Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Reportagens de Critica Investigação e Opinião

REPORTGENS, CRÍTICAS E INVESTIGAÇÕES DO CYBER-RERPORTER + SECRETO DO MUNDO Blog Nacionalista e Monárquico (UM AVISO: AQUI NÃO VAI ENTRAR O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO BLOG MONÁRQUICO E NACIONALISTA)

Reportagens de Critica Investigação e Opinião

REPORTGENS, CRÍTICAS E INVESTIGAÇÕES DO CYBER-RERPORTER + SECRETO DO MUNDO Blog Nacionalista e Monárquico (UM AVISO: AQUI NÃO VAI ENTRAR O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO BLOG MONÁRQUICO E NACIONALISTA)

Porque Será ?

Como deve ser do conhecimento geral de todos, o arquivador mor da nação arquivou o processo realtivo aos crimes de Camarate, no entanto os deputados da assembleia da república continuam os trabalhos da 9ª comissão de inquérito que lançaram uma surpresa para alguns que foi a ideia do Bloco de Esquerda ouvir o antigo presidente da república Ramalho Eanes a propósito do destino dado aos dinheiros existentes num misterioso e ainda mal explicado Fundo de Defesa Militar do Ultramar.

Segundo se sabe pela imprensa diária, o antigo presidente da república afirma as pés juntos do que concerne as forças armadas todos os dinheiros existentes neste fundo estão bem documentados e eram depositados numa conta no Banco Nacional Ultramarino (que entretanto foi absorvido pela Caixa Geral de Depósitos) e todas as saídas e entradas eram registas; mas acontece que os deputados do partido de Fransciso Louçã não olham para a contablidade oficial do fundo, mas sim para as contas pessoais dos corpos gerentes deste mesmo fundo que tinham movimentos muito superiores ao registado pela conta corrente do fundo e Freitas do Amaral no seu anda recente livro sobre o magnicídio de Camarate fala isso deixando os deputados do BE com a pulga atrás da orelha porque destas super-verbas não aparece qualquer registo na conta-corrente do fundo.

Ainda segundo a bomba lançada por Freitas do Amaral no livro “Camarate – Um Caso ainda em Aberto” de Dezembro de 2010; uma investigação feita pela inspecção geral de finanças em 2004 detectou pelo menos duas contas paralelas em nome pessoal de dois membros dos corpos gerentes deste mesmo Fundo de Defesa do Ultramar com muito mais dinheiro do que a conta-corrente do fundo que teve ordem de extinção por parte de Ramalho Eanes em 1980, já este era presidente da república e ia para começar o segundo mandato em Belém e felizmente todos os partidos estiveram de acordo que Eanes testemunhasse nem que fosse por escrito e já há um grupo de trabalho a preparar as perguntas que irão ser feitas ao velho general.

Parte do assunto ou está esclarecida ou está para esclarecida; mas há muitas cordas soltas e uma delas é que na altura do magnicídio é como na altura, a guerra entre Irão e Iraque tinha acabado de estoirar e uma das primeiras medidas da ONU foi decretar a clásula Triple Zero que significa embrago total de armas para ambos os lados de uma guerra, embora se saiba que na guerra fria o Triple Zero seja letra morta, mas foi decretado e um dos países que não abria mão de cumprir o decreto da ONU era Portugal e havia gente da alta roda intressada a vender armas aos dois lados do conflito e  Amaro da Costa estava a fazer uma investigação interna com o conhecimento de Sá Carneiro pelo que se sabe em relação a grandes negócios de tráfico de armas que estavam a ser financiados por dinheiros saídos deste mesmo fundo e para muitos jornalistas e teóricos da conspiração é aí que reside o busílis da questão e além disso; Amaro da Costa disse que não sairia qualquer bala de Portugal para qualquer país sem ordem dele e depois do magnicídio alguém assinou uma ordem de exportação de armas para Golfo Pérsico, mas nem se sabe quem assinou e muito menos se sabe onde para esta bem dita nota de encomenda.

Estranho é como se sabe tanto e se está tão perto da verdade e como se manda para o arquivo um processo criminal dum magnicídio quando se deveria de abrir uma excpeção na lei para que saiba quem foi ou foram os assassinos que estiveram por detrás do Atentado de Camarate ainda por cima se sabendo que eram as duas cabeças do governo e ao mesmo tempo agora quando se quer fazer justiça no caso Face Oculta, se chamando o Primeiro Ministro nem que seja como testemunha em tribunal, arranjam todas as desculpas para o evitar....Porque será que a justiça é assim.

E ficam as minhas perguntas de sempre: Porque só agora vão ouvir Ramalho Eanes ? Porque querem arquivar o caso e não abrem uma excepção ? Quem andam a proteger nesta música mal contada ? Aonde para a nota de encomenda que liberou as armas para o Golfo Pérsico ? Quem está por detrás desta jogada toda ? Alguém vai ser condenado nesta história ? Para que nos serve a justiça ? Para que nos serve a república e o seu presidente ? 

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar