Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Opiniões e Críticas Secretas

Opiniões e Críticas Secretas

Na edição de dia 28 de Julho de 2016 a capa do jornal Público a letra C desapareceu de todas as palavras impressas na capa do dito matutino e nem sei se aconteceu no resto da edição de papel porque não a cheguei a comprar porque ando sempre liso e deu para reparar em tamanha gralha.

Provavelemente a terceira letra do alfabeto latino fugiu da tipografia onde é imprimido o matutino agora sediado nas Docas de Alcântara por causa do calor e foi gozar um diazinho de praia devido ao calor que se fazia sentir na data em quem a mesma edição foi encerrada e composta na tipografia e esta gralha secalhar passou em branco para muitos dos lisboetas, mas como eu tenho este hábito de ler sempre as capas dos jornais porque as edições online de muitos jornais têm conteúdos reservados apenas para assinantes e normalmente são as chamadas notícias de caixa alta e que fazem com que os jornais se vendam ou vendam assinaturas das edições electrónicas.

E esta estranha capa do matutino Público que é um dos jornais que leio em termos de edições online deixou-me com uma sensação esquisita se algo não se passou de estranho nem com os tipógrafos ou com quem faz a paginação do mesmo jornal porque falhar uma letra em patricular por várias vezes e não numa palavra é algo que não me lembro de ter visto nos jornais desde que lembro uma tão grande gralha num qualquer jornal e depois se queixam que ninguém compra jornais.

Com gralhas destas só se for para gozar com os tipógrafos do jornal Público que meteram a pata na poça e até que achei estranho ninguém vir comentar, bem talvez estejam distraídos com outras coisas.

Nem vale a pena deixar perguntas em tão curto artigo, mas fica o pedido de sempre para lerem, comentare e divulgarem

Ontem nos destaques do Sapo Blogs vinha uma sugestão de assunto que era a ressaca do Euro 2016 realizado em França e onde Portugal conseguiu o seu melhor resultado de futebol de todos os tempos (até agora) que foi a conquista do título de campeão europeu em seniores pela primeira vez em mais de 100 anos de futebol federado em Portugal o que é de louvar porque não foi uma equipa de grandes figuras a conseguir o feito (em 2004 tínhamos grandes figuras e no fim nada levamos) e fui uma equipa focada no jogo em bloco e numa forma atípica de jogar futebol em Portugal muito centrada num certo cinismo tirado do catenaccio italiano.

Estatisticamente foi a selecção que ganhou um europeu de futebol com menor número de pontos conquistados, mas este menor´pontuaçãpo não tira mérito a conquista lusitana que foi uma centelha de alegria num país que passa o tempo sempre de cabeça em baixo devido aos políticos incompetentes que nos dirigem, mas há um intelectual brasileiro que disse uma vez que nação tem o governo que merece porque foi o povo que o escolheu e assim aconteceu em Portugal e por todos os recantos onde há uma democracia mais ou menos clara.

Foi o maior ajuntamento humano nas ruas de Lisboa desde do 25 de Abril ou do primeiro 1º de Maio depois da revolução dos Cravos, e foi ao mesmo tempo um ganhar de auto-estima nacional que nos faz pensar que podemos ser mais do que fado, sol e praias e foi uma alegria que não conseigo descrever, sei que na final não parava sentado, sobretudo no prolongamento e depois ao ver os Patrícios 2.0 a tomar conta do jogo comecei a cantarolar o referão da música Força de Nelly Furtado e comi um frasco de termoços do Lidl e fartei-me de mastigar pastilhas.

Quando começou o tempo extra mais pastilhas foram mastigadas e eu andava de um lado para o outro a roer unhas e a cantarolar e ninguém me sossegava, nem a minha mulher e depois aconteceu o primeiro momento mágico daquela noite que foi o golo de Eder e o resto foi ver História a ser escrita e no dia seguinte ver a recepção dos campeões da Europa que o mereceram ser.

Mal estávamos refeitos de uma festa e começou o Europeu de Hóquei em Patins, modalidade desportiva que antes fazia parte dos noticiários desportivos e agora tem menos atenção do que o hipismo ou os rallies, e este Euro de Hóquei tinha um certo sabor diferente porque seria o primeiro a ser disputado no esquema de grupos de apuramento antes das eliminatórias subsituindo o modelo anterior de pontos corridos dado a jogos que eram jogados em anti-jogo ou com beneficiadas com empates dos adversários como foi há dois anos a Itália que ganhou o caneco graças a um empate no clássico dos clássicos do hóquei em patins: Portugal - Espanha.

Foram 18 anos de espera e foi na mesma cidade que acolheu o último mundial conquistado por Portugal em 2003, Oliveira de Azeméis e que também fez a festa da conquista do Euro de hóquei frente á Itália com um pesado resultado 6-2 a favor dos lusitanos, mas como quase ninguém liga um chavelho ao hóquei ninguém veio para Belém para receber os campeões europeus que fecharam com chave de ouro uma época grandiosa para o hóquei em patins lusitano onde os clubes ganharam as taças europeias sem qualquer contestação e a selecção seguiu o mesmo exemplo onde aplicou sempre goleadas incluindo aos crónicos adversários como Itália e Espanha que foram despachadas por 6-1 cada uma e não me lembro na minha vida ver os maiores rivais de Portugal levarem tal tratamento de Portugal.

Antes de acabar volto ao futebol e como em Setembro começa a qualificação da zona europeia para o mundial de futebol de 2008 que vai ser realizado na Rússia e temos que pensar que vamos entrar na qualificação apenas para aparecer na terra dos Czares por aparecer; temos que nos qualificar porque somos campeões europeus em título e favoritos a sermos campeões do mundo e esta é a realidade por muito parva que possa ser e em relação a hóquei o mesmo se aplica porque este conjunto escolhido pelo Professor Luís Séneca que levou o Benfica a quebrar com o domínio do FCP e ao mesmo tempo deu a primeira liga dos campeões ao Benfica tem tudo para quebrar este jejum que já dura desde 2013.

Desta vez sem perguntas, apenas vos peço para lerem, comentarem e divulgarem

 

Dois membros do Daesh, também conhecido por Estado Islámico do Levante ou ISIS, voltaram a atacar, e desta vez entraram numa igreja católica no norte de França, fizeram 3 reféns, um padre e duas freiras e degolaram o padre que tinha 86 anos de idade e o Daesh já veio revindicar a autoria deste bárbaro atentado, apenas mais um por parte de uns animais que têm medo de Israel e que estão a precisar de uma bomba nuclear nos cornos.

Arnaldo Matos, líder dos maoístas do PCTP/MRPP considera os actos terroristas como actos legítmos de guerra e indo por esta linha de pensamento posso pensar que quando a PIDE dava caça aos membros do MRPP e os torturava era um acto de defsa da pátria porque quem defende terroristas ainda mais bárbaros do que o 3º Reich é igualmente um terrorista e tem que ser punido com toda a força da lei e se tivesse num país que desse caça aos terroristas como Israel, cidadão Arnaldo Matos estaria preso para o resto da vida para não dizer que poderia acbar enforcado ou algo parecido.

A Europa dita civilizada e o resto do mundo civilizado tem que criar uma frente comum contra os animais do Daesh antes que eles nos entram pela porta a dentro e não é a construir mesquitas onde não devem ser feitas que se evita o terrorismo, aliás é não as construindo que se evita que estes monstros tenham espaço de movimento para criem mais atentados ou "actos legitmos de guerra" segundo Arnaldo Matos e se formos assim a pensar estamos a precisar que o ELP volte a activa e tome algumas medidas de acção directa para que se eliminem estes terroristas que vão aparecendo porque as autoridades policiais e judiciais passam o tempo a dormir.

Gostava de saber qual o mal que um padre octagenário faz ao mundo para ser assassinado por estes enviados da Besta e que ainda são defendidos por outra besta chamada Arnaldo Matos que é tão boa quanto estes enviados da Besta da Bíblia e se é um acto legítimo de guerra degolar um padre, bem se alguma nação lançar uma bomba nuclear em cima dos territórios do Daesh e eliminar esta canalha toda e depois as forças da ordem e as forças armadas montarem uma caçada mundial aos membros que restam desta quadrilha será um acto legítimo de guerra.

Não nos podemos esquecer que a Europa tem agora dois líderes que já disseram não terem pudores em usar armas nucleares: um já se sabia Vladmir Putin da Rússia e outro é a ainda recente Primeira Ministra do Reino Unido Theresa May que afirmou de forma clara que caso seja preciso usará o arsenal nuclear do Reino Unido caso seja necessário e que não iria sentir qualquer peso na consciência.

E com atentados como o de hoje e o de ontem em Bagdad estamos a precisar de líderes mundiais com eles no sítio a imagem de Churchil, De Gaulle, Fraklin Roosevelt ou Golda Meir porque este germe chamado terrorismo tem que ser eliminado da face da Terra seja a que custo for porque estes seres não são humanos, são vermes que têm que ser eliminados de tal forma que não reste semente para que possam renascer porque estes vermes são os enviados da Besta que vêm montados no quarto cavalo do Apocalipse, o cavalo verde, verde que é a cor do Islão.

O mundo dito civilizado tem que tomar medidas extremas para acabar com esta peste antes que esta peste nos contagie sem qualquer hipótese de cura e com eminências cinzentas como o Taliban Medina, edil de Lisboa; esta peste tem tudo que precisa para prosperar em Portugal sem que se dê por isso até ser tarde e muito provavelmente estas ratazanas contaminadas da peste do terrorismo já se encontram entre nós sem sequer sabermos até ser tarde.

Uma nota de rodapé a encerrar: um dos terroristas (eram dois e ambos foram abatidos pela polícia) tinha pulseira electrónica e fez o que fez e acabou abatido pela polícia e foi a besta que degolou o velho padre e é apenas mais um crime sem perdão possível por parte destes enviados da besta.

Como sempre as perguntas: Quando é que se elimina o Daesh? Porque o apoiam? Quem ganha em apoiar o Daesh? Quem tem tomates para acabar com eles? Porque resolveram atacar uma igreja? Do que o Mundo está a espera para resolver de forma definitiva o problema chamado Daesh? Quem os financia? Será preciso usar armas nucleares para acabar com estes terroristas? Que caminho leva o mundo?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

A mais recente ideia de Fernando Medina o infiltrado taliban que é o Edil de Lisboa deixa chocada qualquer pessoa de bom senso e esta nova ideia do Taliban Medina é despejar os comerciantes das lojas que são da propriedade da CML e converter os imóveis em habitações que vão de T0 a T2 e com rendas no caso dos T2 serão de 450 euros que é o preço de mercado para esta tipologia de imóvel. Todavia o Taliban Medina diz que estas mesmas casas serão para habitação jovem e eu ao ler a notícia fiquei de boca aberta como é que se pode alugar a jovens em início de vida independente por 450 euros com a crise que Portugal está.

Podem-me chamar teórico da conspiração, mas esta ideia triste do Taliban Medina é, na minha opinião, uma forma oculta de conseguir construir a mesquita na baixa de Lisboa usando desta vez os imóveis da CML porque a CML é a dona destes mesmos imóveis e pode fazer deles o que muito bem quiser, até uma mesquita totalmente gratuita se tal a mesma CML assim quiser e como so imóveis ficam fora da Mouraria, evita assim ter que cumprir a providência cautelar contra a construção da mesquita na Mouraria e pode cumprir o seu sonho de encaixar uma mesquita na baixa de Lisboa.

 Este Taliban Medina está a usar a chamada NRAU ou Lei dos Despejos para virar contrtatos de arrendamento, alguns com várias décadas de existência a seu favor e gerar desemprego e se estes imóveis não acabarem numa mesquita irão acabar com toda a certeza em hoteis ou hostels para atrair ainda mais turistas para o Grande Hotel Lisboa onde por este andar ainda se têm que contratar figurantes para mostrar aos turistas como é o Homo Olisiponensis porque pelo andar das coisas os lisboetas puros como eu não passarão de animais em extinção porque os mesmos lisboetas que trabalham e dão o coiro na cidade que um dia foi capital do Império têm que ir morar para fora de Lisboa e com lojas a fechar por causa dos caprichos de um chanfrado ainda vão ter que trabalhar fora de Lisboa.

O resto da gerigonça ainda não viu a coisa com olhos de ver e quando abrir os olhos vai ser tarde demais e a o mal estará feito e depois é aguentar e cara alegre e já estou farto destas ideias acéfalas do Edil de Lisboa que só pensa em turistas e satisfazer interesses ocultos para se manter na cadeira de edil da maior cidade portuguesa e estar a frente de cerca de meio milhão de pessoas porque com toda a certeza não está para os lisboetas, mas sim para se servir dos lisboetas e ainda vai haver otários que vão votar nele, mas felizmente eu não vou fazer tal bosta porque se for para votar no Taliban mais vale fazer amor ou estar em casa a ver uns filmes do que ir votar.

Este edil de Lisboa mostra o quão actual é a música dos Eurythimics "Sweet Dreams (Are Made of This") a qual tem uma parte do referão (tradução livre) que diz assim: "Há pessoas que te querem usar/ Outras querem ser usadas por ti/ Outras querem abusar de ti/ Outras querem ser abusadas" e Taliban Medina transforma esta pérola da New Wave e que se converteu num dos maiores hits da música mundial de todos os tempos (não haveria de ser dos anos 80) editada quando a Guerra Fria estava a se tornar demasiadamente quente para se suportar, no ano da graça do Senhor de 1983 e saída em Portugal menos de 6 meses depois da sua data de edição original no Reino Unido e nos EUA.

Sei que para o ano que vem é ano de eleições municipais e uma coisa é certa para mim, não irei votar na esquerda porque esta gerigonça para mim não me diz nada e sobretudo a nível municipal, Lisboa está pior do que nos tempos de Abecassis e se é para sair deste retrocesso com 30 anos então se tire o Taliban Medina da edilidade e se coloque outra pessoa que seja mais competente para o lugar e como ainda não há candidatos assumidos e nem as máquinas partidárias nomearam sequer candidatos as principais edilidades nacionais como Aveiro, Porto, Coimbra, Lisboa ou Faro não irei ainda manifestar a minha intenção de voto definitiva sem ver quais são os candidatos para a capital.

E ficam as perguntas: O que o Taliban Medina pensa fazer da cidade de Lisboa? Que interesses ele serve? A quem ele serve mesmo? Quando é que acabam os abusos em Lisboa? Quem pára este senhor e as suas obras insanas que para nada servem? Quem paga as suas pancadas? Será quem em 2017, os lisboetas têm uma atitude de lucidez e correm com este senhor da edilidade?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

Não sou muito de teorias da conspiração, mas quando li o romance de José Rodrigues dos Santos com o título "A Mão do Diabo" inspirado nesta crise mundial desplotada pela crise do sub-prime dos EUA e que depressa espalhou pelo mundo atingindo com especial e dolorosa violências as economias mais frágeis e periféricas como Portugal, Grécia ou Espanha e na luta do criptanalista Tomás de Noronha e como ele foi levado para a investigação que é uma das duas narrativas principais do romance e que leva também a sua conclusão deveras desconcertante ao mesmo tempo demasiadamente próxima da actualidade para ser ignorada.

No mesmo romance de José Rodrigues dos Santos se fala numa sociedade secreta que manipula por detrás da cortina os poderes políticos e económicos na Europa, sobretudo na UE e que foram os causadores da crise que se sentiu na Europa, crise a qual foi desplotada pela crise do sub-prime nos EUA e que atingiu com especial dureza os chamados PIGS (Portugal, Irlanda, Grécia e Espanha) levando a pacotes de austeirdade e a planos de resgate que reduziram ainda mais a soberania dos países atingidos.

Dos quatro, o único que conseguiu sair da crise de forma airosa foram os celtas porque os outros ainda sofrem com a austeridade e em termos políticos estão numa de já nem sabem o que querem ou quem votar nas eleições gerais e no caso português foram os gastos em obras públicas, muitas delas de utilidade duvidosa e as PPP que apenas uma tem verdadeira utilidade e chama-se Fertagus e talvez a Lusoponte, porque as outras apenas servem para encher uns quantos mamões a nossa conta, na Grécia foram as contas falsificadas pelos socialistas para permitir a entrada da Grécia no euro e esta mentira deu o estoiro e para uma pessoa querer alguma coisa na Grécia sobretudo dos serviços públicos tem sempre que "molhar" a mão de alguém senão não leva porra nenhuma e a Espanha caiu, tal como Portugal, na armadilha do crédito barato, mas em vez de gastar em obras públicas, alimentou como a Irlanda uma bolha imobiliária que estoirou assim que se deu a crise do sub-prime nos EUA.

Acontece que José cherne Durão Barroso estava a frente da Comissão Europeia quando a crise estoirou e quando este senhor tomou das rédeas da UE tinha sido convidado para um dos misteriosos jantares do Clube Bilderberg (pela primeira vez) e o papel de cherne Barroso foi dar rédea solta a chamada troika e esteve-se nas tintas para os interesses da nação.

E esta rédea solta parece ter dado grandes frutos porque cherne Barroso foi convidado para presidente um dos bancos que muitos apontam tanto em romances como na imprensa como um dos culpados da crise do sub-prime e das suas consequências de seu nome Goldman Sachs e o senhor Cherne acetiou o cargo no Goldman Sachs apesar de se saber do papel do mesmo Goldman Sachs nesta mesma crise.

Todavia não nos podemos esquecer que esta é apenas mais uma traição que Cherne Barroso faz a Portugal porque a primeira foi quando ele largou a nação para ser presidente da Comissão Europeia que eu até estupidamente elogiei a escolha feita pela UE neste mesmo blog, mas aprendemos com erro e foi um erro que cometi e depois de ter deixado Portugal se afundar e o mesmo Cherne não soube travar os pacotes do austeridade como presidente da Comissão e sobretudo como cidadão português que deixou o seu país se afundar sem deitar a mão e agora foi se juntar a um dos culpados da crise.

Lembra o principal vilão do romance que é presidente da Comissão Europeia e é líder de uma sociedade secreta e manipula tudo para que a crise aconteça e não nos podemos esquecer que Durão Barroso tem um percurso um todo de nada semelhante ao de Cherne por que este último foi pelo menos a um dos misteriosos jantares do Clube Bilderberg e JRS nas notas finais do livro "A Mão do Diabo" coloca a palavra Ficção entre aspas e quando um livro seja qual for assenta que nem uma luva na realidade, a coisa pode estar feia.

Como sempre ficam as minhas perguntas sem resposta: Porque Chene Barroso acetiou o cargo no Goldman Sachs? Será que o livro "A Mão do Diabo" é mais verídico do que se poderia pensar? Quais os verdadeiros interesses de Cherne Barroso? Como é possível este senhor ter condecorações do governo da república? É isto que a república defende?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

 

Bem, a bagunça que se passa na Ciaxa Geral de Depósitos, alguma vez tinha que ser travada ou tinha que dar bodega e o Banco Central Europeu já desceu ao terreiro e não está a ser meigo nas exigências feitas a gerigonça.

O BCE exige que a gerigonça tenha um plano de contigência caso o plano de financiamento da gerigonça falhe e que o banco do estado tem gente a mais a mandar e muitos dos que mandam tem conflitos de interesses, inexperiência bancária dos mesmos corpos gerentes e o excesso de admistradores que já se contam em 19 e que segundo as regras do BCE nunca podem ser mais do que 15.

Com os prejuízos do banco do Estado a a crescerem como cogumelos no Outono e a gerigonça a continuar a boicotar uma auditoria externa a CGD não se sabendo os motivos claros deste mesmo boicote e que pode parecer que existem muitos segredos da gerigonça sobretudo financeiros que esta não quer que os comuns mortais saibam quais saõ estes segredos que ninguém quer tornar públicos.

Estes segredos que dão a aparencia de querer esconder devem ser públicos pelo simples facto dos partidos políticos da república, sobretudo os que tem assento na praça de touros de S.Bento , digo no Parlamento terem como principal receita a subvenção estatal pelo número de votos e os salários dos deputados saem dos nossos impostos e estes mesmos impostos que deveriam de ser canalizados para aquilo em que o Estado deve ser Estado, não o são e o mistério é saber para onde vão parar realmente estes impostos que pelo visto agora só sevrem para salvar uma banca pessimamente gerida e apenas guiada ao sabor dos partidos.

Gostava de saber qual foi a eminência parda dentro do banco do Estado que teve a ideia de reduzir funcionários de base e agências e ao mesmo tempo aumentar o número de administradores dentro do mesmo banco, sabendo-se que os corpos gerentes ganham muito mais do que um simples caixa de uma agência bancária que ganha o seu salário ao final do mês aturando clientes de todos os tipos e alguns que são mesmo chatinhos ou outros que são um espectáculo de pessoa e não recebem mais por isso, mas estranhamente os administradores recebem prémios de produtividade quando quem produz são os caixas.

Estas eminências pardas estão a contribuir para que se aumente o desemprego já de si enorme para uma nação tão pequena como Portugal e onde cada vez há menos gente nova a nascer e onde não está assegurada a chamada substituição das gerações; mas esta eminências pardas passam o tempo a olhar para o seu umbigo e para o seu partido em vez de olharem para a sua função e em vez de servirem o banco do Estado se servem do banco do Estado e este carnaval onde só não vale arrancar olhos continua sem que ninguém faça nada e como se vê a esquerda boicota qualquer tipo de investigação externa e assim fica um pivetezinho a corrupção que até tomba e o presidente da república se consola a passear e a dar medalhas aos desportistas portugueses que nos vão dando ânimo e nos ajudam a esquecer esta podridão que nos rodeia.

Ficam as minhas perguntinhas de sempre e quase sempre sem resposta: Porque não querem uma investigação externa a CGD? Que segredos se escondem na CGD? Porque não querem reduzir o número de administradores na CGD? Se por acaso a CGD cair como cairam BANIF ou BES quem vai pagar a bronca? Porque o presidente da república se fecha em copas?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

A vingança é um prato que se serve frio e normalmente é um prato bem doce sobretudo no desporto e a final de dia 10 de Julho, foi a prova desta doçura que quase sempre a vingança executada na altura certa esconde, mas esta vigança de 10 de Julho não foi fácil e não foram poucas as chances em que esta vingança seria gorada e luta dos Patrícios 2.0 seria em vão.

 Mas neste primeiro europeu de futebol com 24 nações se sabia logo a cabeça que não seria como os outros seja para o bem ou para mal e com o apuramento de três naçoes do Pote 5 dos sorteios das qualificações: Albânia, Islândia e Irlanda do Norte e outra do Pote 4: País de Gales que algo poderia acontecer e quando vi o alinhamento dos grupos disse a um vizinho meu que parecia que o sorteio tinha sido feito a medida para que a final fosse um Portugal - França; bem pelo visto acertei quando se chegou ao final da fase de grupos.

Esta final em parte desejada para que se batasse este borrrego das meias finais perdidas para a França sobretudo em Europeus e para dar a provar aos franceses o gosto do veneno que nos fizeram engolir em 1984 e 2000 e pagarem pelo gozo que tiveram quando a Grécia nos ganhou o nosso Euro no Estádio da Luz.

Está claro que não me caiu no goto esta qualificação para o mata-mata só com empates e o facto de Portugal só ter ganho um único jogo dentro dos 90 minutos que foi a meia-final com o País de Gales, mas o facto é que estávamos na final com um nossos arqui-inimigos em termos desportivos e em especial no futebol de seu nome França e quando se chega a este ponto num torneio de futebol todos os resultados são possíveis embora se soubesse que a França iria ser levada ao colinho.

E assim foi; Portugal entrou com medo e a França qual cão raivoso sentiu este medo e enconstou Portugal as cordas desde início havendo uma pressão terrível dos franceses que iam abrindo brechas nas linhas recuadas dos Patrícios 2.0 todavia Rui Patrício foi imperial nas redes lusas e nada lá entrou, mas na primeira parte tivemos o golpe de teatro que marcou o jogo pela negativa quando o jogador francês dá uma entrada por trás em cheio no joelho esquerdo de Cristiano Ronaldo e ainda nem tínhamos chegado aos dez minutos de jogo que colocou o capitão português fora da partida no minuto 25, mas que o árbitro fechou os olhos.

Com o passar do tempo Portugal foi ganhando coragem foi começando a ganhar domínio territorial aos franceses e ainda dentro dos 90 minutos, mais um penalty roubado a Portugal e no último minuto dos descontos os franceses falharam um golo feito e depois fomos para os 30 minutos do tempo extra, coisa que Portugal só não tinha feito na fase de grupos e contra os galeses.

E nos trinta minutos da nossa glória a França começou a perder a pilha e um um herói improvável começou a aparecer a incomodar a defesa francesa de uma forma cada vez mais sistemática e mais perigosa e a França apenas era no prolongamento uma pálida imagem da equipa que foi nos 90 minutos regulamentares e com esta França sem pilhas, Portugal que vinha aos poucos a ganhar as rédeas do jogo aos franceses, agarrou-as de forma derradeira e definitiva.

Neste jogo de emoções, e de muitos tremoços comidos e unhas roídas, o momento mágico que elevou os 23 escolhidos de Fernando Santos para a eternidade surgiu no minuto 109, quando Éder, o verdadeiro patinho feio da selecção marcou o golo da nossa maior alegria e de uma vingança que já estava na hora de cobrar de uma forma que fez a lembrar a maneira de chutar do Pantera Negra que foi o talismã dos Eternos Patrícios 2.0 que deram uma grande alegria num breve momento, este breve momento que nos fez esquecer a crise e os políticos corruptos e inúteis que nos roubam a auto-estima e a alegria de viver.

Esta vitória nacional nos fez sonhar que Portugal está a caminho de ser um país grande, com uma grande auto-estima e alegria de viver e fiquei pasmado, mas não surpreendido com a festa feita em todos os recantos onde houvesse portugueses, mas sobretudo nas antigas províncias ultramarinas onde a festa foi generalizada mesmo por aqueles que nunca falaram a língua de Camões como em Malaca ou os chineses de Macau e esta festa lusa transcontinental é o verdadeiro V Império que falava o Padre António Vieira e Fernando Pessoa.

 

 

Fica o marcador

 

 

Portugal 1 (Éder 109') - França 0

 

 

 

Parabéns Heróis

 

 

e ainda deixo três músicas dedicadas aos heróis

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Desculpem só falar hoje da segunda meia final do Euro da vigança e do sonho nacional, mas tive algumas coisas a resolver e que adiaram a análise desta meia final marcada pela árbitragem tedenciosa para o lado dos franceses que prejudicou e bem as cores alemãs que tiveram muita razão de queixa de vários erros que tiveram influência no resultado final.

Houve de tudo um pouco desde de faltas por assinalar por faltas mal assinaladas e com esta triste novela a França conseguiu dominar os tetracampeões do mundo e eliminá-los do Euro 2016 sem apelo nem agravo embora tenha sido de forma injusta e depois ainda vieram criticar que Portugal não merecia estar na final e muito menos no Euro 2016, mas depois na final de dia 10 pagaram pela boca tudo o que disseram dos portugueses e ao mesmo tempo sofreram a vigança lusa de três eliminações em meias finais as mãos dos franceses (duas em europeus: 1984 e 2000, e uma em mundiais: 2006).

E como a França sempre jogou com um jogador a mais todo o certame não foi difícil prever a derrota dos germânicos que para humilhação maior ficaram atrás do País de Gales na atribuição do terceiro lugar porque tiverma menos pontos do que a equipa sensação deste torneio que foi a realização de um sonho nacional que é ganhar um título de futebol em séniores porque de resto quase todos níveis de formação Portugal colecciona títulos só faltando nos sub-23.

A França com a ajudinha extra foi fazendo o seu jogo contra uma Alemanha irreconhecível e sem energia contra uma França que se mostrava energética em termos futebolísticos e que mesmo com a ajuda extra ou sem ela mesmo soube domar os pupilos de Joachim Löw que não tiveram argumentos para os franceses que conseguiram levar a água ao seu moinho e conseguiram chegar a final de um forma que se pode classificar injusta porque tiveram sempre ajuda dos homens do apito.

 

 

 

Fica o marcador:

 

 

França 2 (Griezmann 45' + 2; 72') - Alemanha 0

Mais uma vez a França foi alvo de atentado terrorista, ainda por cima no seu dia nacional, o 14 de Julho, e os alvos desta vez não foram cartoonistas provocadores, mas sim simples inocentes que estavam numa das ruas de Nice, sul de França, a verem os fogos de artifício que encerravam as festividades do Dia Nacional de França e já se contam entre os feridos mais de oito dezenas de mortos e mais de uma centena de feridos.

Há famílias inteiras e pessoas de todas as idades entre as vítimas e os senhores do costume, o Daesh já festeja dando a ideia que estão por detrás do atentado de Nice embora ninguém tenha reclamado a sua autoria, mas todas as suspeitas apontam para os jihadistas.

Não sei o que esta gente tem na cabeça, mas uma coisa é certa, têm que ser eliminados antes que façam mais vítimas e não se sabe onde estão, onde param e o que pensam no momento e muito menos se sabe onde vão atacar e até podemos pensar que já estão entre nós porque no mundo actual tudo é possível e se em Portugal existir gente desta deve ser despachada para fora do território nacional, para não dizer eliminada porque não fazem falta a ninguém.

Quando se fala em controlo de fronteiras ou ideias semelhantes acusam-nos de xenofobia, mas os atentados acontecem, continuam a haver massacres e todos se calam e aparecem só com as condolências em vez de reagir com força e condenar a violência deste enviados do anticristo que dão pelo nome de Daesh e nem sequer se dão ao trabalho de tentar prevenir mais atentados como estes que podem acontecer em qualquer recanto do mundo porque estes animais satânicos estão infiltrados em quase todos os recantos do mundo como fossem baratas.

Nem sei como ainda há defensores desta raça que não merece nem a água que bebem e muito menos o ar que respiram e estes defensores costumam aparecer disfarçados de pacifistas e que querem o fim da NATO, mas na realidade estão a ser coniventes com esta maralha de homicidas que continuam a estarem nas nossas vizinhanças sem sabermos quem são ou onde estão mesmo para serem apanhados antes que façam algo de nesfasto no nosso território porque nunca sabemos o dia de amanhã e para ajudar ainda houve a ameaça da consturção de uma mesquita em pleno centro de Lisboa, na Mouraria e para qual foram feitas expropriações que tretiraram várias pessoas das suas casas, mas felizmente estas expropriações foram anuladas.

As atuoridades nacionais e internacionais têm que ser pro-activas na prevenção do terrorismo e nesta terceira guerra mundial que vivemos contra o terrorismo na Síria e territórios adjacentes, todas as potências que estão contra o Daesh, reconhecidas ou não internacionalmente têm que se sentar a mesa das negociações e concertarem uma estratégia comum e deixarem de olharem para o umbigo e se perderem em lutas intestinais que apenas serevem para dar força ao mouribundo Daesh que tem vindo a perder esta terceira guerra mundial sobretudo no Iraque.

Estou cada vez mais farto de ver estes ataques que são feitos por islâmicos e depois nas redes sociais aparecem uns seres iluminados que uma pessoa é xenófoba ou racista quando aponta o dedo e toca na ferida, mas se alguém se der ao trabalho de ler o Sagrado Alcorão pode ler que os seus versículos são contraditórios porque por um lado defendem a tolerância com as outras religiões em especial as chamadas Religiões do Livro e o Zorastrismo e por outro lado, não raras vezes no mesmo capítulo defende a imposição da sua fé as outras religiões e com esta contradição como é que uma nação que apregoa a tolerância como é Portugal ou a França podem ser tolerantes com estes animais.

Só espero que Portugal não sofra este tipo de ataques e que autoridades Portuguesas tenham uma atitude pró-activa e abortem estes atentados antes que eles possam acontecer e causar vítimas porque uma coisa é certa: nunca sabemos o dia de amanhã e não sabemos se estamos numa boinha num comboio ou metro ou num ajuntamento qualquer e um terrorista qualquer faz vítimas sem ninguém esperar porque é com o efeito surpresa que os terroristas jogam e o caso de Nice este efeito surpresa foi claro porque se aproveitaram do descomprimir das autoridades com o fim do Euro 2016 para atacarem.

Ficam as minhas perguntas: Será que as autoridades portuguesas estarão a fazer o seu dever? Será que podemos nos sentir seguros na rua? Se acontecer um atentado semelhante em Portugal, teremos estômago para aguentar?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

Hoje pela primeira vez, Portugal ganhou um jogo em 90 minutos e foi logo na meia final num jogo dividido claramente em duas partes, uma onde o futebol defensivo foi rei e uma segunda parte onde o mago Ronaldo abriu o livro e quebrou a muralha galesa e nos abriu as portas da final que foram escancaradas com o segundo golo marcado por Nani.

Foi de caras o melhor jogo da selecção nacional neste certame e onde abriu o livro do talento e onde o jogo em equipa foi fulcral para o realizar do sonho de se estar na final numa nação que tem uma das maiores comunidades portuguesas em todo o mundo e este jogo em Lyon foi enervante, mas foi uma realização do sonho de se chegar a final e agora falta outro sonho se tornar realidade que é o sonhos de ser ser campeão europeu.

Hoje muitos milhões de portugueses e lusófonos mesmo no outro lado do mundo como em Timor-Leste a fazer a festejarem a passagem para a final de Saint Denis que vai ser realizada no próximo Domingo e com a colecção de empates não esperava ver o que vi hoje e o que foi bonito demais para ser esquecido porque este é o verdadeiro V Império cantado por Fernando Pessoa e descrito pelo Padre António Vieira; um império não centralizador e colonizador, mas sim culturual e linguístico.

Os galeses foram dignos adversários, mas a força dos Patrícios 2.0 veio ao de cima e bastaram dois golos para eliminar a equipa sensação deste torneio e mostrou um Portugal que abriu o livro do futebol e mostrou que não está em França apenas para passear, mas sim para fazer algo que poderá estragar os sonhos dos franceses de fazerem a festa na sua casa e Portugal acordou neste jogo com ganas para vir no dia 11 para casa e com a taça debaixo do braço.

Bem Fernando Santos está a cumprir a sua palavra e vem só para Portugal dia 11, isto está garantido, mesmo quando apanha com arbitragens duvidosas embora não tenha sido o caso deste desafio contra o País de Gales onde se viu bom futebol de ambas as equipas e onde apenas uma poderia ir a final e esta foi Portugal que tem todo o mérito para tornar o sonho realidade.

 

 

 

Fica o marcador:

 

 

 

Portugal 2 (Ronaldo 50'; Nani 53') - País de Gales 0

Pág. 1/2