Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Reportagens de Critica Investigação e Opinião

REPORTGENS, CRÍTICAS E INVESTIGAÇÕES DO CYBER-RERPORTER + SECRETO DO MUNDO Blog Nacionalista e Monárquico (UM AVISO: AQUI NÃO VAI ENTRAR O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO BLOG MONÁRQUICO E NACIONALISTA)

Reportagens de Critica Investigação e Opinião

REPORTGENS, CRÍTICAS E INVESTIGAÇÕES DO CYBER-RERPORTER + SECRETO DO MUNDO Blog Nacionalista e Monárquico (UM AVISO: AQUI NÃO VAI ENTRAR O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO BLOG MONÁRQUICO E NACIONALISTA)

Portugal 1 - Islândia 1, E o Bacalhau congelou as Sardinhas

A expectactiva de 11 milhões (pelo menos) em volta da selecção hoje levou um rude golpe quando a selecção nacional deixou-se empatar por uma Islândia que não deslumbrou, mas fez um futebol eficiente baseado não só na estatura dos seus jogadores como no chamado jogo colectivo que hoje ficou congelado nas hostes portuguesas.

E Portugal teve muitas unidades em déficit como Vieirinha ou Danilo que comprometeram o meio-campo nacional e deu demasiadas folgas aos islandeses que representam um país que tem 10% dos habitantes da área metropolitana de Lisboa ou tantos habitantes como Vila Nova de Gaia e onde o futebol é tão profissional como na antiga II divisão B, agora chamada de Campeonato de Portugal.

Apesar de Portugal ter massacrado a baliza dos islandeeses, este massacre não valeu de nada porque Portugal consentiu o empate, empate o qual serviu de castigo não só pela ineficiência dos atacantes portugueses, como castigo pelas escolhas duvidosas de Fernando Santos para a constituição inicial que cometeu erros que nem Jorge Jesus cometeria nos seus tempos de Benfica.

Algo tem que ser corrigido porque não quero ver Portugal a jogar com a França antes de uma hipotética final porque seria eliminação certa, mas pior é se Portugal ficar pela fase de grupos com um grupo tão fácil e se isso acontecer então algo está muito mal na selecção nacional e algo tem que ser mudado porque se estes jogadores nos representam então o façam com dignidade porque só no desporto é que esta nação poderá recuperar a auto-confiança que os políticos nos roubam todos os dias.

E para mim o homem do jogo foi o guardião islandês porque foi o principal responsável do facto do bacalhau ter congelado as saridnhas doiradas vindas de Portugal: Hannes Halldorsson....

 

 

Marcha do Marcador:

 

 

 

Portugal 1 (Nani 31') - Islândia (Birkir Bjarnason 50')

Hungria 2 - Áustria 0, Uma Rapsódia de Liszt

O primeiro jogo do grupo F onde se inclui Portugal foi uma agradável partida de futebol onde o jogo de equipa dos magiares conseguiram vencer o relativamente insípido jogo dos austríacos que não passava de uma valsa muito lenta sem grande noção de ritmo desportivo ou musical, mesmo se sabendo que a Áustria sempre teve e tem boa música.

Os magiares deslumbram com um jogo de equipa e onde deram baile a uma Áustria sem grandes argumentos para uma Hungria surpreendentemente forte para o que nos habituou nos últimos tempos onde a nostalgia dos magos da bola dos tempos de Puskas e seus companheiros é mais forte que os argumentos em campo; trouxe desta vez uma certa magia como ao rítmo de rapsódia não boémia como a que foi criada por uma das melhores dádivas do Império Britânico, mas sim uma verdadeira rapsódia húngara digna de qualquer salão do antigo Império Austro-Húngaro.

Uma arbitragem sem quaisquer casos de relevo o que ajudou nesta verdadeira rapsódia de futebol que nos remeteu para uma altura onde o futebol era relativamente limpo e era apenas com amor a camisola.

Fiquei surpreendido com a actuação dos húngaros que nunca tinha tido uma actuação de relevo em qualquer europeu de futebol e hoje pelo menos no primeiro jogo estão aqui para mostrar algum serviço e tal como o País de Gales se arriscam seriamente a serem a equipa sensação do torneio devido ao seu jogo fluído e baseado não só no chamado futebol total, bem como no jogo de equipa que deve ser sempre a base de um jogo de futebol.

 

 

 

Fica o resultado:

 

 

 

 

Hungria 2 (Szalai 62'; Stieber 87') - Áustria 0