Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Reportagens de Critica Investigação e Opinião

REPORTGENS, CRÍTICAS E INVESTIGAÇÕES DO CYBER-RERPORTER + SECRETO DO MUNDO Blog Nacionalista e Monárquico (UM AVISO: AQUI NÃO VAI ENTRAR O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO BLOG MONÁRQUICO E NACIONALISTA)

Reportagens de Critica Investigação e Opinião

REPORTGENS, CRÍTICAS E INVESTIGAÇÕES DO CYBER-RERPORTER + SECRETO DO MUNDO Blog Nacionalista e Monárquico (UM AVISO: AQUI NÃO VAI ENTRAR O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO BLOG MONÁRQUICO E NACIONALISTA)

Música de Primavera 3

Ainda esta semana saiu mais um álbum da antiga vocalista dos finlandeses Nightwish, Tarja Turunen, conhecida pela sua voz única no mundo do metal e o primeiro vídeo do novo álbum "The Brightest Void" já está disponível no Youtube para todos verem...

 

Espero que tenham gostado da minha escolha musical para hoje

 

 

 

No Bitter End - Tarja Turunen

 

 

 

 

 

 

 

 

Rússia 1 - Inglaterra 1; Jogo até ao fim.... Literalmente

O dia 2 do Euro 2016 foi fechado em grande com um grande jogo em Marselha no mítico Veledrome com um empate entre a Inglaterra e a Russia e que serviu de prova que um jogo só acaba quando o árbitro soprar pela última vez no apito quando o cronómetro chegar ao minuto 90 mais os descontos da praxe e como eu disse no artigo anterior gostaria que o jogo que envolveu Eslováquia e País de Gales servisse de bitola no que deve ser um jogo de futebol e serviu de bitola pelo menos para o jogo seguinte.

Inglaterra e Rússia proporcionaram um bom espectáculo dividido descaradamente em duas partes bem distintas: na primeira parte os ingleses fizeram gato sapato dos russos, os massacrando com várias jogadas de perigo e onde a defesa russa (guarda-redes incluido) foram dando conta do recado e na segunda parte se assitiu a uma inversão dos papéis onde os russos ganharam força anímica suficiente para bater o pé aos ingleses e os colocar em apuros.

Um bom jogo para se ver a hora do jantar, embora eu tenha que lamentar que também houve actos de violência entre as claques de ambas as selecções e ainda antes do jogo um grupo de uma vintena de russos espancou um adepto inglês ao ponto de o colocar entre a vida e a morte e ainda não sabe em que condições se encontra este mesmo adepto.

Estes actos de violência nada condizem com o jogo que se assistiu hoje pela hora do jantar e me fazem recuar ao nosso Euro 2004 onde praticamente não houve episódios de violência onde claques de selecçõe que são rivais dentro e fora do campo conviveram em relativa harmonia sem ser preciso partir para a estupidez como foi o caso do jogo entre russos e ingleses que merecia melhor ambiente do que teve.

O resultado foi justo e se deveu também por culpa dos ingleses que nunca souberam traduzir em golos o domínio que tiveram na primeira parte do desafio e como se sabe no futebol, quem não marca sofre e foi o que aconteceu porque apesar de só terem havido golos na segunda metade do desafio, a Inglaterra não soube segurar a magra vantagem de 1 uma bola e foi dando ainda mais espaço territorial aos russos do que já tinham concedido na primeira parte ao que se junta uma grande energia moral por parte dos cossacos que mostraram um espírito de luta exemplar e lutaram até ao fim para pelo menos levarem um ponto e não ficarem com a corda na garganta devido a uma derrota e já em tempo de descontos conseguiram o golo do empate.

O seleccionador inglês Roy Hodgson, uma raposa velha do desporto-rei que tem alguns feitos em equipas menores que as moldou a sua maneira como equipas grandes como foi o caso do Blackburn Rovers nos anos 90 tem que afinar a finalização da equipa inglesa senão iremos ter no País de Gales uma Grécia Euro 2004 modelo 2.0 porque hoje se viu que os galeses não estão para brincadeiras.

Em relação aos russos, lhes falta além de cuidar da finalização, trabalho de ginásio para terem as pernas mais rápidas porque não foram massacrados como em 1994 no mundial dos EUA onde só conseguiram ganhar a uma selecção camaronesa que mais valia ter ficado em casa e não ter perdido tempo em qualificar-se ou poderia passar a vez a outra nação que tivesse mais amor a camisola.

Voltando ao jogo e em relação a partida que opôs russos contra ingleses apenas falta mencionar a marcha do marcador:

 

 

Rússia 1 - (Glushakov 90' +2) - Inglaterra 1 (Dier 73')

Para os Políticos da República, as Penhoras e os Confiscos de Bens são contra a lei

Li um artigo no Diário Económico que me deixou preocupado com o seu conteúdo sobre  a questão do enriquecimento ilícito sobretudo dos políticos e como ónus ou a chamada inversão do ónus da prova foi usada para evitar que os políticos da república seja punidos pelos seus crimes sobretudo os económicos e a causa deste meu artigo é a entrevista da Procuradora-Geral da República, Joana Marques Vidal.

Está para ser debatido um diploma do Bloco de Esquerda que defende a apreensão de bens de políticos no caso de haver discrepâncias nas suas declarações fiscais quando estiverem a exercer funções políticas como medida de combate ao enriquecimento ilícito. Acontece que os rendimentos dos políticos ao contrário dos rendimentos dos comuns dos mortais não é totalmente tributado em sede de IRS e parte dos rendimentos são declarados na repartição de finanças e outra no Tribunal Constitucional e devido a esta divisão de declarações parte dos rendimentos dos políticos escapa ao fisco.

Este diploma apenas menciona os rendimentos obtidos quando os políticos estão na activa e não menciona os redimentos obtidos quando eles penduram as chuteiras da política da república porque estes então ainda podem fazer inveja a Cristiano Ronaldo ou a outro qualquer astro do futebol actual e a PGR questiona se este projecto-lei do BE viola a lei fundamental, o que põe a pensar se a lei fundamental da república defende que haja roubo feito por parte dos políticos da república podre, velha e senil.

O caso dos enrequecimentos ilícitos não são de hoje e já têm barbas e sempre que há uma qualquer medida legislativa que aparecem de todos os partidos e coligações menos do PS (estranho) e são sempre travados de todas as maneiras e mais algumas deixando no ar um pivete a corrupção generalizada na república que não há lixívia capaz de remover o pivete e a infecção chamada corrupção a não ser que haja uma forma de eliminar o germe chamado república que era considerado um colchão cheio de percevjeos pelo grande escritor Ramalho Ortigão.

E estes percevejos estão presentes todos os dias no nosso dia-a-dia e conseguem ser sempre eleitos para cargos políticos e quando penduram as chuteiras conseguem sempre arrajar forma de ainda ganharem mais dinheiro do que ganharam nos tempos em que estavam na política activa e aí ninguém os toca graças as redes de interesses criadas nos tempos em que eles estavam no poleiro da república, redes que duram uma vida inteira e nunca são questionadas por muito estranhas que possam ser.

E assim vai a glória republicana onde se rouba de todas as maneiras e mais algumas e estes obstáculos é a prova que nesta nação se rouba com a permissão da lei desde que se tenha um cargo político de relevância e ao mesmo tempo se consigauma entrada para aquelas sociedades secretas das quais muito se fala e pouco se sabe e as mesmas não fazem parte das chamadas declarações de interessses dos titulares de cargos políticos porque se sabe que 90% dos políticos pertencem a maçonaria e não se conta os que têm ligações a Opus-Dei.

Assim se rege uma república que cada dia que passa está mais podre cheia de interesses estranhos e que apodrecem cada vez mais a suposta democracia conquistada a muito custo numa distante Primavera nos anos 70 do século XX, mais precisamente no mês de Abril do ano da Graça do Senhor de 1974 e estes mesmos interesses a minam todos os dias com o apoio do sistema político da república e com o socorro sempre presente do sistema judicial.

Como sempre as perguntas: Porque os políticos não podem ser penhorados? São mais do que Deus? Quando é que vão caçar o enrequicimento ilícito? Quem manda mesmo em Portugal? Que interesses estão protegidos? Afinal para que nos serve a república e o seu presidente?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

País de Gales 2 - Eslováquia 1; Um Grande Jogo

O primeiro jogo do Grupo B se revelou o melhor jogo do Euro 2016 até agora realizado porque o árbitro se portou à altura do evento e as duas selecções deram o coiro em campo e mostraram um futebol bonito e fluído como várias chances de golo claras para ambas as selecções onde prevaleceu o jogo em equipa por parte das duas selecções que se equivaleram em talento.

Ambas as selecções são estreantes em europeus de futebol e nas qualificações mais recentes os galeses morrem sempre na praia, mas como se costuma dizer tanto vai o cântaro a fonte que um dia fica lá e foi o que aconteceu com a qualificação dos galeses sendo uma partida entre duas selecções que se classificaram em segundo lugar nos respectivos grupos de qualificação.

Foi uma partida que teve bola viva durante 90 minutos e sem casos a assinalar em relação ao homem do apito como foi, infelizmente, nos jogos anteriores e esta boa arbitragem foi o sal e a pimenta num jogo cheio de emoções fortes e desportivismo que soube a pouco por que para um verdadeiro fan de futebol seria um jogo digno de durar mais de 90 minutos devido a entrega que ambas as equipas tiveram num grande jogo.

Espero que esta mesma partida seja o paradigma dos jogos do Euro 2016 de hoje em diante e espero que Portugal chegue a final e jogue bonito como estas duas belas estreias que fizeram e não estou a pedir muito porque o valor em si da selecção nacional está em valores completamente cósmicos se comparados aos valores da equipa do Euro 84 onde a França tremeu e bem e o País de Gales não é só rugby e Gareth Bale.....

 

 

Resultado:

 

País de Gales 2 (Bale 10'; Robson-Kanu 81') - Eslováquia 1 (Duda 61')

 

 

 

E ainda falta o Inglaterra - Rússia

Suíça 1 - Albânia 0; O primeiro grande roubo do torneio

O segundo jogo do Grupo A do Euro 2016 ficou marcado de forma inevitável por arbitragem desgraçada que não mereceu a escolha do comité organizativo para marcar presença no maior certame do desporto-rei no Velho Continente.

A Albânia vendeu de forma bem cara a derrota aos helvéticos porque os helvéticos marcaram o único golo do desafio aos 5 minutos de jogo, mas os balcânicos não baixaram os braços e deram um festival de golos falhados que pelo menos lhes poderia ter valido o empate perante a selecção alpina e a Albânia jogou com dez desde do minuto 35 devido a expulsão do jogador Cana por duplo amarelo.

Mas não foi o duplo amarelo que prejudicou a selecção alabanesa, mas sim um penalty por assinalar nas babras do árbitro contra a selecção da Suíça que poderia ter mudado a história da partida e quem sabe ter tornado a Albânia a Grécia Euro 2004 modelo 2.0; mas com as duas primeiras arbitragens do Euro 2016, um qualquer fan do desporto-rei fica na dúvida se este europeu de futebol vai ser um torneio relativamente limpo.

O árbitro do jogo Suíça - Albânia fez jus ao seu nome e foi um grande cavalo lembrando algumas arbitragens duvidosas da Lusitânia onde os árbitros adoram ser a figura do jogo tirando todo o protagonismo dos jogadores e centrando toda a atenção no seu ego e hoje, infelizmente, aconteceu isto e é de lamentar bem como os actos de vandalismo dos ingleses que me fazem sentir saudades do nosso mui amado e odiado Euro 2004 e não ponham o Sr. Carlos Velasco Carballo que foi um cavalo a apitar o jogo de hoje

 

 

 

Resultado:

 

Suíça 1 (Schär, 5') - Albânia 0

Euro 2016 Sonho ou mais Um Melão Pesadelo

Começou ontem mais um europeu de futebol com a presença de Portugal num grupo relativamente acessível. Este mesmo europeu vai ser realizado em França, no mesmo país onde uma selecção de pé descalços deslumbrou a Europa do futebol e fez tremer os donos da casa numa meia-final épica no distante ano de 1984 onde Portugal foi o Patrício Romano Gigante nas terras de Asterix.

Espero que Portugal tenha uma exibição digna dos seus créditos individuais porque já não somos a selecção de pé descalço de 1984 e temos nas nossas fileiras o melhor do mundo para onde todos os olhos apontam. Aliás estes 23 escolhidos por Fernando Santos pelo que fizeram durante a época futebolística tem tudo para ser a fina flor do futebol nacional e comerem a relva em França e darem algumas alegrias a nossa nação que nos tempos mais recentes só tem razões para chorar do que para festejar.

Muito se fala nas redes sociais sobre o valor monetário em si da selecção nacional que supera em muito o valor do elenco escolhido por Cabrita em 1984 e este enorme público feito de 11 milhões de almas fora os que estão espalhados pelo globo são os maiores escrutinadores desta equipa de meninos ricos que todos nós esperamos ser a equipa dos meninos de oiro que vão tomar a França de Napoleão.

 Portugal não se pode queixar de falta de apoio porque o vai ter, mas se não ter tino vai desiludir uma tribo de milhões espalhados pelo globo e que depositam muita esperança numa das poucas coisas que podem dar auto-estima a uma nação que é todos os dias vilipendiada pleo poder político e que anda todos os dias a chorar as suas mágoas pelas paredes das redes sociais e que pelo menos na bola esta nação que deu novos mundos ao mundo seja maior que todos as nações e mostre que Portugal Grande no futebol não foi só nos tempos de Eusébio....

 

 

Vos deixo o video motivacional que se tornou viral e que espero que tenha sido visto pela selecção nacional em França

 

 

 

 

 

França 2 - Roménia 1, Os Irredutíveis Gauleses

Ontem começou o Euro 2016 que tem lugar em França tal como em 1984, embora com 3 vezes mais selecções e mais estádios, mais jogos e mais jogadores.

O jogo inagural do europeu de futebol não foi um jogo deslumbrante em termos desportivos valendo pelos golos em especial pelo segundo golo dos franceses que foi uma verdadeira obra de arte saída dos manuais de arte futebolística.

O jogo como eu disse cima não foi nada de especial e correu o sério risco de ser estragado porque a escolha do árbitro foi das mais infelizes alguma vez feita: o húgaro Viktor Kassai, conhecido por tre prejudicado por várias vezes as equipas portugueses e ontem ambas as equipas podem-se queixar do homem do apito, mas neste ponto de queixas; os romenos têm mais que se queixar por que foram roubados num penalty quando o marcador ainda estava em branco.

Todavia ambas as equipas foram bem superiores a uma equipa de árbitragem que nunca fez jus ao jogo relativamente bem jogado por ambas as selecções que comeram a relva durante os 90 minutos mais os descontos apesar do jogo não se considerar um hino ao futebol, foram 90 minutos bem passados e que ambas as equipas têm mérito para estar no maior certame do futebol europeu.

De destacar os golos que são sempre o sal e a pimenta de um jogo de futebol em qualquer parte do mundo e neste ponto os franceses foram cozinheiros gourmet porque marcaram os seus golos em jogadas de bola corrida e em especial o segundo golo marcado pelo caloiro da selecção francesa Dimitri Payet que reuniu o consenso entre os comentadores que irá ser eleito com toda a certeza um dos melhores golos de todo o torneio.

Os romenos deram luta aos gauleses, mas a irredutibilidade dos gauleses em casa em termos futebolísticos foi mais forte do que as surtidas dos romenos que precisam afinar o contra-ataque em muitos detalhes que não estavam afinados o suficiente para fazer frente a um equipa como a França e não nos podemos esquecer que neste mesmo grupo A está o carrasco de Portugal na fase de qualificação chamada Albânia e que hoje às 15:00 horas (hora de Lisboa) vai jogar com a Suíça e se os albaneses serem o lucky underdog como foram na qualificação se candidatam a ser uma nova Grécia modelo Euro 2004.

Pouco mais resta dizer sobre o primeiro jogo do Euro 2016 e só falta apenas mostrar o marcador do primeiro jogo do Euro 2016 (o primeiro com 24 selecções)

 

 

França 2 (Giroud 57'; Payet 89') - Roménia (Stancu 65')

 

 

 

Espero que tenham gostado da minha primeira análise de um jogo do Euro 2016