Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Opiniões e Críticas Secretas

Opiniões e Críticas Secretas

Hoje, dia 21 de Junho completa um mês exacto que eu saí do teletrabalho e voltei a uma suposta normalidade laboral porque já não aguetava estar trancado em casa e das poucas vezes que saía ver tudo fechado sendo ainda por cima um adepto do ruído citadino e com a terceira fase da reconstrução/desconfinamento.

No meio desta terceira fase de reconstrução apareceram umas bestas a fazerem ajuntamentos sem quaisquer distâncias ou outras medidas de segurança porque o próprio governo da república abriu o precedente ao permitir o 1º de Maio da CGTP ou a manifestação do SOS Racismo ainda antes da terceira fase do desconfinamento  quando já se sabia que o grande núcleo de novos casos de Covid-19 era a área de Lisboa e Vale do Tejo.

Este conhecimento atrasou a terceira fase na zona mais populosa de Portugal e assim que esta começou, começou o disparate, ou seja as festa de Verão sem licença e os casos de contágio explodiram como os "suecos do Covid-19" fosse o Brasil ou a Itália na sua pior fase; mas ninguém tem coragem para decretar uma cintura sanitária na Área Metropolitana de Lisboa onde só pode sair do respectivo concelho para trabalhar, prestar assistência a familiares, ir ao médico ou a farmácia e outras situações essenciais e nada de praia ou festas.

Para decretarem tal cerca ou cintura sanitária devem estar a espera que a situação do Covid-19 fique mesmo descontrolada na Área Metropolitana de Lisboa e quando isto acontecer, não se queixem porque está numa de contar com o ovo no cu da galinha e os erros do passado ainda recente não foram aprendidos suficientemente.

Mas quando uns animais são mais iguais que outros e há uma DGS que acha bem que venham para Portugal jogar os jogos decisivos da Champions League sem mencionar se os mesmos serão a porta fecha ou se vão ter lotação mesmo que seja limitada e a mesma DGS nem sabe o que diz porque o que ela diz num dia, no outro já se contradiz e a mesma nada diz sobre ajuntamentos antes do final do desconfinamento e numa verdadeira democracia ou comem todos ou não come ninguém e como uns quantos tiveram a liberdade de fazer uns ajuntamentos outros sentiram esta liberdade e esta permissividade abriu a caixa de Pandora dos ajuntamentos e agora, façam o favor de a fechar e de recolher todos os males do mundo porque acho que a esperança já se esfumou...

Esta pandemia tem alterado o quotidiano da nação de uma forma quase irreversível e a esperada reconstrução está condenada a ser destruída graças a incompetência da própria DGS.

Para a mesma DGS que nunca soube lidar com a pandemia do Covid-19 devem existir cidadãos de primeira e cidadãos de segunda e não se trata nem de racismo ou algo semelhante, mas sim de joguinho político e maquivélico na sua forma mais destilada que apenas os idiotas não conseguem ver e que está presente aos olhos de todos.

Devido as desiguais regras de combate ao contágio do Covid-19 não se puderam realizar as Festas de Lisboa que nos tempos mais recentes eram mais para os turistas do que para os portugueses devido aos preços proibitivos praticados nos arraiais de Santo António que afastavam boa parte dos habitantes da capital da nação chamada Lisboa.

Paradoxalmente enquanto Graça Freitas proibiu de uma forma atrapalhada os arraiais ao ponto de ter havido autoridades policiais que obrigaram alguns cidadãos a remover decorações sazonais das suas janelas ou portas como fosse algo de criminoso, por outro lado permitu uma mega manifestação supostamente anti-racista, mas apenas serviu para o Bloco de Esquerda dar um sinal de vida  e onde nunca foram respeitados os limites de segurança e e a mesma manifrestação gerou um movimento de vandalismo que nem lembrava ao diabo.

Na volta na Espanha já não há caso fatais há quase uma semana, a República Checa proibiu a entrada de voos vindos de Portugal e ainda se continua a morrer de coronavirus em Portugal enquanto na Europa, sobretudo nos países mais fustigados com esta peste chinesa têm dias que não têm casos fatais e em Portugal se morrer todos os dias desta peste chinesa e afinal não somos os suecos do Covid-19.... somos para aí a Albânia do mesmo vírus.

Deveriam-se de preocupar em controlar esta peste e a darem educação de berço a todos e a todas independentemente da cor da pele ou religião ou etnia porque se vivem num estado que diz de direito têm que aprender em viver em sociedade e respeitar as leis do país onde vivem.

Em relação a desGraça da DGS, nem vale a pena comentar muito a não ser que a senhora já está a precisar da reforma e de ir para um lar quanto antes porque já chega de tanto disparate junto numa pessoa só.

O governo ordenou confinamento e distanciamento social para evitar o contágio do coronavírus, situação a qual provocou uma paragem na economia nacional e uma explosaõ nos números do desemprego e a situação na Grande Lisboa é particularmente grave porque é nesta mesma região onde se encontra agora o núcleo desta mesma pandemia.

Devido a esta situação não se realizam eventos desportivos, os teatros e cinemas estão encerrados, o comércio funciona com restrições, não há qualquer tipo de espectáculo, as feiras estão com restrições (embora não sejam cumpridas em alguns casos), ir a praia quase que parece um privilégio porque as mesmas passaram a ter lotação entre outras medidas.

Por outro lado a CGTP faz a sua passeata de 1º de Maio ainda na primeira fase do confinamento, o que é um caso flagrante de desiguladade; mas este nem foi o pior o caso. Pior fez o inútil das selfies mais o Presidente do Conselho que foram ver aquele comediante que tinha um programa no qual se dizia ter uma nêspera que lhe dava cabo das hemorróidas na Praça de Touros do Campo Pequeno e onde se juntaram mais de 2 mil pessoas e onde não se respeitava o espaço de segurança exigido pela DGS.

Neste sábado, dia 6 de Junho foram ultrapassados os limites quando grupos supostamente anti-fascistas e anti-racistas encheram as ruas de Lisboa e Porto para se manifestarem contra o crime praticado contra o cidadão norte-americano George Floyd, sem ser respeitado qualquer tipo de distância de segurança e se sabendo que a grande parte das infecções são na AML e mesmo assim não respeitaram as distâncias de segurança.

E ao mesmo tempo que vários eventos públicos são adiados ou cancelados, se juntam milhares na rua sem a devida distância por crime que aconteceu no outro lado do oaceano Atlântico e as bonecas da saúde colocaram a responsabilidade do que poderá acontecer nos organizadores do evento.

Afinal será que adianta estarmos todos em casam, quando por outro lado fazem ajuntamentos com centenas de pessoas que não respeitam as regras para evitar o contágio pelo Covid-19 dá que pensar mesmo se vale mesmo a pena o confinamento...sobretudo na zona de Lisboa que concentra a maioria dos casos desta pandemia.

 

Fica a vossa consideração

Isabel Moreira, deputada socialista é uma espécie de Ana Gomes gourmet porque adora dar nas vistas, falar muito em especial assuntos fracturantes e no fundo não diz nada de acertado apenas chamando a atenção para si.

Quando se começou a falar de eutanásia e surgiram projectos no parlamento, a mesma deputada disse que a vida humana não era inviolável (ao contrário do que consta na Constituição na República) o que já de si foi polémico e andou a arrotar umas postas de pescada sobre o assunto até que veio a dita pandemia que muitos não acreditavam que haveria de chegar que afinal chegou a Portugal e deu lhe com força.

Entretanto aconteceu o caso Valentina e a mesma deputada acusou André Ventura de fazer política com o caso depois do mesmo ter apontado o dedo a algumas comunidades não fazerem o teste de despiste do Covid-19 e esta recusa ser um perigo para a saúde pública e a mesma chamou André Ventura de racista e condenou o mesmo por pedir a pena perpétua para os assassinos da pequena Valentina.

Ao contrário de Isabel Moreira, André Ventura não falou em matar ninguém, mas sim colocar para o resto da vida na cadeia dois seres que cometeram um crime sem qualquer perdão por parte da sociedade e a mesma deputada se está a esquecer que racismo não é só quando o "Branco Privilegiado" ataca alguém de uma minoria, porque também é racismo quando acontece o contrário.

Tristeza ver a Gerigonça a entrar em pânico quando vê os seus elos mais fracos em risco de cair e ver alguém que é fora do establishment e cortar as ligações ao Soros e a outros membros do poder oculto que andam a apoiar a Gerigonça e quem é contra é logo apedrejado...e como seria se o PS tivesse um discurso semelhante e se a mesma deputada Isabel Moreira vinha para os jornais subornados pelo governo a destilar veneno....

 

....No Coments

Ontem vieram para a rua protestar contra o crime contra o cidadão norte-americano George Floyd e quem esteve a cabeça deste protesto foram movimentos supostamente contra o racismo que na realidade não passam de tentáculos da Gerigonça que por crimes semelhantes ou quem sabe ainda mais bárbaros ficam calados ou por violações descaradas da constituição não largam os telemóveis nem o facebook; e chegam a ponto de pedir que se matem os polícias...

Gostava de saber por onde andaram estes mesmos movimentos quando andaram a despejar pessoas das suas casas dos bairros históricos para construir hotéis e alojamentos locais que com a crise do coronavírus faliram ou andam lá perto; onde estavam estes movimentos quando dois negros cometeram um crime racista ao assassinar Pedro Fonseca que era branco; onde estavam estes movimentos quando um cidadão ucraniano foi assassinado de forma bárbara por dois agentes do SEF com cumplicidade de outros tantos?

Ou ainda mais para acrescentar, quando na mesma altura que Pedro Fonseca foi assassinado um pai de família e o seu filho que negros foram mortos numa guerra de gangs e ficaram igualmente calados ou ainda mais estranho ficaram em casa quando se soube do crime do qual foi vítima a pequena Valentina.

A manifestação de ontem é prova que estes grupos são mesmo uma ferramenta da Gerigonça, sobretudo do Bloco de Esquerda que sabe que corre o sério risco de ser ultrapassado pelo Chega nas eleições e se está a aproveitar de um evento externo para dar um sinal de vida quando seria o dever como um partido que se diz defensor dos direitos humanos defender os seres humanos que habitam o território designado por Portugal e defender a justiça e lei igual para todos a não ser que sejam como os Porcos de Orwell que diziam que "Todos os Animais são Iguais mas uns mais iguais que outros".

E falaram que Empresa X não poderia renovar contrato com um africano por este ser negro, mas já entraram num restaurante de comida rápida já viram quem trabalha neles são negros e brasileiros desde que sejam elegantezinhos e os portugueses brancos se contam pelos dedos de uma mão os chefes mais prepotentes são por acaso de origem africana, sabiam disso; bem se não sabiam ficaram a saber e aí não é racismo?

Concluindo, os movimentos de protesto que saem para rua não passam filiais ou franquias dos partidos de extrema-esquerda e que se julgam donos de toda a verdade e chegam chamar algumas pessoas que ficaram quase como desacreditadas pela justiça do regime que apoiam quando suposto material incriminatório acaba no caixote de lixo e o suposto herói acaba reduzido a condição de vulgar marginal e aparecem num ajuntamento que nada tem a ver com a nação e mais grave, viola as regras de distanciamento social para evitar o contágio do coronavírus, mas mal de quem apontasse os dedos a esta franquia do Bloco de Esquerda, era logo varrido com o nome de racista...

 

 

 

Ansi Parlait Nietzsche

 

 

Os génios fazedores de opiniões da esquerda e da extrema-esquerda se se dessem ao trabalho de estudar e de ler mais e como deve ser em vez de virem para a peixarada e atirar pedras armados em iluminados como possuidores da verdade quando ao final das contas não são tão iluminados como aparentam ser e este tipo de iluminações são a génese de novas ditaduras e isto já era defendido há mais de 120 anos por Nitzsche.

Estes génios que gostam de atacar as autoridades se estão a esquecer que o problema racial dos EUA leva mais de um século desde do final da Guerra da Secessão até as primeiras leis dos Direitos Civis e desde dos anos 60 do século XX tem sido uma luta constante e os episódios de violência pessoa têm como génese não só o ambiente de cada cidade e as esqudras de polícia onde esta acontece, bem como a gestão da mesma porque no EUA, a polícia tem a sua superintendência a nível municipal e não a nível nacional como em Portugal.

Resumindo o responsável supremo por este crime em particular é o Mayor de Minneapolis como chefe supremo da polícia local e se haver uma purga dos elementos racistas das várias forças policiais nos EUA tem que ser quanto muito a nível estadual num país que há 160 anos nunca resolveu a situação dos direitos civis dos não-WASP (White, Anglo-Saxon & Protestant) e apenas tem tentado resolvido esta situação aos soluços com leis episódicas que mudam as consciência na altura que são lançadas; mas com a passagem do tempo se diluem.

Todavia também não nos podemos esquecer que muitos não-WASP são membros de gangs e têm ligações ao crime e fazem tudo para não lutarem para ser alguém na vida; mas nada justifica o que foi feito em Minneapolis nem casos semelhantes porque são casos reprováveis e a melhor forma seria seguir a lei de Talião.

Não sei como é possível o Mayor local manter um grupo de polícias com a lista de crimes raciais que aqueles polícias tinham ainda funções em vez de os ter despedido logo na primeira ocasião para evitar danos tanto na instituição como na nação, mas gente estúpida é o que não falta neste mundo e não é a pilhar ou a queimar tudo que vão resolver as coisas porque não foi assim que Martin Luther King Jr.  conquistou os primeiros direitos civis para os não-WASP, mas os norte-americanos são tão parecidos com os portugueses ao ponto de ser um episódio dos Simpsons estamos a ver uma qualquer família portuguesa.

Em poucas palavras: broncos, ignorantes, influenciáveis e gostam de querer influenciar e apedrejam quem pensa diferente do establishment politicamente correcto e contra os lobbies.

 

 

 

Ansi Parlait Nietzsche

 

 

Post-Scriptum: Não deixou de ser tocante quando pequenas e ao mesmo tempo grandes actos para travar a violência são praticados como polícias de todas as cores de pele a se ajoelharem para rezar ou manifestantes que se portam de forma civilizada se aproximam de polícias e os cumprimentam; estes actos são actos de inteligência raros nos tempos actuais