os ditos rivais ainda com 3 jornadas de campeonato cumpridas estão a tentar na secretaria aquilo que não conseguem no pavilhão ou no estádio, que são as vitórias desportivas que ainda são poucas e há modalidades que ainda nem começaram as respectivas épocas desportivas. Esta atitude do IPDJ que se pode classificar de facciosa vai na regra de : não se morre do mal, se morre da cura; dado que esta interdição no caso de transitar em julgado vai dar azo a represálias e vinganças e o desporto português não merece ficar manchado pela violência porque um iluminado resolveu trocar uns favores.

E ficam as minhas perguntas da esfinge: Quem ganha com isto? Porque não punem os outros clubes de igual forma quando estes cometem actos de violência que até mete as autoridades policiais no meio? Afinal quem manda no desporto em Portugal?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

Apure-se o Refogado dos Donativos do Pedrógão

Devido aos trágicos fogos do último Outono, se gerou uma corrente solidária nesta nação para ajudar as vítimas dos incêndios do Pedrógão Grande que fizeram tanto vítimas mortais como vítimas materiais.

Acontece que parte destes dontivos acabaram no bolso no desgoverno da gerigonça que os usou para as obras nos hospitais da Universidade de Coimbra e outra parte se sublimou como fossem cistais de iodo expostos ao ar e dezenas de milhões de euros se sumiram no ar, sem ninguém saber onde pararam e nem as casas prometidas a quem tinha ficado desabrigado tinham sido construídas.

Passado quase um ano desta tragédia, uma reportagem da TVI, colocou o dedo na ferida e conseguiu descobrir que o dinheiro que sobrou do que não desviado para nenhuma obra de última obra como a dos HUC, ficou nas mãos da edilidade local e ainda mais grave, o edil está a pedir e a fazer o jeitinho para quem não tinha a sua morada principal na área afectada pelos fogos, transferirem a sua morada para esta mesma zona; de forma a terem as obras de reconstrução das suas casas de férias completamente gratuitas pagas pelos dontivos que os portugueses e outros cidadãos do mundo deram para mitigar esta tragédia.

O mesmo edil resolveu processar o canal de televisão, embora não tenha dado qualquer explicação sobre o destino dos dinheiros e na imprensa têm aparecido vários casos de cunhas para a obtenção de ajudas para a reconstrução de casas de férias enquanto quem precisa mesmo fica para trás e quem recebe normalmente tem alguma ligação partidária ou de amizade ao mesmo edil.

Por outro lado o Perfeito Vazio de Belém que está a banhos apenas diz que é preciso apurar saber o que se passou sobre este desvio dos donativos; mas palavras leva-as o vento e este refogado pede acção antes que comece a cheirar mais a esturro e se exige medidas profundas e radicais para se apurar responsavéis destes mesmos desvios e puní-los de forma exemplar e jamais os deixar soltos, porque gente desta tem que ir para a cadeia pagar pelo que fez o pelo que está a fazer.

O que esta situação vai levar é que a proxima angariação que ocorra através dos meios de comunicação social e que tenha suporte do presidente da república ou de outra entidade pública acabe em fracasso e tenham que ser privados que por sua iniciativa levem os donativos em géneros (exemplos: alimentos, rações para animais ou roupas) ou financiarem directamente a reconstrução de casas que não sejam habitações de férias como está acontecer em Pedrógão Grande.

Duvido que no futuro, próximas angariações de fundos para ajudar vítimas de incêndios ou de outras tragédias que envolvam dinheiro voltem a ter a mesma mobilização do que teve a causa do Pedrógrão por que agora quem quiser doar vai querer doar em géneros do que doar um céntimo que seja por que os possíveis doadores ficam desconfiados do real destino dos donativos em dinheiro porque estes podem não acabar para onde devem ir e vão para o sítio errado.

Estas situação do Pedrógão tem que ser investigada doa a quem doer e não são vãs palavras que vão fazer a máquina judicial andar, mas sim acção, acção contra aqueles que enganaram uma nação e vários cidadãos de outras partes do mundo que entraram com milhares de euros para ajudar as vítimas desta tragédia épica e que nos deveria de fazer pensar no fim do tremendo eucaliptal que existe em Portugal e numa real política de prevenção de fogos e não na pura demagogia como foram as medidas apresentadas pela gerigonça para a limpeza de florestas.

E ficam os engimas da esfinge: Por onde param os donativos para as vítimas do Pedrógão? Para quem é este compadrio que a imprensa denuncia? Porque raio não é investigado? Porque o pefeito vazio de Belém não aperta a sério com as instituições para saber o que é feito dos milhões doados?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

Centeno és Responsável pelo Dinheiro que Tu Cativas

O jornal I largou hoje uma verdadeira bomba quando publicou como notícia de capa que o Metro de Lisboa vai desviar dinheiro apurado com a venda de bens imóveis do Metro de Lisboa como antigo Parque de Manutenção de Oficinas I situado em Sete Rios e onde se situa agora o terminal rodoviário que complementa a Gare do Oriente e que veio substituir o caótico terminal da Casal Ribeiro e que teria como objectivo o fundo de reformas do Metro de Lisboa para as obras do Metro.

 Este desvio está a causar mal estar entre os empregados e segundo o mesmo jornal já se fala em greve no Metro de Lisboa porque os funcionários estão a ver o fundo de reformas que é a garantia da suas reformas após uma vida de trabalho em risco porque o que consideram o CR7 das finanças, numa medida clara de austeridade a favor não sei de quem ou de quê, mas de certeza não é a favor da nação.

Devido a estas mesmas cativações, não há dinheiros públicos para as obras do Metro e como o Sr. das Cativações não abre os cordões à bolsa numa esdrúxula lembrança salazarenta onde não se gastava dinheiro para se defecar e sem outra fonte de dinheiro e para evitar o uso do crédito bancário, a administração do Metro vai buscar o dinheiro que teoricamente estaria cativado para as reformas dos funcionários do Metro, vai para as obras do Metro, sejam elas de renovação como a criação do aberrante anel que ninguém quer a não ser a própria administração municipalizada do Metro de Lisboa.

Como tanto o desgoverno da gerigonça é liderado por socialistas e a edilidade de Lisboa é liderado por socialistas; o edil de Lisboa não via bater o pé ao seu camarada do desgoverno e que foi o seu superior hieraquico na CML e vai mexer no dinheiro das reformas dos funcionários do Metro de Lisboa e podemos ter uma guerra laboral no Outono graças as cativações que ninguém faz ideia para que servem a não ser que tenham o mesmo papel que teve a contabilidade paralela na Grécia quando foi a introdução do euro na Grécia.

Os outros membros da gerigonça ainda estão calados feitos umas mulas e ainda não reagiram e estão com uma calma extraordinária que é um ordinário silêncio e que mostra para aqueles que acreditaram na gerigonça, que afinal esta mesma gerigonça acaba por ser tão infame como o governo anterior, usando eufemismos para as mesmas políticas usadas pelo desgoverno anterior e com este desvio no dinheiro que os funcionários do Metro tinham como certo para as suas reformas para as obras do Metro devido as cativações do Sr. Centeno é apenas mais uma infámia de um governo que subiu ao poleiro porque três partidos de esquerda e outro que nem é carne nem peixe, enogliram um sapo maior do que o território da Rússia para colocarem no poder alguém que já lá passou nos tempos de Sócrates Pinto de Sousa, conhecido como "O 44".

Vamos ver se os sindicatos do Metro vão aparar esta situação e se a extrema-esquerda vai reagir antes da festa do Avante por que é uma situação que nunca passou pelas ideias mais parvas dos tempos de Passos Coelho por que é algo que pede uma reacção da classe profissional afectada e não uma submissão a gerigonça por que se os sindicatos ficarem calados perdem todo o crédito perante os trabalhadores e duvido que haja alguém que queira fazer greves no Metro de Lisboa convocadas pelos sindicatos dado que estes estão dominados pela gerigonça.

Como utente dos transportes públicos ou colectivos, fico a espera do que vai render esta guerra entre galos do mesmo partido, embora já saiba que o dinheiro do passe já se encontra no bolso dos Transportes de Lisboa e agora estou a espera até onde estes erros de gestão e as cativações do Sr. Centeno nos vão levar, mas quase que advinho que não nos vão levar a bom porto.

E ficam os engimas da esfinge: Porque vão mexer no dinheiro do fundo de reformas se o Centeno tem milhões cativados? Porque não apertam com o Centeno numa de se ele não libertar a massa, não há obras? Afinal que país é este?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

O Jogo do Empurra Ferroviário

A gerigonça e a oposição começaram há algum tempo um jogo do empurra em relação a perda de qualidade contínua de ferrovia ao longo dos anos pondo as culpas uns nos outros, quando na realidade; ambos têm culpas no cartório no desinvestimento na ferrovia em Portugal, enquantos os nossos vizinhos (Espanha e França) palutinamente renovam a frota ferroviária.

Estes desisnvestimento começou logo depois da revolução dos Cravos e com a nacionalização da Sorefame que apenas ia fazendo os mínimos para ir mantendo as frotas da ferrovia (tanto o Metro de Lisboa como a CP) com o mínimo de material circulante, mas nunca com grandes margens de manobras para avarias ou acidentes e o material circulante nunca foi renovado, mas sim recondicionado ao longo do tempo e para melhorar as comunicações na ferrovia foi preciso acontecer uma tragédia para melhorar as comunicações na ferrovia (Alcafache, 1985) e ao mesmo tempo fazerem um recondicionamento mais profundo no material circulante.

Todavia o grande desinvestimento começou com a febre do asfalto que veio com Cavaco Silva quando este foi primeiro ministro que entrou numa febre de correr a nação a alcatrão ao mesmo tempo que ia desactivando linhas e apeadeiros, alguns deles eram verdadeiros cordões umblicais entre localidades do interior profundo de Portugal e os grandes centros urbanos da nação e esta desactivação de linhas e estações fez com que as assimetrias sentidas antes do 25 de Abril se acentuassem como nunca nos tempos mais recentes, criando uma clara clivagem entre o litoral e as cidades urbanizadas por um lado e o interior rural que praticamente quase perdeu todos os acessos ferroviários aos grandes centros.

Estas desactivações fez com que Portugal se tornasse a única nação da União Europeia sem ligação ferroviária directa sem todas as suas divisões administrativas (distritos) e sem ligação entre os grandes centros e os distritos do interior, havendo distirtos de grande tradição histórica e turística sem qualquer ligação ferroviária a parte nenhuma sendo o único transporte para os centros urbanos, autocarros que percorrem algumas estradas de fazerem medo ao medo.

Nem com a febre da Expo'98, esta situação foi resolvida, melhorando-se apenas a linha da Azambuja e Sintra, apareceram os comboios da Fertagus que são clones dos comboios originais da Azambuja, apareceram comboios novos regionais para o ramal de Tomar, os pendulares e interregionais para a Covilhã e na linha de Sintra foi electrificada na sua totalidade; mas a linha do Oeste ficou na mesma com comboios do tempo da Guerra do Ultramar e a Norte a situação não mudou muito ao que estava antes.

Para ajudar a festa a Sorefame, assim que os projectos de aumento de frota da CP, da Fertagus e dos Metros (Lisboa e Porto), foi encerrada e o material circulante foi sendo importado de França conforme o que se ia gastando, acontece que esta solução ficou cara demais e deixou de ser feita, acontece que no caso particular da CP, as avarias devido a ausência de ar condicionado nos comboios e falta de material criculante actualizado se mostraram como nunca e a Linha do Oeste e a Linha do Alentejo foram o rosto deste contínuo desinvestimento na ferrovia que têm 4 anos para ser melhorada senão o Sr. Juncker não coloca nenhum euro para a ferrovia e nem tem que colocar por que o chamado Cristiano Ronaldo da Finanças com a austeridade com outras cores chamada cativação tem dinheiro suficiente para esta renovação de frota e aumento das linhas que não faz.

Este jogo do empurra que não leva a lado nenhum serve para alimentar as redes sociais onde gerigonços e anti-gerigonços se degladiam na troca de argumentos e por outro lado, aqui ao lado em Espanha se foi sempre renovando as linhas e frota da ferrovia, para não falar nos outros países da UE que não fizeram parte dos fundadores e que foram aderindo e até os antigos constituintes da Ex-Jugoslávia que passaram por uma guerra civil estão apostados numa restauração e renovação da rede ferroviária para que se possa reactivar a linha do Expresso do Oriente e já pensa numa linha que ligue Vladivostok à Europa ocidental com duas pontas: uma deriva para Londres a outra para Paris com ligação a....Madrid; resumindo, Portugal não passa de um buraco onde os turistas do norte da Europa vêm para Sol, vinho, fado, p...as (ou o equivalente masculino), sardinhas, eléctricos e serem assaltados de quatro formas: nos restaurantes ou por carteiristas ou nos transportes pelos próprios operadores (táxis ou transportes colectivos) ou nos tuk-tuk e aproveitam para fomentarem o negócio dos despejos forçados por parte de uns gulosos que nos tempos da outra senhora levavam o mesmo caminho dos comunistas: Tarrafal.

E ficam os engimas da esfinge: Porque não investem a sério na ferrovia se é a forma de mitigar as assimetrias entre interior e litoral? Como querem pensar em descentralização se não existem transportes? Para quando a renovação da rede ferroviária em Portugal? Para que servem as cativações?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

30 Anos depois do 11 de Setembro de Lisboa

Hoje passam trinta anos do incêndio do Chiado que destruiu grande parte do coração da principal zona comercial da cidade de Lisboa foi consumido num incêndio que passadas três décadas ainda não sabe de forma oficial quais as verdadeiras causas de um incêndio que começou de madrugada e que se espalhou de uma forma incontrolável sobreutdo graças aos bancos de pedra com vasos colocados para os turistas se sentarem e alguns servirem de esplanada sobretudo para serem usados por estes devido aos preços abusivos praticados por estas esplanadas.

Estes mesmos bancos de pedra foram obstáculos instransponíveis para os bombeiros que não conseguiram controlar o fogo por mais meios que tivessem porque até chegaram a vir bombeiros do Aeroporto e de corporações de fora de Lisboa; a lamentar, além dos perjuízos materiais que resultaram no desemprego em massa dos empregados das lojas afectadas; dois mortos: um bombeiro com queimaduras profundas devido a explosão de um computador (segundo a imprensa da altura) e de um electricista reformado cujo corpo apareceu quando se estavam  a remover os escombros.

Numas obras que fizeram lembrar a muitos as obras de Santa Ingrácia, e com dinheiros desviados e três gestões municipais diferentes, uma delas do causador indirecto do incêndio, Kurz Abecassis e duas gestões de esquerda que lembram a gerigonça (os membros eram mais ou menos os mesmos) e com derrapagens nas obras e mudanças constantes nos projectos iniciais, o Chiado renasceu; mas nada a ver com a sua identidade inicial porque algumas lojas foram alocadas noutros zonas da cidade e acabaram por fechar com o passar do tempo.

As maiores vítimas laborais que foram so funcionários dos Grandes Armazéns do Chiado, do Grandella e da Perfumaria da Moda, entre outras que não foram alocadas noutros locais da cidade acabaram por se reformarem com reformas de miséria e morrerem lentamente com o desgosto depois de perderem o emprego para não falar nas 5 famílias que perderam as suas casas.

Trinta anos depois, o Chiado nunca recuperou a 100% a sua alma e felizmente se controlou um pouco a febre creativa do arquitecto convidado para redesenhar a zona, Siza Vieira, que queria transformar os Armazens do Chiado num hotel na sua totalidade, mas felizmente não apareceu quem entrasse com a pasta e se manteve a veia comercial da zona afectada, embora com outras lojas e com o passar do tempo outras lojas tomaram conta destas outras lojas.

Todavia parte dos Armazens do Chiado que não tinham muito e que eram uma das entradas da Fnac e era onde ficava parte da secção de informática e televisão foi fechada e foi transformada recentemente num hotel e com o passar dos tempos e com a febre turística do actual edil de Lisboa, Fernando Medina; o Chiado está a perder o que resta da sua essência aos poucos, não cedendo o seu espaço a novos espaços comerciais que aparecem com o eveoluir das modas e dos tempos, mas sim a mais hotéis e alojamentos de luxo em vez de habitação para os lisboetas e novos espaços de comércio.

Fecharam lojas antigas como a Allaud e Lellos ou a Livraria Portugal e não venham dizer que a culpa é da Fnac porque se fosse, a Ferrin ou a Bertrand já tinham fechado portas; a culpa é das leis de arrendamento e de senhorios gulosos que querem tudo e em vez de fazerem o mínimo para manter a essencial comercial da zona porque as lojas que fecham não vão para lojas que possam nascera da evolução dos tempos, mas sim para lojas de souvenires dirigidas quase sempre por asiáticos ou os prédios acabam em hóteis. São raros os casos que transitam de ramo mas que mantêm a sua veia comercial e que esteja ligada com a área onde se encontra.

Passados 30 anos do 11 de Setembro de Lisboa, a mesma tragédia continua a fazer vítimas, desta vez na esssência do lugar onde aconteceu o 11 de Setembro de Lisboa e que cujas lições não ficaram aprendidas porque a actual administração municipal de Lisboa continua a cometer erros semelhantes aos que foram cometidos antes do incêndio do Chiado como é o exemplo da gestão de trânsito da Avenida da Liberdade, Marquês de Pombal e artérias vizinhas que quase lembra como estava o Chiado antes do incêndio e ouve-se no palavra passa palavra que qualquer dia a tragédia se repete noutro ponto qualquer da cidade onde se tenham investido milhares de euros em obras de cosmética na cidade de Lisboa.

E do incêndio do Chiado nunca se soube nem a culpa nem a causa do mesmo e o processo acabou arquivado e lembro-me de me ter cruzado com um bombeiro num autocarro, ia eu com a minha família para o bairro da Encarnação e se falava sobre algo a ver com fogos, mas que nada tinha a ver com o Chiado, e este bombeiro que tinha lá estado, segundo ele; apenas disse que pelos anos de experiência que ele tinha como bombeiro, o 11 de Setembro de Lisboa foi fogo posto e ele gostava que a verdade viesse ao de cima pelo menos para punir o animal que esteve por detrás da morte do bombeiro que morreu queimado.

Quando ouvi estas palavras tinha 9 anos e ia para a 3ª classe mas me ficaram gravadas na cabeça passados estes anos todos e não raras vezes fico a pensar porque este poder político da república nunca aprende as linções ensinadas pelas tragédias do passado, o que mostra que o Portugal que deu novos mundos ao mundo não é nem de longe o mesmo Portugal de depois de 1910.

Deixo uns engimas das esfinge: Porque o processo acabou arquivado? Quais as verdadeiras causas do 9/11 de Lisboa? Quem ganhou com ele?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

Sádicos Socialistas que condenam crianças a morte lenta

Estou cada dia que passa mais farto da gerigonça e ainda ontem neste recanto e li huma notícia no Diário de Notícias de Lisboa que mexeu bem com a minha alma e que em parte remete para o artigo que escrevi ontem aqui neste recanto.

As obras no serviço de oncologia pediátrica do Hospital de São João, na cidade do Porto estão paradas desde dos tempos do Sr. Pinto de Sousa nº 44, e com a intervenção da troika também não andaram e veio o Sr. António Costa mais a sua gerigonça com o Camarada Jerónimo que serviu de calçadeira para aturamos duas múmias no palácio de Belém que foram apenas vacúolos vegetativos sem qualquer valor nutritivo para nação.

O mesmo serviço já era para ter as obras começadas com a gerigonça, mas as obras aonda não começaram nem vão começar nem com os donativos angariados pelo antigo guarda-redes internacional português, do F.C do Porto e Barcelona, Vítor Baía porque até estes foram engolidos pelas míticas cativações do Centeno para dar a imagem em Bruxelas e a Chanceler de Ferro que Portugal é o fiel terrier e bem comportado e estas cativações foram a alavanca para o tacho que o Sr. Centeno arranjou para ir o lugar daquele senhor do Luxemburgo que disse a verdade sobre Portugal que este país na realidade não passa de um país de p... e vinho verde.

Agora o rei das cativações em vez de liberalizar as verbas para começarem as obras no serviço de oncologia como seria esperado, o Sr. presidente do Eurogrupo, resolveu nomear uma comissão de estudo para avaliar se as obras serão feitas ou não e neste tempo as crianças que têm que fazer a quimioterapia na pediatria do Hospital de S. João fazem os seus tratamentos não nas salas adequadas para este tratamento, mas sim nos corredores da pediatria do H.S. João e esta situação me deixa com uma raiva extrema.

Gostava de saber se estes animais irracionais da gerigonça já olharam nos olhos de uma criança que padece de cancro, sobretudo de tenra idade e pensaram que poderiam ter ali um filho, um sobrinho ou um neto no lugar daquela criança que sofre e luta para ver apenas o nascer do sol do dia seguinte e estar com os seus entes queridos na hora da visita e no fim de um ciclo de tratamento, aqueles que podem irem para casa recarregar baterias para mais um combate desta luta sem quartel que é a luta contra o cancro.

Esta gerigonça só pensa nos seus e no dinheiro e em quem lhes sustenta por detrás da cortina e como esta obra não lhes iria dar lucro toca de não fazer e nomeia-se uma comissão para avaliar se as obras serão feitas, mas a elite política vai para a privada e até para morrerem com dignidade aparecem nos media a defenderem a eutanásia, mas na realidade querem clínicas de cuidados paliativos e continuados pagas com as subvenções (vulgo reformas dos políticos) que saem dos nossos impostos; mas o povo que precisa, que se lixa.

E depois além da geirgonça, temos ainda um partido que diz das pessoas, dos animais e da natureza; mas na realidade só se preocupa mesmo com os segundos, dado que sabe tantos atentados contra a natureza e deste partido nem piu, este atentado contra as pessoas, sobretudo crianças, ainda menos se houve; mas touradas e consumo de carne já é um crime de lesa-pátria.

Com um sistema assim de canalhice onde ainda conseguiram ver que estão a condenar a morte lenta várias dezenas de crianças do norte de Portugal, gostava de saber onde está a democracia desta nação que passa o tempo em análises e cativações financeiras e em novos impostos e taxinhas para no final das contas estamos a sustentar uma espécie de máquina que mata as pessoas lentamente, as mesmas pessoas ou que a sustentam ou que no futuro a sustentam.

O que que custava a esta coisa que desgoverna Portugal fazer as obras na Pediatria Oncológica do Hospital de São João já que se combram tantos impostos nesta nação e que vão para salvar bancos e tapar buracos de negócios corruptos e sujos, enquanto a saúde pública está esquecida por um ministério que só pensa em obras faraónicas e sabemos que estamos a apenas a um ano de eleições gerais, europeias e regionais na Madeira.

 

 

Apenas deixo um pedido: FAÇAM A PORRA DAS OBRAS NA PEDIATRIA ONCOLÓGICA DO HOSPITAL DE SÃO JOÃO

 

 

Ainda antes de encerrar: gostava de ver o perfeito vazio de Belém ir a pediatria oncológica do Hospital de S. João e ver as crianças a fazer a quimioterapia nos corredores ou alguns políticos que sejam mães ou pais e vão lá e vejam com os olhos e vejam esta situação que parece saída de um país não da União Europeia, mas sim do Terceiro Mundo.

 

Como sempre as enigmáticas: Quem ganha com esta não-realização das obras da pediatria oncológica do S. João? Afinal para que servem estas cativações? Quando é que acordam para esta tragédia humana? Aonde está o Perfeito Vazio das Medalhas de Belém?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar