Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Reportagens de Critica Investigação e Opinião

REPORTGENS, CRÍTICAS E INVESTIGAÇÕES DO CYBER-RERPORTER + SECRETO DO MUNDO Blog Nacionalista e Monárquico (UM AVISO: AQUI NÃO VAI ENTRAR O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO BLOG MONÁRQUICO E NACIONALISTA)

Reportagens de Critica Investigação e Opinião

REPORTGENS, CRÍTICAS E INVESTIGAÇÕES DO CYBER-RERPORTER + SECRETO DO MUNDO Blog Nacionalista e Monárquico (UM AVISO: AQUI NÃO VAI ENTRAR O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO BLOG MONÁRQUICO E NACIONALISTA)

Portugal 1 - Croácia 0, tanto sofrimento e tanta alegria

O jogo dos oitavos de final do euro 2016 entre Portugal e Croácia foi um sofrimento sobretudo para as almas portuguesas porque sobretudo nos 90 minutos do tempo regulamentar, Portugal não deu réplica para uma Croácia sempre traiçoeira e sempre ameaçadora para as hostes lusitanas que faziam o que podiam e muitas vezes o que não podiam para evitar a eliminação precoce da selecção das quinas.

Esta selecção dos Patrícios modelo 2.0 conseguiu segurar o empate até o minuto final do tempo regulamentar e o tempo extra, o jogo se transformou em algo de chato num jogo onde o coração falava mais alto do que a razão em ambas as equipas e onde se viu futebol total, mesmo assim os croatas foram mais ameaçadores do que foram os portugueses e o meio campo luso esteve fora de serviço até a entrada de Renato Sanches que deu vida ao meio-campo português com as suas arrancadas que com a entrada posterior de Ricardo Quaresma foi quando o meio-campo lusitano começou a encostar os croatas as cordas.

E tal como no último jogo da fase de grupos com a Hungria a dupla Sanches e Quaresma acordou o meio campo luso formando uma espécie de triângulo do golo juntamente com Cristiano Ronaldo e aparece sempre um vértice para para transformar este triângulo numa espécie de quadrilátero de ataque que envolve os defensores adversários e joga de uma forma implacável e mais uma vez o miúdo da Musgueira começou a jogada que nos deu a passagem para os quartos de final com um arranque que aos mais nostálgicos pode fazer lembrar Maradona ou Eusébio nos seus primeiros tempos, descobre Nani livre, depois Nani passa para Quaresma e este Para Cristiano Ronaldo que segue para golo, mas o guardião croata defende para a frente e Quaresma na recarga não falha e marca o golo que nos valeu o passaporte para os quartos de final.

Num país tão acossado com a crise crónica, com políticos corruptos, e corrupção enraizada, a baixa estima nacional cada vez mais baixa, ao menos que tenhamos uma alegria neste ópio do povo chamado futebol e apesar de ter estado pessimista com a selecção nacional devido a tímida exibição na fase de grupos, agora estou um pouco mais optimista e por favor deem uma alegria ao desgraçado povo português que não é só Portugal e que está espalhado pelo mundo fora e além dos portugueses se lembrem da lusofonia que tem os olhos e os ouvidos postos na selecção nacional e que esperam ver uma centelha de luz da constelação de estrelas chamada Selecção Nacional de Portugal de Futebol.

É de lamentar que o árbitro tenha roubado um penalty a equipa das quinas ainda nos 90 minutos e que caso fosse assinalada poderia ter mudado o destino do jogo, mas parece ser doença crónica o aparecimento episódico de arbitrgens manhosas.

 

 

Fica a marcha do marcador

 

 

Portugal 1 (Quaresma 117') - Croácia 0

Depois do Brexit.... Porque Não um PT-Exit?

O referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia que decidiu a favor da saída provocou ondas de choque semelhante a da tsunami do Pacífico em 2005 ou do 9/11.

A primeira onda de choque se sentiu do umbigo da Europa quando o presidente do Parlamento Europeu veio exigir rapidez na saída do Reino Unido da UE e depois foi a queda do governo de David Cameron que fez o referendo e e queria o referendo, mas que deu um tiro no próprio pé porque a saída ganhou como nunca teria pensado e os movimentos eurocépticos sejam eles de direita ou de esquerda ganharam força e já se fala em referendos para a saída da UE noutros países incluindo países fundadores como a França.

Ironicamente entre as hostes do voto pela saída começaram a aparecer alguns arrependidos e já corre uma petição para novo referendo no Reino Unido para se reverter a situação criada pelo Brexit.

As redes sociais andam agitadas devido as trocas de argumentos entre defensores do Brexit e defensores da manutenção do Reino Unido na UE e a troca de argumentos é forte por vezes descendo ao nível da ofensa pessoal, mas esta decisão do Brexit, mesmo para os europeístas põe em questão o destino que está a levar a UE no presente momento com as imposições de Berlim e com o fluxo descontrolado de refugiados e com a ausência de uma política comum para resolver esta mesma situação.

Já estão a fazer um bicho papão de algo que mais tarde ou mais cedo poderia acontecer e os arrependidos conseguiram juntar as assinaturas suficientes para um novo referendo. Mesmo que o Brexit seja revertido fica a marca que algo tem que ser mudado na União Europeia e que o Tratado de Lisboa não é nada porreiro e tem que ser revogado para que aqueles que defendem a saída da UE fiquem sem argumentos por que enquanto o Tratado de Lisboa continuar em vigor, vão haver mais referendos e poderá acontecer a saída de algum membro fundador e aí a coisa vai ficar bem feia para a UE.

Por isso a UE tem que ser muito bem bem repensada e quem sabe se não tem que recuar aos tempos em que era apenas uma comnunidade económica de onde só saiam pareceres e susgestões de padrões de qualidade sobre tudo que era produzido e não imposições de quotas de produção para tudo e mais alguma coisa e Portugal não aguenta com este sistema porque tem uma economia exportadora e com uma moeda forte como o euro, com quotas de produção que facilitam a importação e difcultam a exportação.

Os europeístas estão em estado de pânico com esta saída e com o inevitável efeito dominó sobretudo nos países não-fundadores da UE, o mais grave deste efeito é que onde se fala mais em referendos de saída são em países fundadores e a camarilha dos fundadores já se reuniu para assegurar que não haver casos iguais. e a mim me lembrou quando Cavaco Silva disse que o BES era seguro quando não o era.

Como sempre ficam as minhas perguntas: Porque não se pode questionar a permanência de Portugal na União Europeia? O que aconteceria se Portugal saísse da UE? Porque existe este pânico em relação ao Brexit?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar