Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Opiniões e Críticas Secretas

Opiniões e Críticas Secretas

Apesar de hoje ter sido a minha folga tive que resolver uns assuntos privados e o descanso foi pouco e tirei uns minutos para passar pelas brasas e me preparar para a semana de trabalho quando sou acordado com uma notícia que me deixou chocado.

Tinha a televisão a fazer ruído de fundo quando ouvi a péssima notícia que antiga estrela mundial do basquetebol Kobe Bryant tinha perdido a vida no acidente mais a sua filha e restante comitiva que os acompanhava e fiquei em estado de choque estando na semana que passam 16 anos da morte de Miklos Feher o que não deixa de ser uma arrepiante coincidência.

É sempre triste quando uma estrela destas se apaga e mundo já de si carente de valores e de exemplos de vida ao perder estas estrelas e as mesmas se transformarem em estrelas no céu nos mostra o quão efémera é a nossa presença nesta vida e ao mesmo nos mostra que neste curto tempo de vida terrestre temos mais que pensar no 5º elemento, temos que ser mais humanos uns com os outros porque hoje estamos vivos , mas amanhã não sabemos...

 

Rest in Peace  Kobe and the rest of his travel companions

 

 

 

Este artigo vai ser uma espécie de artigo dois em um porque vou fundir dois assuntos que dariam muito que escrever neste blog, mas como tenho pouco tempo livre, tive a reflectir de como conjugar os dois assuntos e do meu CPU biológico conseguiu produzir o que eu queria.

Sinto-me cada vez mais um alienígena no meu quotidiano, sobretudo quando observo as pessoas que me rodeiam e estão quase todas ligadas aos smartphones e não são raros os casos de famílias inteiras agarradas aos mesmos dispositivos como fossem extensões vitais dos próprios corpos, mas por outro lado não são capazes de ler um livro ou interpretar uma letra de uma qualquer música e quando não conseguem entender a música apenas dizem não presta porque a imprensa o disse e não o seu próprio pensamento ou gosto, ironicamente estes mesmos seres gostam de música que conseguem entender, mas que tem menos conteúdo que as letras do Quim Barreiros.

Está fobia da leitura leva a esta iliteracia musical que por sua vez se revela na vida quotidiana daqueles que não são capazes de ler porque não querem e esta fobia da leitura transforma todos estes seres que sofrem desta peste chamada bibliofobia em seres pouco diferentes de máquinas que não são capazes de saírem das suas áreas de conforto, das suas caixas de conhecimento.

Esta iliteracia se pode observar nas redes sociais quando se deixam levar pelos supostos estudos que defendem as virtudes do vinho ou pelas fake news ou pelos influenciadores e não podem ser contestados porque quanto contestados chamam aqueles que contestam estas ideias de drogados ou fascistas e não assumem que também têm hábitos aditivos.

Esta mesma nação deixa-se levar pelos guinchos de um qualquer Snowball saído da imortal obra George Orwell "O Triunfo dos Porcos" que guincha a procura de protagonismo e idolatra corruptos e piratas porque apenas o seu clube anda numa travessia no deserto e estes Snowball se aproveitam destas travessias para ainda mais ganhar protagonismo porque não ficaram com um quinhão do bolo chamado corrupção instituída.

Esta iletracia se reflecte na música quando o novo nacional-cançonetismo ganha força quando um sedativo ganha a Eurovisão e na reposta uma Franga deu o troco e na volta uma cópia manhosa holandesa do Tony Carreira ganhou a Eurovisão, mostrando que o nacional-cançonestimo nas suas diversas variantes está para ficar e voltamos aos três F e ai de quem atire pedras contra este esquema que é logo varrido de fascista e ignorante quando os ignorantes que atiram pedras não passam de ovelhas que não sabem ler....e se recusam a ler para aprenderem a ser cidadãos cultos como seria o desejo daqueles dias de Primavera de 1974....

E deixo uma nota final, em 2019 passaram 30 anos da queda do Muro de Berlim e as ovelhas que atiram pedras contra aqueles que bebem Coca Cola e são contra as bebidas alcóolicas e chamam aqueles que bebem Coca Cola de drogados e imperialistas e se esqueceram que no Bloco do Leste beber Coca Cola era crime e que se defendia o vinho como a mãe em Portugal e se proibiu a Coca Cola...no Estado Novo....e que o primeiro estado imperialista do mundo foi....Portugal  e que não dão valor a liberdade de beber uma cola e saber que não correm o risco de morre ao volante e sabem se metrem uns copinhos do tinto podem acontecer acidentes.

Estes queimados da marmita que não passam de umas belas esponjas ainda não viram que estudo que defende as virtudes do vinho não passa de um embuste porque se o vinho fosse o super-alimento...não se vendiam anti-depressivos em Portugal, os AVC na terceira idade tinham reduzido e bem e as farmácias não vendiam anti-coagulantes....acontece que em Portugal se bebe mais vinho do que em Espanha, França ou EUA ou Japão e se morre mais de doenças circulatórias do que países acima mencionados e ainda acreditam nas virtudes do vinho...

 

Et vinum non est mendacium

 

 

Assim falou Nitzsche

Na quinta feira dia 9 de Janeiro, ao ver o programa Linha da Frente da RTP - 1 até perdi as estribeiras e fiquei mesmo com muitos maus fígados para usar termos mais delicados.

O dito programa de grande reportagem do principal canal de televisão da lusofonia mostrou uma reportagem sobre o desperdício alimentar em Portugal e como se chega ao ponto de se deitar fora comer em condições de ser consumido muitas vezes apenas devido a aspectos estéticos e não de segurança alimentar.

Fiquei chocado ao ver uma cidadã de origem italiana a dar a cara por uma instituição que literalmente vai aos caixotes "pescar" pão fresco que é deitado fora, fruta e outros vegetais em condições de ser consumidos e chegam a deitar fora carne e peixe e até alguns não perecíveis.

E esta mesma reportagem mostrou que muitos destes alimentos rejeitados o são rejeitados por não cumprirem as normas da normalização impostas pelas mentes brilhantes que mandam realmente em Portugal e não aquelas coisas que estão a pastar no campo de pasto de S. Bento e com tantas pessoas a passarem fome em Portugal e depois só se lembrarem de quem precisa no Natal e na Páscoa fiquei mesmo possesso.

O mais estranho é que os hipócritas que habitam esta nação não gostam de ouvir que as festas ditas religiosas não passam de falsidade (voltei a usar palavras delicadas, porque por minha vontade estava a citar Conan Osíris) e descem a terreiro quais virgens ofendidas, mas não sabem descer a terreiro para combater este desperdício e a fome que existe em Portugal e passam o tempo em festas fúteis que nada têm a ver com os ensinamentos mais básicos do cristianismo na sua essência mais pura.

O mais aberrante é que todas estas organizações que lutam verdadeiramente contra o desperdício nascem da ideia não de portugueses, mas sim de estrangeiros que têm mais olhos do que os borregos que pastam por este pasto de seu nome Portugal onde as ovelhas não pensam e os porcos mandam e têm que vir de fora outros seres saber como se deve gerir esta Quinta Manor, mais mal do português que ir contra o sistema imposto que é logo atacado, mas se for artista só tem valor depois de morto tal como se lembram de quem precisa no Natal e na Páscoa e passam o resto do ano a deitar alimentos para lixo.

 

 

Assim Falou Nitszche