Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Opiniões e Críticas Secretas

Opiniões e Críticas Secretas

Xutos, 40 anos com muitos Pontapés não raros valendo Prata, Ouro e Platina

Esta semana os lendários Xutos e Pontapés cumpriram os 40 anos do seu primeiro concerto nos Alunos de Apolo marcando o começo de uma longa história que é a história da maior banda rock de Portugal e uma das maiores da lusofonia.

Os 40 anos dos Xutos & Pontapés vão ser marcados pelo lançamento de mais um álbum de originais com o título "Duro" que já se encontra em pré-venda na Fnac e vai ser lançado nas lojas físicas no dia 25 de Janeiro. Este mesmo álbum contém os derradeiros trabalhos do eterno guitarrista Zé Pedro falecido há pouco mais de um ano para o eterno grupo que era para ter o nome Beijinhos e Parabéns.

Apesar de um início agitado, não demoram a entrar no agrado dos portugueses, primeiro da juventude dos anos 70 e 80, mas não foi preciso esperar para cairem no agrado geral da outras gerações com singles marcantes como: "A Minha Maneira", "Maria", "Minha Casinha" ou "Contentores.

Apesar da crise do rock no início da década de 90, depressa retornam e renovam o fólego quando fazem a banda sonora do filme de Joaquim Leitão e lançam a pugente balada "Para Sempre" e depois da daí foi um somar de êxitos e o conseguir atravessar várias gerações de fãs, onde nos concertos mais recentes já são visíveis os netos dos primeiros fãs dos tempos dos primeiros singles ou do seminal álbum "Circo de Feras".

Apesar de terem perdido um dos seus homens do leme, não deitaram a toalha ao chão e tiveram a força suficiente para lançar este álbum do qual já foi extraído um single e gravado um vídeo que já circulam nas redes digitais de streaming e no YouTube e tem o nome de "Mar de Outono" e é com ele que encerro esta primeiro artigo deste blog com nome novo, mas com as mesmas ideias.

 

 

 

A Rahpsodia Bohemia passados quase 50 anos do Seu Nascimento Toma os Globos de Ouro

Nesta madrugada, aquele que para mim é o melhor filme dos últimos dez anos e um dos melhores de sempre alguma vez realizados de seu nome Bohemian Rhapsody, ganhou os dois Globos de Ouro, em Holywood que são os prémios da imprensa estrangeira alocada na Meca do Cinema.

A crítica apontava como favorito da noite o filme protagonizado por Lady Gaga, "A Star is Born", mas acontece que o filme onde Lady Gaga entrou apenas ganhou o prémio da melhor música e os restantes prémios relacionados com o cinema ficarma mais ou menos divididos.

Mas o melhor desta madrugada em Portugal, foi o facto da lenda chamada Queen, ainda continuar bem viva e a obra-prima Bohemian Rhapsody trouxe as gerações mais jovens que não tiveram o privilégio de ver nem que seja pela televisão as maravilhas dos Queen quando estes tinham o seu vocalista ainda no mundo dos vivos.

Estes prémios calaram muita crítica que mandou abaixo esta obra-prima que foi tumultuosa tal como a vida de Freddie Mercury e como em artigos anteriores neste blog, é um filme que é uma verdadeira montanha-russa de emoções onde todos os sentimentos huimanos afloram a pele de qualquer um que assista a esta obra-prima.

Nunca gostei de uma atribuição dos Globos de Ouro como esta e foi a prova que muita da crítica nem sempre acerta e que a melhor crítica reside nas vendas de bilheteira e na aceitação do público, este é o melhor crítico de todos e Bohemian Rhapsody é a prova desta máxima que o melhor crítico de um espectáculo ou de um filme é o público e não uns quantos intelectuais.

 

Como sempre vos peço para ler, comentar e diuvlgar

 

 

Boh_Rap.jpg

 

Coletes Amarelos em Portugal.... Um perfeito Vazio

A passividade da nação de seu nome Portugal é de bradar aos céus quando se faz uma simples comparação entre movimentos de "Coletes Amarelos" entre Portugal e outras nações europeias.

Em Portugal nem chega nem chega a 500 pessoas as que sairam para a rua nos dois dias que houve manifestação dos mesmos Coletes Amarelos e em França por exemplo se juntam milhares de pessoas e até na Bélgica que tem muitos menos habitantes que Portugal também vêem as centenas para as ruas, ou seja, tamanho não indica incapacidade de manifestação.

Esta passividade mostra uma de duas coisas: os movimentos de contestação surgidos nos tempos de Passos Coelho não eram mais do que alavancas para a esquerda manipular as massas tal como Lenin fez na Rússia antes da Revolução de Outubro e estanto a esquerda no poleiro, os movimentos de contestação as medidas menos populares ficaram numa conviniente hibernação ou então o português comum é masoquista crónico do ponto de vista político e só meia dúzia têm a coragem de dizer chega ou então a fusão destas opções que é que o Movimento Que Se Lixe a Troika não passou de uma criação da esquerda para esta tomar conta do poder se aproveitando do masoquismo político do português comum e os agitando como fossem agentes provocadores e agora tudo que aparece contra a esquerda é censurado ou é logo considerado fascista.

Em França chegaram a tentar a entrada em ministérios porque os franceses estão fartos de serem roubados, enquanto em Portugal, muito se berra nos cafés e no Facebook, mas nada se faz e quando chegam as eleições muitos ficam em casa a ver uma porra qualquer na televisão ou vão para o centro comercial em vez de votarem num partido qualquer que não esteja representado no parlamento como fazem nos países civilizados e as eleições municipais de Outubro de 2017 foram a prova deste descaso quando a abstenção ultrapassou pela primeira vez em eleições municipais os 50%.

Nada que me surpreenda por que se Portugal suportou uma ditadura durante 48 anos, 13 dos quais com uma guerra no ultramar onde a verdadeira oposição activa vinha da esquerda radical e os liberais e a direita moderada estava aliada de forma clara ou tácita com a esquqerda radical ou estava a espera que o regime caísse de podre.

E apenas a existência de uma guerra do ultramar que os novos quadros militares já tinham visto que não tinha qualquer solução e que era um sumidouro de meios humanos e materiais e o descontentamento castrense foi aiumentado pelo descontentamento amordaçado de poucos corajosos que sabiam que tinha chegado a hora de mudar.

Todavia na actualidade, este descontentamento de meia dúzia não tem eco ou não é ouvido e depois aparecem uns quandos capos do regime qual trutas do Estado Novo a repreender a nação estupidificada pelos media manipulados e a nação fica com medos das represálias e prefere a omissão do que a acção.

É um facto que cada vez que temos socialistas no poleiro se vive um retrocesso democrático sobretudo depois da passagem do Sr. Sócrates Pinto de Sousa pelo poleiro da república e o Magistrado Maior da nação anda de abracinhos sendo algo como uma múmia viva em vez de ser uma força de equilíbrio no regime democrático e em vez dos abracinhos pode exigir mais do poder político que é algo que não faz e assim mostra como o regime republicano já está mais do que no fim do prazo de validade.

Se a nação tem medo de trutas como Carlos César e quando chega as eleições fica em casa,  como raio esta nação poderá um dia melhorar e este dia em que nação irá melhorar nunca irá chegar a não ser que seja a força e é do senso comum que as coisas feitas à força raramente dão bom resultado.

Eu próprio não sei muito para onde me virar, mas a grande arma que tenho em mãos é o voto e por isso nas próximas eleições europeias e legislativas vou votar num partido qualquer que não tenha qualquer representação porque mesmo que não ganhe ou não chegue sequer a eleger um deputado que seja, fico com a consciência tranquila que não contribui para que a situação se mantivesse na mesma.

Como sempre ficam as minhas perguntas sem resposta: Aonde está a coragem dos portugueses? Estão a espera que a coisa fique preta para se mexer? Aonde está a contestação que houve nos tempos de Passos Coelho? Será que esta contestação não passou tudo de uma armação para a esquerda subir ao poder? Porque não existe um forte movimento de coletes amarelos em Portugal? Será que no geral os portugueses são masoquistas do ponto de vista político? Porque o Presidente da República não é mais activo? Afinal aonde está a verdadeira liberdade? Porque não vão votar?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

A Primeira Música de 2019

Ainda na senda da febre bohemia que foi o filme Bohemian Rhapsody e do sucesso da sonda New Horizons que foi a primeira fotografar de forma diferente o distante Plutão e esta semana fotografou o corpo mais distante do Sistema Solar: Ultima Thule e a próposito disso...

 

Brian May, o lendário guitarrista do divinos Queen, lançou um novo single disponível no youtube e no Spootify 

 

 

New Horizons (Ultima Thule Mix) - Brian May

 

 

 

Uma Rapsódia Bohémia em dois Actos que .... foi uma Montanha Russa de Sensações

Este artigo é um dois em um, por que numa primeira fase fala sobre o disco que contem a banda sonora da obra-prima sobre os Queen "Bohemian Rhapsody" e a segunda fase é sobre o filme.

Começando pela pela banda sonora:

Já tinha ouvido pelo Spootify, listas de músicas que poderiam vir no álbum e fiquei em pulgas até que saisse o alinhamento oficial das músicas e assim que este saiu, fiquei a contar os dias até comprar um exemplar do mesmo e calculando que fosse um verdadeiro best-seller arrisquei tudo e fui para uma pré-venda a e consegui um exemplar e até dei um tour pelas lojas da Fnac na zona de Lisboa na semana que o disco saiu e não vi nenhum no expositor.

Depois passei-o para o meu MP3 e foi apenas por a música tocar e sentir uma descarga de endorfina  percorrer o corpo todo e ao mesmo tempo o corpo físico a se desligar da alma e esta como tivesse a flutuar numa viagem no tempo através das notas musicais dos deuses da música e dei por bem gasto o dinheiro no disco e o oiço vezes sem conta e depois veio outra expectativa que foi a película alimentada por vários trailers e que tive a sábia ideia de trocar os pontos da Nicequest por bilhetes para a película um mês antes da sessão pretendida

 

Passando a película:

 

Como mencionei no capítulo anterior deste artigo, eu já tinha feito a compra prévia dos bilhetes para assistir a película biográfica sobre os deuses da música e contava os dias até ser o dia da sessão para qual eu tinha bilhete e lá fui eu mais a minha família assistir a algo que poderia ser algo que me deixava nas nuvens ou com vontade de cantar o gergório.

Bem e a montanha russa das emoções se fez sentir logo no começo e foi um sobe e desce de sensações boas e más e ao mesmo tempo que se atravessava a biografia do melhor cantor de todos os tempos tendo-se o cuidado de se deixar implícitos alguns detalhes da vida de Mercury que são mais sórdidos do que cidadão comum está habituado a ver num filme do mainstream.

E ao assistir a esta obra-prima do cinema actual foi como tivesse entrado no DeLorean da trilogia Regresso Ao Futuro e tivesse assistido a grande parte dos pontos-chave da carreira do maior grupo musical que alguma vez a humanidade vai alguma vez conhecer e dei por mim estando na primeira fila do cinema do Colombo a ouvir miúdos que nem eram nascidos quando Freddie Mercury transmigrou a cantarem as músicas.

Eu por dentro estava a cantar e senti esta montanha russa de emoções a toda guisa, nem quando foi o Euro 2016 senti este sobe e desce de emoções e algo que nunca vi em cerca de quatro décadas de vida, foi ver um aplauso em massa das dezenas de pessoas que foram a sessão das 17:30 de hoje.

Não vos vou contar muitos detalhes do filme, mas comprimir em pouco mais de duas horas, cerca de 20 anos de carreira de um grupo da magnitiude divina como os Queen não foi coisa fácil e muito ficou ainda por mencionar e quem sabe se poderá vir num blu-ray ou noutro filme....

Em relação ao elenco o actor norte-americano de origem egípcia Rami Malek, encaixou a personagem de Freddie Mercury de tal forma que parecia que o mesmo Freddie Mercury tinha por momentos retornado do Vahala dos grandes músicos e tinha vindo dar um ar da sua graça, os restantes membros do grupo igualmente vestiram a camisola como se tratasse de uma segunda vida, bem como todos os outros personagens que se fizeram parte da vida dos Queen em algum momento e que foi possível encaixar nestas duas horas e alguns minutos de filme.

As músicas foram bem escolhidas e uma das árias de ópera que não aparecem no disco mas aparecem no filme, era cantada pelo mito Montserrat Caballé e logo reconheci a voz e apenas respiriei fundo para não desatar a chorar.

Resumindo esta obra-prima do seu nome Bohemian Rahpsody, foi uma verdadeira rapsodia de emoções que fez uma autêntica festa boémia no meu espírito e dei por mim desligado deste mundo e a sentir um nó na garganta semelhante ao que sinto quando vejo E.T. - O Extra Terrestre ou outro qualquer filme que mexa com as emoções, uma senhora que estava na cadeira ao lado da minha chorava e bem em algumas cenas, sobretudo nas cenas em que Freddie descobriu que estava doente e quando andou com a alma perdida.

Esta obra-prima digna de ser grande vencedora da noite dos Oscares nos ensina valiosas lições, talvez pela base étnica zoroastrica de Mercury e da sua famíla: lições como colocar a lealdade acima de tudo, ou saber escolher com quem andamos entre outras.

Para concluir: Se a Academia de Hollywood não premiar esta obra-prima e premiar outra película qualquer, então questiono qual o valor da academia em si.

 

Recomendo apenas que vão esta bela Rapsódia Bohémia e depois deem a vossa opinião

 

 

IMG_20181103_170327.jpg

 IMG_20181019_165430.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

IMG_20181005_135423.jpg

 

 

Gracias Por Tudo Superba, Hasta Siempre....Montse....

Ontem, fui buscar os meus bilhetes para o filme biográfico sobre o grandioso Freddie Mercury, Bohemian Rhapsody, para não ter que ficar em pé na fila nem ter que ir várias horas antes para o cinema antes da sessão para ter o bilhete e depois de ter feito umas coisinhas descansei.

Hoje de manhã quando me levantei e fui acabar um trabalho pendente que tinha do curso soube de uma das mais tristes noícias da minha vida....

 

 

Que a Diva Montserrat Caballé se tinha juntado a Freddie Mercury no eterno palco do paraíso.....

 

 

 

Senti como tivesse perdido alguém de muito querido e tive que sair antes que me sentisse mal tamanha é a tristeza que sinto 

 

E me despeço da grande diva em espanhol e em catalão:

 

Hasta Siempre! Diva universal, tu tienes para siempre un lugar en mi corazón, ahora estás cantando para Dios con otro dios cerca de tu llamado Freddie Mercury, hasta un dia... nos veremos por ahí...Dama Real Montserrat Caballé...

 

 

 
 
Fins Sempre! Diva universal, tu tens per sempre un lloc en el meu cor, ara estàs cantant per a Déu amb un altre déu a prop del teu anomenat Freddie Mercury, fins a un dia ... ens veurem per aquí ... Dama Reial Montserrat Caballé ...
 
 
 
 
E deixo 5 vídeos onde o talento de Montserrat foi levado ao extremo
 
 
 
 
Barcelona; How Can I Go Home, La Japonaise e Ensueño (em dueto com Freddie Mercury) e Bohemian Rhapsody (dueto com Bruce Dickson, apenas o áudio)
 
 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Já passaram 3 anos do Contrasenso habtiual dos Concurso

Dia 17 passaram 3 anos que um desempregado fez aquilo que nenhum dos licenciados do que têm ido agora ao novo concurso da RTP fazem que é .... responder perguntas a rodos....

 

 

Vejam primeiro e opinem depois

 

 

 

 

E Na Venezuela não há Crise Humanitária Sr. Guterres?

Há vários anos, sobretudo depois da queda continuada dos preços do petróleo que nunca se sentiu em Portugal, os produtores e exportadores de petróleo de alguma forma tiveram as suas economias abaladas e sobretudo os petrodependentes como Angola ou a Venezuela que dependem das vendas do petróleo como grande fonte de receitas para as suas despesas básicas e algumas menos básicas.

Uns conseguiram contornar a situação com o seu jeito próprio como foi caso angolano, no caso da Venezuela se dedicou a cavar uma guerra com os EUA que no fim das contas com os mimos que foram distribuídos nos tempos de Hugo Chavez, quando o petróleo custava os olhos da cara, o custo dos mesmos está agora a sentir; e durante o governo de Chavez e os primórdios de Maduro se formou uma Nomenclatura partidária digna dos tempos da URSS, onde apenas os membros da elite do partido têm direito aos bens de primeira necessidade e aos serviços essenciais e os restante da população que não tem cartão do partido e nem faz parte da nomenclatura tem que comer o pão que o diabo amassou ou é acusado de tudo e mais alguma coisa.

Além dos que sofrem com as mais diversas necessidades que não parecem serem de um país que se diz ter um governo de esquerda e que se preocupa com o povo e com as necessidades deste, mas na realidade com o regime de Maduro se aplica a regra de "O Triunfo dos Porcos" que é "Todos os animais são iguais, mas uns mais iguais do que os outros"; e crise financeira provocada pela queda dos preços do petróleo e que a esquerda diz ser culpa de um suposto boicote dos EUA, não faz com que elite partidária deixe de andar com os maiores luxos e é quando andam com os artigos mais luxuosos que se possam pensar.

Entretanto Buda Guterres apenas se lembrou da situação da Síria e não olhou para os seus vizinhos de baixo que está a causar na América do Sul uma onda de refugiados semelhante a que vem da Síria, a diferença é quem em vez de morrem afogados, morrem de sede porque caminham milhares de kilómetros para fugirem da fome e do estado de guerra que se encontra a pátria fundada por Simon Bolívar que nada tem a ver com o ideário do militar crioulo que libertou a Venezuela do jugo espanhol há mais de 200 anos.

A gerigonça em Portugal, apesar de ver portugueses e luso-descendentes a sofrerem as consequências da crise venezuelana e nem falam nos casos de fome e de falta de meios na saúde e em outros sectores essenciais na Venezuela ao ponto de nem haver dinheiro para as pessoas comprarem pão ou papel higiénico e esta situação para quem estudou história é a mesma vivida pela a Alemanha de Weimar depois do crash da bolsa de Nova Iorque e depois veio a Grande Depressão e com esta a hiperinflação que depois foi uma das causas para a subida ao poder do Terceiro Reich. E a esquerda está esquecida ou se baldou a descarada as aulas de História e se está esquecer deste pequeno grande detalhe da História Universal e vamos ver se o que se passsa na Venezuela e também no Mediterrâneo não será o catalizador para o surgimento de ditaduras como as que existiam na Europa nos anos 30 do século XX.

Os Demo-liberais, socialistas e afins; se atiram que nem uns lobos a direita sobretudo a chamada populista por que esta toca nas feridas que estão abertas e os demo-liberais e a esquerda não têm a panaceia para estas dores e nem olham para outras feridas que estão igualmente abertas porque estas mesmas feridas foram abertas por camaradas desta mesma esquerda que faz parte da gerigonça que suporta o actual desgoverno da república e não pode ser olvidado que o Sr. sócrates Pinto de Sousa era grande amigo do Sr. Chavez e ainda andou a fazer uns negócios com uns Magalhães em troca de petróleo e outras coisas mais.

E a esquerda se cala e o Buda da ONU se cala e na América Latina se vive uma crise humanitária e o mundo está a assobiar para o lado e apenas se chateiam quando o Trump faz algum disparate em vez de olharem o que se passa no planalto das Guianas onde se está a meio caminho do estado de guerra como a Europa estava nos anos 30 do século XX e ninguém quis saber ou ainda piorava a situação, e no meio deste carnaval, ainda há quem apoie o regime de Maduro em vez de apoiar mudanças na Venezuela para ver se aquela nação volta a ter a força que tinha antes da crise dos preços do petróleo.

E ficam as minhas perguntas de sempre sem resposta: Como foi possível se chegar a este ponto na Venezuela? Porque a ONU não abre os olhos para esta tragédia humanitária? Quem ganha com ela? Porque a esquerda insiste em apoiar o regime de Maduro?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

Que Drogas andam a Tomar no IPDJ?

Sim questiono a sanidade de quem está a frente do Instituto Português do Desporto e da Juventude porque resolveram decretar um jogo a porta fechada ao Benfica por este não ter as suas claques legalizadas; mas outros clubes que têm as suas claques organizadas devidamente licenciadas; são conhecidas por cometer de forma sistemática actos de violência gratuita e nada lhes acontece.

Ainda recentemente, instigados possivlemente pelo ex-presidente do Sporting, membros da Juventude Leonina, claque devidamente legalizada e apoiada pela direcção leonina não viu este apoio retirado depois dos eventos de Alcochete que deixarm o emblema de Alvalade no verdadeiro caos que levou em última instância a queda de Bruno de Carvalho do cargo de presidente do clube verde e branco.

Ou ainda dos vários casos de coação e ameaças feitas a árbitros de futebol por parte de elementos ligados aos Super Dragões, claque organizada do Futebol Clube do Porto, liderados por Fernando Madureira que tem a alcunha de Macaco e que nem sei porque carga de água é o chefe da claque organizada da selecção nacional de Portugal de futebol masculino e tanto a claque portista como a claque sportinguista não acontece nada, nem um joguinho sequer a porta fechada.

Acontece que as claques do Benfica não são nenhuns santinhos, todavia, quando existem claques organizadas que cometem de forma sistemática crimes e actos violentos e têm cadastrados nas suas hostes por crimes violentos e ainda tem membros das mesmas claques presos pelas autoridades e estão em prisão preventiva por actos violentos en terrorismo e o estádio de Alvalade não teve decretado nenhum jogo a porta fechada e muito menos o Dragão devido a violência exercida sobre os árbitros.

E se for entrada nas chamadas modalidades ditas amadoras, então o panorama dos rivais do Benfica ficam mais negro por que sobretudo os Super Dragões saõ conhecidos por actos de violência em pavilhões dos rivais ou mesmo nos pavilhões que usa como seus, como aconteceu numa final da liga dos campeões de hóquei em patins no Pavilhão Rosa Mota que na altura funcionava como casa dos Dragões; depois da derrota do emblema da casa perante o Barcelona, os catalães tiveram que ser escoltados pelas autoridades devido aos objectos que choviam das bancadas...e apenas o Comité Europeu tomou medidas e considerou impróprio o Rosa Mota para jogos de hóquei e em Portugal nada se fez.

Se sabe que quem manda do IPDJ teve que se afastar de uma das candidaturas das próximas eleições para a presidência do Sporting Clube de Portugal e isto cheira a troca de favores à alguém porque quem manda do IPDJ não tivesse nenhuma ligação ubmlical a nenhum clube esta suspeição não se levataria embora se questione o castigo porque poderia ter vindo por exemplo no caso do Very Light e não surgiu ou porque então não punem os clubes quando as suas claques cometem actos de violência sistemática e quando a justiça tem dois pesos e duas medidas não há verdade desportiva em parte nenhuma e esta interdição surgiu quando o clube da águia parece estar num renascer de forma; terá sido coincidência... e vos digo que não.

Os ditos rivais ainda com 3 jornadas de campeonato cumpridas estão a tentar na secretaria aquilo que não conseguem no pavilhão ou no estádio, que são as vitórias desportivas que ainda são poucas e há modalidades que ainda nem começaram as respectivas épocas desportivas. Esta atitude do IPDJ que se pode classificar de facciosa vai na regra de : não se morre do mal, se morre da cura; dado que esta interdição no caso de transitar em julgado vai dar azo a represálias e vinganças e o desporto português não merece ficar manchado pela violência porque um iluminado resolveu trocar uns favores.

E ficam as minhas perguntas da esfinge: Quem ganha com isto? Porque não punem os outros clubes de igual forma quando estes cometem actos de violência que até mete as autoridades policiais no meio? Afinal quem manda no desporto em Portugal?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

Apure-se o Refogado dos Donativos do Pedrógão

Devido aos trágicos fogos do último Outono, se gerou uma corrente solidária nesta nação para ajudar as vítimas dos incêndios do Pedrógão Grande que fizeram tanto vítimas mortais como vítimas materiais.

Acontece que parte destes dontivos acabaram no bolso no desgoverno da gerigonça que os usou para as obras nos hospitais da Universidade de Coimbra e outra parte se sublimou como fossem cistais de iodo expostos ao ar e dezenas de milhões de euros se sumiram no ar, sem ninguém saber onde pararam e nem as casas prometidas a quem tinha ficado desabrigado tinham sido construídas.

Passado quase um ano desta tragédia, uma reportagem da TVI, colocou o dedo na ferida e conseguiu descobrir que o dinheiro que sobrou do que não desviado para nenhuma obra de última obra como a dos HUC, ficou nas mãos da edilidade local e ainda mais grave, o edil está a pedir e a fazer o jeitinho para quem não tinha a sua morada principal na área afectada pelos fogos, transferirem a sua morada para esta mesma zona; de forma a terem as obras de reconstrução das suas casas de férias completamente gratuitas pagas pelos dontivos que os portugueses e outros cidadãos do mundo deram para mitigar esta tragédia.

O mesmo edil resolveu processar o canal de televisão, embora não tenha dado qualquer explicação sobre o destino dos dinheiros e na imprensa têm aparecido vários casos de cunhas para a obtenção de ajudas para a reconstrução de casas de férias enquanto quem precisa mesmo fica para trás e quem recebe normalmente tem alguma ligação partidária ou de amizade ao mesmo edil.

Por outro lado o Perfeito Vazio de Belém que está a banhos apenas diz que é preciso apurar saber o que se passou sobre este desvio dos donativos; mas palavras leva-as o vento e este refogado pede acção antes que comece a cheirar mais a esturro e se exige medidas profundas e radicais para se apurar responsavéis destes mesmos desvios e puní-los de forma exemplar e jamais os deixar soltos, porque gente desta tem que ir para a cadeia pagar pelo que fez o pelo que está a fazer.

O que esta situação vai levar é que a proxima angariação que ocorra através dos meios de comunicação social e que tenha suporte do presidente da república ou de outra entidade pública acabe em fracasso e tenham que ser privados que por sua iniciativa levem os donativos em géneros (exemplos: alimentos, rações para animais ou roupas) ou financiarem directamente a reconstrução de casas que não sejam habitações de férias como está acontecer em Pedrógão Grande.

Duvido que no futuro, próximas angariações de fundos para ajudar vítimas de incêndios ou de outras tragédias que envolvam dinheiro voltem a ter a mesma mobilização do que teve a causa do Pedrógrão por que agora quem quiser doar vai querer doar em géneros do que doar um céntimo que seja por que os possíveis doadores ficam desconfiados do real destino dos donativos em dinheiro porque estes podem não acabar para onde devem ir e vão para o sítio errado.

Estas situação do Pedrógão tem que ser investigada doa a quem doer e não são vãs palavras que vão fazer a máquina judicial andar, mas sim acção, acção contra aqueles que enganaram uma nação e vários cidadãos de outras partes do mundo que entraram com milhares de euros para ajudar as vítimas desta tragédia épica e que nos deveria de fazer pensar no fim do tremendo eucaliptal que existe em Portugal e numa real política de prevenção de fogos e não na pura demagogia como foram as medidas apresentadas pela gerigonça para a limpeza de florestas.

E ficam os engimas da esfinge: Por onde param os donativos para as vítimas do Pedrógão? Para quem é este compadrio que a imprensa denuncia? Porque raio não é investigado? Porque o pefeito vazio de Belém não aperta a sério com as instituições para saber o que é feito dos milhões doados?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar