Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Opiniões e Críticas Secretas

Opiniões e Críticas Secretas

Apesar de estar adoentado foi-me impossível ficar indiferente a transmissão pela RTP,  este Domimingo dia 15 de Fevereiro; do concerto dado pelo grande Conan Osíris no Coliseu dos Recreios há alguns meses atrás e onde o talento do mesmo cantor foi mostrado e quem viu, de certeza ficou com vontade de ver o próximo trabalho deste Rapaz do Futuro que também nome de deus egípcio que...ressuscitou.

Neste mesmo concerto o vencedor do Festival RTP da Canção 2019 andou por várias nuances musicais até dando um beijo a músic clássica quando apresentou a sua música mais conhecida com um arranjo delicioso com orquestra de cordas que me deixou de queixo caído.

E logo no início do concerto foi impossível não fazer uma ponte entre António Variações e Conan Osíris porque ambos foram cuspidos e apedrejados pela crítica, apesar de ganharem fãs com o passar o do tempo e ambos nunca tiveram medo nem de pensarem diferente nem de irem contra a mesmice em que a música que é considerada como aceite nas respectivas eras de existência.

Esta ponte se notou de forma sensível quando o mesmo Rapaz do Futuro chamou os Pauliteiros de Miranda lembrando o fascínio que Variações tinha pelo folclore e ao reforçar esta ponte, o mesmo Rapaz de Futuro além da música clássica ainda contou com música africana, chinesa e bengali. Para culminar esta ligação ao homem que estava sempre além....Osíris conseguiu completar o passo que Variações não conseguiu...fazer um dueto perfeito com uma fadista, não foi Amália, mas sim Ana Moura que esteve à altura do Rapaz do Futuro...

Para os críticos  que atacam Osíris e bajuladores do Novo Nacional-Cançonetismo recomendo um pequeno remédio é que voltem aprender a ler e leiam as letras de cada música de Osíris e entendam a mensagem ou mensagens que cada uma contém.

Para encerrar o grande espectáculo dado no Coliseu dos Recreios, Conan Osíris cantou e encantou com a sua hiponotinizante balada dedicada a rainha do fado de seu título "Amália" e com o encore do sua obra maior "Telemóveis" na sua versão mais conhecida e como sempre com uma humildade que apenas o coloca num estatuto mais elevado fez questão de partilhar o palco quando agradeceu ao público que encheu a plateia num concerto 360º dado na principal sala de espectáculos da capital da Lusitânia.

 

Apenas peço uma coisa: Que a carreira de Conan Osíris nunca pare e nunca pare de nos encantar e que o mesmo lance mais discos no futuro.

 

Para os críticos que o atacam, botas de elástico, e outros afins deixo uma citação da Bíblia: Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus...

 

Post-Scriptum: Começo a desconfiar que escolha do nome artístico Conan Osíris tem a sua mensagem... o Rapaz do Futuro num mundo após-apocalíptico e ... o deus egípcio que ressuscitou dos mortes e começo a pensar se este Osíris não será a forma da música nacional ressuscitar do actual estado de mumificação que se encontra de Novo Nacional-Cançonetismo 

 

Post-Scriptum 2: deixo dois vídeos do que vi na RTP tirado por um sortudo ou sortuda que foi ao concerto:

 

 

 

 

 

 

Hoje no Dia Mundial da Rádio, a Academia Española de la Rádio propôs na UNESCO que uma certa música de um grupo de origem britânica, fosse considerada o hino oficial do Dia Mundial da Rádio e eu por acaso gosto de ouvir rádio mesmo sem ser o relato da bola, achei a escolha acertada.

A escolha em si me diz muito pessoalmente;  porque além de ser uma das músicas da minha vida, também serviu de mote e base para um trabalho para um trabalho que realizei para encerrar um módulo do curso de Técnico Administrativo que me deu a equivalência ao 12º ano e este mesmo trabalho foi um bálsamo para uma situação muito dolorosa que vivia na altura.

E apenas 4 lendas deste calibre tinham capacidade para criar uma música assim tão lendária

 

E a escolha da AER para Hino do Dia Mundial da Rádio é....

 

Radio GaGa - Queen (versão oficial,  Live Aid... e reencarnação, digo Bohemian Rhapsody the Movie)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As ondas têm estado agitadas para o lado do Largo do Rato depois que a assembleia da república chumbou com estrondo a linha em anel do Metro de Lisboa, deixando aquele ser que se diz presidente da CML mais tonto do que uma barata depois de levar com uma dose de Baygon em cima das antenas.

O mesmo ser começou logo a comparar os supostos lucros do turismo à capacidade produtiva da Auto-Europa e eu assim que ouvi desconfiei que a água que o mesmo cidadão tinha a sua frente não fosse medronho ou algo semelhante para dizer tamanho disparate porque o mesmo cidadão se esqueceu do custo humano e ambietal que a overdose de turismo tem.

Do outro lado da cidade outra cabeça de botão de rosa se saiu com uma daquelas que se diz logo que se ficasse calado era um poeta quando afirmou de peito cheio que em Lisboa não há hipótese de congelar as rendas como se fez em Berlim, embora haja uma pequena diferença salarial: é que em Portugal o SMN é de 600 euros e na Alemanha é 2.400,00 euros e com rendas de 800 euros para uma casa digna deste nome em Lisboa só se for estrangeiro com visto gold ou mafioso do partido do poleiro consegue alugar casa em Lisboa ou no Porto.

E na defesa do descongelamento quem fala mais alto são... os cretinos que moram nos subúrbios e que adoram estar nas filas do trânsito para entrar em Lisboa por puro vício e depois berram quando a gasolina ou gasóleo sobem de preço e ao lado destes, está claro estão os grandes propreitários e especuladores que se têm enchido com a bolha do turismo.

Ao mesmo tempo dão aumentos salariais de 0,3% nos salários da FP que servem de bitola para o resto, o que na realidade é um congelamento encapotado e só aumentam um pouco mais os que são abaixo do SMN.... e vejo aquela senhora que era contra os colégios e nós, otários contribuintes, andamos a pagar as mensalidades do Colégio Alemão dos filhos da dita senhora que passou da educação para a função pública, gerindo a pasta com igual incompetência.

E os que contestavam as medidas de Passos Coelho que eram menos infames que estas... estão mais atentas uma deputada ressabiada e parecem ovelhinhas mansas a ouvirem o Grande Líder....

Este aberrante Orçamento de Estado deve ser duma das criações mais estranhas da Gerigonça, sobretudo no capítulo dedidcado ao IVA.

Depois de uma espécie de Guerra do Alecrim e da Manjerona sobre o IVA na energia que não levou a lado nenhum, chegou-se ao ponto de se subir o IVA nas touradas para 23% e descer o IVA nos salões porno-eróticos para 6% e as ovelhas ficaram caladas com esta jogada dos deputados da república entre outras que estão inscritas no OE,  como os aumentos salariais de 0.3%  que num salário bruto de 630 euros só faz cócegas e o aumento de 700 euros para os juízes só para não ir muito a fundo.

E a esquerda que se diz tão defensora dos direitos das mulheres ficou caladinha e aprovou um Orçamento do Estado com esta aberração legislativa o que leva qualquer livre pensador ou pensadora que os supostos movimentos defensores dos direitos das mulheres e que não passam na realidade de franquias dos partidos de esquerda, sobretudo do PS e do PCP de um monte de gente hipócrita.

É abjecta a atitude dos partidos de esquerda que se dizem tão defensores dos direitos das mulheres e ao mesmo tempo facilitam a fiscalidade de espectáculos que transformam a dignidade dos seres humanos em especial das mulheres em reles objectos de prazer e os hipócritas movimentos de de defesa dos direitos das mulheres estão calados e nada dizem e sabendo que os movimentos feministas na Primavera Lusitana queimaram revistas pornográficas e atacavam tudo que fosse atentório da diginidade da mulher e agora ver mulheres a servirem de simples objecto sexuais já é cultura ao ponto de se descer o IVA para estes eventos para 6% e se considerar a tourada obsceno e aumentar o IVA da tourada para 23% é mesmo obsceno.

Se estão a ir por este caminho então passem a colectar as prostitutas como profissioniais indepenedentes e enquadrem a que se diz ser a mais antiga profissão mais antiga do mundo em termos fiscais e de Segurança Social e a legalizem de uma vez em vez de usarem abjectos eufemismos e hipocrisias e tentem parecer sérios e humanos quando na realidade não passam de seres obscenos....

E pelo visto tem mais valor o ser humano tratado como objecto de prazer do que a energia para a nação produzir, bem por este caminho a nação vai mesmo na autoestrada para o inferno da ....Troika.

 

Ansi on  parlait Nitzsche 

Depois numa rara acertada inciativa aceratada do PAN levada ao parlamento que tinha como objectivo o chumbar da linha em anel que fundia a linha verde e amarela numa só, cuja ideia saiu da cabecinha inspirada do edil da capital da república, Fernando Medina.

O mesmo Medina está com umas novas ideias para o centro de Lisboa, em especial para a Baixa Pombalina que lembram os porejctos que Abecassis tinha em mente nos anos 80 e cuja grande consequência foi o incêndio do Chiado.

E depois de ter tido uma derrota bem dura no parlamento, o mesmo Medina entrou em surto e teve a ideia brilhante que no seu novo plano para a Baixa Pombalina a quer trasnformar numa espécie de condomínio fechado onde os seus potenciais moradores permanentes terão visitas limitadas depois das obras que a CML tem projectadas para o coração da capital da Lusitânia.

Depois de ler tamanha colecção de disparares lembrei-me que o já falceido Kruz de Abecassis teve uma ideia quase semelhante para a Baixa e para o Chiado e depois se viu o resultado que teve em 1988, mas no caso do edil apoiado pelo CDS, não havia limitação de visitas para os moradores nem listas de visitas.

Tal medida viola qualquer princípio legal quer seja português como comunitário e ainda chega a ser mais estúpida que a ideia da linha em anel ou metro de superfície como existe no Campo Grande e em Odivelas que o mesmo Medina queria construir em Santos; todavia não nos podemos esquecer que nas últimas eleições autárquicas a abstenção quase chegou aos 50% a nível nacional e até em Lisboa passou este limite e cada um tem o que merece em termos de eleições porque ficou em casa em vez de ir votar nem que seja naqueles que estão a encher o boletim.

E com tanto problema social e humano que existe em Lisboa, ideias destas só servem para transformar o presidente da câmara municipal numa espécie de bobo da corte republicana sem qualquer piada daqueles que dá vontade de o descartar logo ao primeiro momento para um cargo inferior ao de bobo porque até ser bobo é um cargo demasiadamente digno para tal pessoa que parece por vezes estae ébrio.

 

Quem te viu e quem te vê, Lisboa

Nestes mais recentes estive a matar o meu vício de leitura numa obra-prima da literatura mundial de seu nome "A Insustentável Leveza do Ser" da autoria do checo Milan Kundera.

De uma forma brilhante o eminente escritor checo mostra a sua terra natal como era na altura da chamada Primavera de Praga e de como foi desfigurada com a invasão das tropas do Pacto de Varsóvia porque Moscovo não tolerou que alguém pensasse de forma livre e diferente do directório comunista.

Ao mesmo tempo mostra personagens cuja vida é o próprio reflexo de uma Checoslováquia que nunca se recuperou a sério da II Guerra Mundial e durante o percurso da obra penaram por achar um destino e um sentido para a suas vidas praticamente vazias de sentido e cujos escapes para este vazio solitário era sobretudo a mútua infidelidade.

Ao ler com profundidade a mesma obra, o que chamou mais atenção é um certo toque autobiográfico do próprio Kundera dado que o mesmo estava em Praga na altura de um dos maiores crimes praticados pelo regime soviético no pós-guerra que foi roubar a liberdade a um povo que sempre viveu sempre debaixo da bota de outros com a curta excepção de 20 anos entre 1918 e 1938 quando as "potencias civilizadas" baixaram as calças para a Alemanha Nazi.

Para os seguidores cegos da gerigonça, sobretudo do seu lado mais extremista e esquerdista, aconselho que leiam com detalhe esta mesma brilhante obra e vejam o que pode acontecer aos cidadãos de um país quando estes se atrevem a serem livres de pensar, livres para se exprimirem e para agir sem terem que dar contas ao Estado e durante os dias que passei a ler a brilhante obra de Kundera...dei por mim a pensar se a gerionça com os seus esbirros de propaganda e distração não anda aos poucos a fazer o mesmo a Portugal do que a URSS fez com a Checoslováquia em 1968 e nos anos que se seguiram .... e a alma não pensa apenas 21.3 gramas.....

 

 

Assim falou Nitzsche