Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Opiniões e Críticas Secretas

Opiniões e Críticas Secretas

Nação abre a Visão e que cada um pense por si mesmo...

Ao observar os debates para as eleições gerais e ao ver os programas de cada ums dos partidos com assento parlamentar depressa cheguei a conclusão que nenhum é digno de formar governo nesta nação.

Para ainda mais aumentar o meu azedume anti-gerigonça já de si picado pela excessiva fiscalidade e incopetência gritante em áreas como a saúde ou educação, aparecem os media a serem manipulados de forma descarada pelos poderes ligados à gerigonça, sobretudo ao PS ao suspender os programas que são incómodos à Gerigonça e por outro lado aparecem sondagens que colocam o PS na maioria absoluta e depois aparecem a dizer que as mesmas são falsas.

Outra forma de manipulação são as iluminadas mentes dos comentadores e analistas que aparecem nos telejornais e outros programas de desinformação que manipulam as massas quais fossem um Gobbells e a estes se juntam os supostos estudos da Direção-Geral de Saúde sobre as supostas virtudes e defeitos de alguns produtos alimentares quando estas virtudes não existem e basta usar um pouco o senso comum para esta ausência de virtudes e a manipulação ser evidente.

O engraçado é quando se rebate estas manipulações nas redes sociais é como fosse a tentar pregar um prego em granito porque os borregos que se deixam levar por estas manipulações não gostam que se ataque as tretas em que são levados a acreditar e falar com estes borregos é perder tempo e nem vale a pena tentar trazer-los para fora das trevas das manipulação porque estão com os ouvidos e os olhos tapados.

Exemplos de forças de manipulação a favor da gerigonça destas massas que depressa se transformaram em borregos orwellianos: a ministra d saúde, a ex-eurodeputada Ana Gomes e a já acima mencionada DGS.

Sinto-me como um ser vindo dum universo paralelo quando vejo um país que está a beirar os 50 anos de suposta democracia e neste país vejo apenas um rebanho que não quer abrir os olhos para o sol da verdade e cada vez está mais cego pos estes iluminados e ao mesmo tempo vejo que Portugal está a precisar de alguém como o protagonista V de Vingança para que volte a acordar para a luz....

 

Nem comento muito mais

Hoje Passam 4 anos....

Hoje passam 4 anos que um pobre diabo foi a um certo concurso de televisão e deu um show daqueles que ninguém esquece, sobretudo depois das mais recentes edições do Joker onde aparecem alguns licenciados que parece terem uma terrível amnésia cultural onde a respectiva cultura geral dos mesmos licenciados foi pelo cano abaixo.

As mais recentes edições do mais recente concurso da RTP me deixaram a pensar como são feitas as pre-selecções para este mesmo concurso e por outro na qualidade das licenciaturas ou então da literacia dos universitários em Portugal que em boa parte dos casos deixam muito a desejar e sem mais delongas..... o vídeo com o verdadeiro underdog que hoje faz 4 anos que cuja exibição passou na RTP....

 

 

 

Variações - Um Português Bohemio num País sem Cor nem Vontade de Sair da Caixa

Esperei muito pelo dia em que conseguisse ver um dos melhores filmes portugueses algumas vez feito senão mesmo o melhor filme português alguma feito de seu nome "Variações"

Esta brilhante película realizada por João Maia e protagonizada de uma forma para além do brilhante por um excelente actor de seu nome Sérgio Praia que encarnou na perfeição o cantor mais fora da caixa que existiu em Portugal durante a década de 80 e que teve uma passagem meteórica pelo panorama musical português, todavia apesar de meteórica e rejeitada pela "intelectualidade" musical da altura deixou um legado eterno.

Confesso que ao ver os trailers do mesmo filme fiquei com uma vontade terrível de ver o filme e andei a batalhar para ter bilhetes para o mesmo filme que não era o facto de ser português que lhe iria tirar o mérito e até poderia aumentar o mérito tanto da equipa técnica como de todo o elenco que encarnou os respectivos papeis na perfeição.

Agora entrando a sério no filme....

Para mim foi outra viagem no tempo como foi Bohemian Rhapsody onde foi pincelada numa grande tela a vida do brilhante cantor do seu nome artístico António Variações e os seus altos e baixos na sua vida em duas horas e onde muitos momentos marcantes do cantor foram mostrados de uma forma que deixou colado na cadeira da Sala 5 do Cinema NOS do Colombo.

Fiquei com a mesma sensação que tinha entrado no DeLorean DMC 12 de "O Regresso ao Futuro" e estava a flutuar numa dimensão paralela onde acompanhava os pontos mais marcantes da vida artística de António Variações e o Actor Sérgio Praia e escrevo Actor com letra maíscula porque o merece soube vestir a personagem ao ponto de cantar algumas músicas de António Variações disponíveis em CD e Cassete e acho que também dá para ouvir no Spootify.

Para não vos dar spoilers apenas digo que este filme é uma verdadeira Rapsódia Bohemia bem lusitana e que a Obra-Prima Variações tem todo o direito de ser inscrita nas canditdaturas para o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro e o Actor Sérgio Praia fez um papel único, brilhante e épico praticamente sem paralelo no cinema português que apenas a dupla João Arrais/Miguel Borges estiveram próximos quando desempenharam o papel do maior herói português da I Guerra Mundial, o Soldado Milhões.

Ao dar um olhar atento a saga artística de Variações que foi curta, mas intensa e icônica, não deixei de reparar na rejeição que o mesmo sofreu pelo intelectuais da música da altura e praticamente em Portugal só lhe deram o devido valor depois da transmigração para o Valhalla dos grandes ícones e anda por aí um rapaz que se fez a si mesmo como cantor e que a nova geração de intelectuais da música o rejeitam, mas o público no geral o aceitam,  e uma vez alguem me disse que a História é um ciclo e tudo se repete... apenas espero que o reconhecimento do Rapaz do Futuro com apelido egípcio não seja semelhante ao que teve Variações....ou seja só lhe deem mérito apenas depois de ter uma existência apenas espiritual

 

Deixo apenas a recomendação que comprem o disco ou cassete, no caso não puderem oiçam pelo menos pelo Spootify e vão ver o filme porque é magnífico

 

E que esta Obra-Prima seja inscrita na lista de canditatos de Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.... pelo menos 

 

 

Post-Scriptum: o próprio Sérgio Praia canta todas as músicas que constam do CD da banda sonora

Um Manisfesto Fora da Caixa

Fazendo analogia a série da RTP  "Os Filhos do Rock" sou um filho da geração dos Filhos do Rock e cresci durante a mesma geração, ou seja, posso-me considerar um Neto do Rock.

A Geração dos Netos de dos Bisnetos do Rock nem parecem que descendem da geração portuguesa mais fora da caixa e mais policamente incorrecta que pisou solo português nos últimos 40 anos, a geração que deu origem a geração actual pensavam pela sua própria cabeça e não seguiam as ideias de qualquer iluminado e agia como lhe apetecia e conforme mandava a sua consicência tanto para o mal como para o bem.

A geração dos Netos do Rock passam o tempo a ouvir as músicas enlatadas vindas dos EUA cuja letra e música valem menos do que estrume de vaca, mas dizem que são grandes músicas e os que não ouvem estes enlatados que não passam de mãos cheias de nada, ouvem os meninos-bem que saem das elites da sociedade a "cantar" um jazz que serve para embalar borregos e outras espécies de gado e ainda consideram isto música de qualidade.

A mesma geração que dá ouvido a uns quantos iluminados que dizem mal de outros quaisquer, atriando pedras e conseguindo atrair uns quandos fieis para a sua igreja se esquecendo da parábola que todos são pecadores e que quem deve atirar pedras é quem nunca pecou,  estes lapidadores da sociedade que aparecem nos media a atirar pedras têm hordas de seguidores sobretudo nas redes sociais que seguem a sua cartilha qual fossem borregos a seguirem o seu pastor.

Os mesmos borregos que ouvem outros iluminados que querem impor costumes em vez de sairem fora da caixa e pensarem por sua própria cabeça e depois se algum ser único pensa fora da caixa quase que é uma Maria de Magdala ou Madalena pronta a ser apredejada pelos seguidores do politicamente correcto e que não sabem pensar pela própria cabeça.

Um exemplo desta formatação são os chamados críticos musicais que dizem o que é bom e mau e estes "pastores" depresssa ganham gado para pastar na geração dos netos do Rock e estes apeas ouvem aquilo que os crítico dizem que é bom, mesmo que o que é bom para os críticos seja na realidade um grande tonelada de estrume.

A mesma geração que diz mal do Conan Osíris e de outros seres humanos que são fora da caixa e do sistema formatado e por outro lado não se olha ao espelho e nem olha para as músicas da juventude dos filhos do rock e não capta que eram muito melhores do que grande parte das músicas que hoje são feitas, mas como os críticos dizem mal delas,  já não são músicas.

Outros pastores são os cromos da DGS - Direção Geral de Saúde que se portam como uma espécie de PIDE de costume que impõe regras no que deve ser comido e bebido como a actua geração não passasse de uma cambada de autómatos seguidores das ordens da casta superior e a mesma DGS impõe regras que dizem ser para o bem da nação e das crianças como passasse um atestado de estupidez a geração dos netos do rock e regredisse na hsitória 50 anos para os tempos do Estado-Paizinho.

Uma coisa é certa, a geração dos netos da rock, sobretudo as gerações a seguir da minha são mesmo assim borregos na sua grande maioria e que muitos deles encaixotam os miúdos em creches e nas escolas e colocam os idosos em lares e se preocupam mais com os canitos e com os tarecos do que os seus entes queridos e assim que ouvem um qualquer iluminado ficam em estado de transe sem pensarem por sua própria consciência e vontade.

Mas se ainda fossem os netos do rock a pensar assim poderia-se falar num problema de gerações,  mas o mais grave desta ingnorância mental e filosófica é que atravessa várias gerações e é o espelho real de uma nação que perdeu a coragem de sair fora da caixa e dizer na cara podre que o vinho é ainda mais prejudicial que os referigerantes porque se o o vinho fosse tão bom anti-coagulante como pintam a manta, as farmácias não vendiam estes remédios dadas as quantidades épicas de vinho que se vendem em Portugal.

A mesma nação que no tempo do Estado Novo acreditava no lema que o vinho era mais nutritivo que uma posta de peixe ou uma bifana e que beber vinha dava de comer a cem mil portugueses e passados mais de 40 anos do 25 de Abril ainda se pensa da mesma forma porque só assim se acha lógica para se ter o vinho com o mesmo IVA das laranjas ou do pão quando na realidade deveria de ter IVA a 23%.

A mesma nação que atirou pedras a Amália Rodrigues, António Variações e a boa parte dos músicos de rock e agora depois de muitos deles já mortos ou retirados dizem maravilhas dos mesmos quando na volta passam o tempo a ouvir Lexotan Sobral e outros semelhantes.

A mesma nação que ignora a história e que se esqueceu que foi quando Portugal saiu da caixa foi quando foi uma nação maior perante as outras que ficavam dentro da caixa, mas a actual geração embalada pelo jazzz lexotan politicamente correcto e pelos enlatados sem qualuqer sabor está embriagada de estupidez.

A mesma nação que atira pedras Conan Osíris e outros seres que são fora da caixa mas que depois de forma hipócrita os aceita depois de mortos.

A mesma nação hipócrita que só se lembra dos outros no Natal e passa o ano todo nas tintas para os outros.

A mesma nação hipócrita que diz mal do governo mas não coragem para votar nos partidos que não constam do parlamento para mudar alguma coisa em Portugal.

A mesma nação hipócrita que se lembra que quer os shoppings fechados no domingo apenas porque um bispo de uma diocese conhecida por casos de abusos de menores disse e passa os mesmos domingos a coçar a micose e a ver reality shows  e depois se lembra que não tem pão para o pequeno almoço de segunda e se esquece de o ir pedir ao sr. bispo.

Quando é que esta nação deixa de de ouvir os iluminados que passam o tempo a falar mal de quem faz alguma coisa por esta nação e passam a pensar pela cabeça própria e manda os analistas políticos cavar batatas...?

Como não sou borrego, mando todos os fazedores de opinião cavar batatas para usar termos delicados e penso pela minha consciência e cabeça porque se existir um Deus que deu o livre arbítrio ao ser humano então que este seja usado e não venham os falsos profetas me chatear o juizo na televisão enquanto tento ver uma tourada ou beber um coca cola e mandar tudo passear.

..... leiam e opiniem quando puderem

 

Caros leitores....

Tenho estado ausente porque estou num trabalho temporário e a inspiração não tem sido muita, mas vou ver se volto a ganhar inspiração

 

 

 

até um dia destes 

Uma Boa Recomendação de Leitura de Verão ..... Para quem Quem Gosta

Há coisa de dois meses descobri uma edição francesa de um policial escrita por um autor português cujo título em francês é "Mort Sur Le Tage" (Morte no Tejo) e que em português é "Ulianov e o Diabo" cuja história tem como personagem principal um imigrante russo, ex-operacional das Tropas Especiais Spetsnaz e que depois de largar a vida militar se veio a juntar a um grupo da máfia russa.

O mesmo vem com a irmã para Portugal e ele acaba por implodir por dentro o grupo ao ser informante das autoridades portuguesas tendo uma pena de prisão reduzida, e acaba como empregado de construção civil, ainda mantendo contactos com os seus velhos camaradas da Spetsnaz.

Entretanto, a irmã se dedica a profissão mais antiga do mundo e se cruza com dois meninos-bem do eixo Sintra-Cascais que não têm qualquer pingo de escrúpulos e deste encontro com este par de meninos-bem nasce a trama que é uma critica mordaz ao poder político da república sobretudo ao nível municipal, aos chamados tubarões dos media, aos meninos-bem da Grande Lisboa que têm sempre as costas quentes e as autoridades policiais que protegem os mesmos meninos-bem.

O autor é Pedro Miguel Rosado e me obriguei a comprar uma edição em francês porque as edições em português dos livros mais recentes e sobretudo de autores portugueses custam sempre mais de 20 euros enquanto uma edição em francês de um qualquer autor mal passa dos 10 euros e a grande ironia reside quando vamos a comparar as folha salariais de franceses de portugueses e quando o SMN gaulês é mais de mil euros e o português é de 600 euros.

Mas voltando a vaca fria este livro tem um leve toque de Stephen King e com o decorrer da leitura me lembra outro autor de policiais que descobri por acaso, o dinamarquês Jussi Adler-Olsen, mas com uma abordagem a narrativa muito mais leve do que o autor da terra do Lego o que torna mesmo a leitura da edição francesa algo mais suave de ser feita e dá asas a imaginação do leitor.

A edição em português que é de 2006 só se acha em sites de alfarrábios mas a edição em francês é muito mais fresquinha, apesar disso a narrativa em si não deixa de ser actual.

Quando se diz que se vivem tempos de retoma não estou a usar o custo dos livros como desculpa, mas nunca se leu tão pouco como nos últimos tempos e por vezes acho que sou um alienígena no comboio ou metro quando estou com os auscultadores na cachola a ouvir o meu som e a ler enquanto o resto da canalha está agarrada aos telemóveis e talvez seja por isso porque não foram a bola com o Conan Osíris porque ele mandou um murro na consciência dos alienados que não se reconhecem como tal.

E ficam os meus bolos porque adoro bolos e estes bolos se transformam em telemóveis prontos a serem partidos: Porque os portugueses comuns passam o tempo agarrados aos telemóveis e não leem mais? Afinal se não estamos em crise, porque raio se lê menos do que nos tempos de Passos Coelho? Será Portugal uma nação de borregos analfabetos onde meia dúzia de habitantes não fazem parte do rebanho?

Como sempre leiam e reflictam

 

Alguém pode escalrecer para que servem os Óscares do Turismo se se dá a luz em Bombas de Gasolina?

Nesta nação tão viciada em turismo como um alcoóltara em álcool e que está dividida em duas partes tão desiguais como dia da noite que é o litoral com quase tudo e mais alguma coisa, sobretudo o que fica a norte do rio Tejo e o resto do país sem nada em termos de estruturas sobretudo hospitais.

Agora no Verão, época alta do ópio do governo e de alguns patos bravos desta nação alguns hospitais estãoa fechar alguns serviços por falta de meios humanos, ou seja, falta de médicos e um destes serviços são os serviços de obstetrícia de alguns hospitais de zonas mais remotas do melhor (PIOR) destino de férias do mundo a norte do Equador.

Os serviços que fecharam por falta de médicos foram os serviços de obstetrícia dos hospitais de Portimão e Beja e os restantes apresentam constrangimentos de meios humanos, enquanto isto se passa, a Sra. Temido nada diz a não ser disparates e o dinheiro do imposto Coca Cola que seria para melhora o SNS se evaporou no ar e o dinheiro dos impostos que jorra do ópio dos patos bravos do turismo ainda mais depressa se evapora.

Fico a reflectir realmente no estado da nação de seu nome Portugal que de bom apenas tem a comida, o futebol e o hóquei em patins além do desporto para deficientes; porque de resto como nação nos últimos tempos tem sido um falhanço completo.

Agora a mais recente prova que estes óscares do turismo não passam de uma máscara para esconder a realidade de uma nação falhada onde graças aos encerramentos de obstetrícia de Beja e Portimão, uma mulher foi mãe... numa bomba de gasolina em Aljustrel no país onde se diz que o ensino da medicina é de qualidade, mas os mesmos médicos não hesitam em emigrar ou em ir para a privada porque servir o SNS não compensa uma vida de 20 anos de estudo no ponto de vista de alguns médicos porque nos tempos de hoje já não se é médico por se servir o próximo, mas sim porque se pensa que se vai ganhar bem.

O ideário do médico com amor a profissão e que vai servir o próximo como Sousa Martins ou como a personagem João Semana de "As Pupilas do Senhor Reitor" de Júlio Dantas (brilhamente retratado por Nicolau Breyner na série homónima da RTP), actualmente boa parte da nova geração dos médicos ou querem ganhar bem devido ao facto de serem licenciados ou então fogem de ir para o interior e o ministério da Saúde não pensa nem nunca pensou como colocar médicos em número suficiente no inteior porque Portugal não é só litoral e turismo.

Estas falhas vão continuar a aparecer apesar do aumentar da carga fiscal e das receitas públicas que escoam por um buraco negro galáctico que ninguém sabe qual será o universo paralelo para onde vai parar este mesmo dinheiro.

E ficam uns jerrycans de gasolina por encher: Para quando mais médicos no interior? Para que servem os nossos impostos? Afinal qual a utilidade do ministério da saúde? Qual a dignidade dos prémios de turismo se não cumprimos os Direitos Humanos para todos os cidadãos? Do que nos serve ser turísticos se não sabemos tratar dos que aqui vivem?

 

Opinem quando puderem

Não há Nada como a .... Primeira Liga das Nações Conquistada

Hoje, dia 9 de Junho de 2019, foi o culminar de uma caminhada que começou no dia 7 de Setembro de 2018 na Catedral da Luz com uma surpreendente vitória sobre a Itália e acabou com aparentemente sofrida vitória sobre a Holanda por 1-0 (tal como o resultado sobre a Itália).

Depois do primeiro jogo contra a Itália não questionei o apuramento de Portugal dado que o verdadeiro tubarão do grupo onde estava inserida a selecção portuguesa era a própria Itália e esta era tão inofensiva quanto um peixinho dourado e deixei de temer a Itália, mas talvez alguma surpresa que pudesse surgir da Polónia que foi um osso duro de roer no Euro 2016.

E ganhou-se o grupo que era o objectivo primário para se estar presente na final four da Liga das Nações e Portugal, mais uma vez organizar um evento desportivo, que apesar de pequeno, não deixa de ser um evento além da mesma presença valer também a presença num play-off de qualificação para o Euro 2020 que vai ser o primeiro Euro Pan-Europeu.

Depois do assunto da presença na Final Four resolvido com distinção começou a qualificação para o dito Euro 2020 que não teve o começo mais auspicioso o que me fez ter por algo de não muito bom nesta primeira edição da Liga das Nações, mas enganei-me e com força e este meu engano prova que o futebol está longe de ser uma ciência exacta como a matemática ou a física.

E aquele desporto que é uma morfina que por momentos ajuda a esquecer as dores que nos afectam o corpo e a alma, mais uma esta nação deu o seu melhor numa competição que ainda está a dar os primeiros passos e na primeira final internacional realizada no estádio do clube português que ocupa segundo lugar em termos de títulos conquistados em futebol, mas é o mais feliz da Europa de todos os clubes portugueses, Estádio do Dragão, casa do Futebol Clube do Porto, conquistamos a primeira Liga das Nações que espero ser a primeira de muitas do país que é o coração do V Império.

PARABÉNS SELECÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL MASCULINO POR MAIS ESTA CONQUISTA

 

 

 

E  fica o resultado da final

 

 

Portugal 1 (Gonçalo Guedes 60')  - Holanda 0

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Vitinho não Mintas

A audição de Vítor Constâncio, antigo governador do Banco de Portugal e na actualidade um dos vice-governadores do Banco Central Europeu, disse desconhecer o empréstimo de 350 milhões de euros de Joe Berarado para compra de acções do BCP contraído na CGD e que não se lembra que lhe tenha passado pelas mãos documentação relativa ao mesmo.

Acontece que tais declarações a CPI que investiga os créditos mal parados no banco do Estado são falsas porque documentos vindos a público provam que o mesmo Vítor Constâncio sabia do dito crédito porque a lei dos mercados de valores assim o exige e a decisão sobre a concessão do mesmo foi tomada em reunião do conselho de Administração do Banco de Portugal e foi o próprio Constâncio que autorizou o empréstimo, todavia, na CPI ele o nega apesar de os documentos que apareceram em público e que foram divulgados pela imprensa o contradizerem.

Agora fiquei numa espécie de horizonte de eventos de um buraco negro cósmico numa certa altura que não sei em que ponto do espaço-tempo me encontro porque por um lado vejo um as estrelas do universo conhecido e por outro lado vejo o desconhecido que se resume a uma singularidade e este mesmo vazio se assume como realidade e não o universo estrelado que aparenta estar do lado de fora do buraco negro.

Usando esta espécie de eufemismo astronómico, quis dizer que o dito senhor, tendo como base os documentos que são do conhecimento público que mentiu como quantos dentes tem na boca aos deputados da CPI apesar de negar a mentira que os documentos tornados públicos confirmaram e esta indecisão cósmica se adensa.

Quando documentos provam que alguém mente ao parlamento é grave e fico com as ideias mais baralhadas do que uma gemada quando vejo que ninguém reage, ninguém diz nada, ninguém reage como isto fosse a coisa mais natural desta vida nem foram esboçadas quaisquer tentativas para que se obtivessem qualquer espécie de respostas contraditórias aos documentos que vieram a público.

O que torna esta história toda mais nebulosa é como alguém com as responsabilidade de Vítor Constâncio se esquece de uma operação tão pesada e que sempre andou na boca do mundo do mercado valores mobiliários sobretudo pelos valores envolvidos sabendo-se que a Bolsa de Lisboa sempre foi uma bolsa periférica que mal ultrapassava a dezena de milhão de euros em volume de negócios por dia e a imprensa especializada sempre valou no mesmo negócio até o mesmo ser concretrizado. 

Acontece que o mesmo empréstimo foi mesmo aprovado pelo próprio Constâncio e não acredito que alguém de tamanha responsabilidade se tenha esquecido de ter dado a aprovação de um empréstimo deste valor completamente atroz para a compra de acções sabendo-se que o mercado de acções em qualquer ponto do mundo é sempre um negócio de alto risco, ainda mais arriscado do que investir no mercado de matérias-primas como o petróleo ou cereais.

E ficam umas nuvens anacrónicas para serem dissipadas: Será que Vítor Constâncio não sofre de Alzheimer? Como foi possível se ter esquecido deste aval? Afinal o que ele andou a fazer no Banco de Portugal? Quem ganha com estas falhas de memória? Será que ele mentiu ao parlamento? Se mentiu ao parlamemento quais as consequências? No fim das contas quem é que vai arrotar com as consequências finais?

 

Quando puderem opinem

Porque não pode voltar ao Escudo com a taxa de câmbio de 2002 em relação ao euro?

Estes borregos geniais que estão a dirigir as finanças públicas que se dizem possuidores de uma sabedoria sem fim na área, mas que na realidade não passam de uns borregos que se deixam levar em conversas como se fosse a roubar um doce a uma criança.

A nova façanha dos gênios do Instituto de Gestão do Crédito Público foi fazer emissão de dívida directamente para a China, não em em euros, mas sim na moeda local oficalmente conhecida como Renminbi ou coloquialmente conhecida como yuan com uma taxa de juro de 4%, muito acima da taxa que é praticada nos empréstimos em euros.

Venderam a ideia a que por ser numa moeda mais fraca e ter juros reais mais baixos, mas estes borregozitos se esqueceram que os Estados Unidos cairam nesta conversa e devem triliões de dólares a China e a China tem várias nações na mão a conta deste crédito fácil que é fácil para ser concedido mas para ser pago é impossível.

Com esta triste ideia fiquei a pensar se se optou por um crédito em moeda mais fraca então se poderia pensar no regresso ao escudo e sair do euro para se ter uma moeda mais fraca e se apostar nas exportações a baixo custo e produzidas com qualidade dentro da área da UE o que fazia que as mesmas fossem isentas de impostos.

Mas estes empréstimos da China está provado funcionar como as drogas pesadas, primeiro exprimentam-se e depois os países já não vivem sem eles e depois para pagá-los é algo semelhante como largar o vício dos narcóticos pesados, ou seja, para o largar é praticamente impossível ou quase impossível e as recaídas são mais do que muitas ou muitas nações já chegaram ao ponto de desistirem de se curar deste vício porque sabem que não têm cura.

E deixo as neblinas de um smog financeiro que vai fazer muitas vítimas: Se se pede dinheiro emprestado em dinheiro chinês, porque não se volta ao escudo? Quais serão as consequências a longo prazo deste empréstimo? Quem foi o génio que esteve por detrás desta ideia?