Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Opiniões e Críticas Secretas

Opiniões e Críticas Secretas

Começo pelo fim e digo-vos que o grande vencedor da noite dos Oscars não foi nenhum dos aclamados pela crítica, mas sim o que vai mais espancado pela crítica, Bohemian Rhapsody que em 5 nomeações levou 4 prémios no regaço, os aclamados pela crítica como Roma ou The Clannsman ou Assim Nasce uma Estrela levaram uma ou duas estatuestas.

O grande derrotado foi A Favorita, aclamadíssimo pela crítica e saiu pela porta pequena e a crítica cinematográfica aqui na Lusa Terra, ficou com a viola no saco, sem qualquer reação e as grandes estrelas da noite acabaram por ser duas: uma que está no Vahalla dos divinos da música e outro, uma norte-americano de origem egípcia que trouxe para as novas gerações um legado que se pensava perdido.

A primeira estrela se chama Freddie Mercury cujo espírito foi trazido para a Cerimonia número 91 dos Oscars que aconteceu num dia 24 de Fevereiro e a outra se chama Rami Malek que ganhou especial notoridade não sou por ter encarnado o Deus da Música, bem como tendo feito papeis em Uma Noite no Museu e ser o protagonista da aclamada série Mr. Robot.

A crítica em Portugal como eu acima disse, e não só Portugal, mas sim a nível global demoliram o filme que retrata a vida de Freddie Mercury e a evolução artísitca dos Queen colocando até Assim Nasce Uma Estrela que já uma remake de remake como grande filme, mas estes intelectuais se esquecem que o melhor crítico que existe é o grande público e apenas tomando como amostra os cinemas da rede Nos, foi a primeira vez que vi um filme estar.... 4 meses no cartaz nos tempos mais recentes.

E nas primeiras semanas o melhor era se comprar o bilhete pelo menos com um ou dois dias de antecedência senão não se tinha o lugar pretendido e nunca vi um filme que fosse uma verdadeira montanha russa de emoções e ao mesmo tempo uma viagem no tempo onde quem viveu na era dos Queen quase como viu reanscido o mito de seu nome Freddie Mercury, e as novas gerações viram parte da vida do maior cantor de todos os tempos.

Apenas faltou a cereja em cima do bolo que seria o Oscar para melhor filme, mas ser o filme mais premiado da noite e ao mesmo tempo calar uma crítica cada vez mais analfabeta já tornou a noite de si mágica e lendária e faz com que o legado da maior banda de todos os tempos continue naquele que para mim é pelo menos melhor filme dos últimos dez anos.

A propósito de eu ter falado nos números 24 e 91. Esta menção está longe de ser acidental e foi propositada porque para os mais esquecidos Freddie Mercury transmigrou para o Vahalla no dia VINTE E QUATRO de Novembro de mil novecentos e NOVENTA E UM, não acredito em superstições mas é uma tremenda coincidência.

 

 

The Show Must Go On....

 

 

 

 

 

Continuando o artigo anterior, Farinha Simões ainda acrescenta mais algumas coisas a sua confissão que num país normal seria o suficiente para reabrir a investigação sobre o atentado de Camarate porque as suas declarações são graves o suficientes para que qualquer investigação que esteja em banho-maria seja reaberta em nome da justiça que deveria ter sido feita em nome de todos aqueles que foram assassinados em 4 de Dezembro de 1980 em Camarate.

E retomando o testemunho de Farinha Simões que foi contactado pelo agente da CIA colocado em Portugal de seu nome Philip Snell através do amigo em comum de Farinha Simões e Snell, Paulo Cardoso e esta apresentação foi no Hotel Sheraton em 1975 e o mesmo Paulo Cardoso vivia no hotel situado nas Picoas, pertinho da Maternidade Alfredo da Costa e a conversa entre Farinha Simões e Philip Snell levou algum tempo que o próprio Farinha Simões não se lembra quanto tempo durou a conversa, todavia se lembra que passados alguns dias desta mesma reunião; Farinha Simões foi contactado por Philip Snell para ir levantar a uma agência de viagens situada na Avenida de Ceuta que trabalhava para a embaixada dos EUA, um bilhete de avião para a viagem Lisboa - Londres.

Na capital da velha Albion Farinha Simões encontrou um seu conhecido, o sul-africano Gary Van Dyk que trabalhava com a Companhia de Langley e támbém entrevistado por John Logan, o representante para a Europa da Companhia de Langley e o sr. Van Dyk meteu uma cunha pelo seu amigo Farinha Simões por este ter trabalhado em Angola e o mesmo Farinha Simões trabalhou com os NISS (Serviços de Infromações da Áfica do Sul), mas o Sr. Van Dyk era agente na Europa dos Serviços Secretos Sul-Africanos (DONS).

Entretanto, Farinha Simões regressa a capital da Lusitânia e trabalha para os norte-americanos entre 1977 e 1988 e entre 1976 e 1977 viveu com a sua família no Sheraton e tinha a sua disposição um Ford com matrícula diplomática, estacionado no parque de estacionamento do mesmo hotel cujas despesas eram pagas pela embaixada nos EUA que na altura tinha como embaixador Frank Carlucci (depois director da CIA nos anos 80)  e actividade de Frainha Simões era fazer contactos com a Stasi, Serviços Secretos sul-africanos, Mossad entre outros e ganhava por estes serviços 5000 dólares por mês e conseguiu entes emprego por ser fluente em seis línguas e saber o dialecto angolano kimbundo e a partir de 1978 Farinha Simões passou a ser um efectivo da Companhia de Langley, além disso também cuidava de uma ccasa de segurança da mesma companhia que ficava na Quinta da Marinha onde passavam militares e agentes secretos em passagem por Portugal.

Para estas despesas Farinha Simões tinha todos os cartões de crédito que se possa imaginar emitidos no Brasil por bancos estrangeiros e cada um um tinha um limite de 10 mil dólares e entre 75 e 89, Farinha Simões gastou 10 milhões de dólares em várias parte do mundo sobretudo em pagamentos a informadores, politicos, militares, homens de negócios, e também traficantes de armas e de drogas, em ligação com a DEA (Drug Enforcement Agency). E além deste dinheiro havia um saco azul para ser usado naquilo que fosse preciso e o mesmo Farinha Simões lança a bomba quando afirma que a operação Camarate custou a preços de 1980: algo entre os 750 mil e 1 milhão de dólares e José Esteves só por sua conta levou 200 mil dólares e esta verba já inclui pagamentos a vários integrantes da operação como o engimático Sinan Lee Rodrigues.

Neste ponto Farinha Simões descreve as suas acções de formação como ter frequentado cursos em Langley, Virgínia (EUA) e em Quantico pagos pela CIA e o mesmo Farinha Simões andou infiltrado em várias partes do mundo tanto em nome da CIA como da DEA, em países como: Portugal, El Salvador, Bolívia, Colômbia,Venezuela, Peru, Guatemala, Nicarágua, Panamá, Chile, Líbano, Síria, Egipto, Argélia, Marrocos, Filipinas e a ligação de Farinha Simões com a DEA começou em 1981 através de Richard Lee Armitage, conhecido de Henry Kissinger e de Frank Carlucci e o grupo empresarial do antigo chefe da CIA além dos negócios da construção civil se deica ao tráfico de armas bem como o grupo Haliburton que tem como cabeça o vice presidente de Bush Filho, Dick Cheney.

Sendo que o Grupo Carlyle tem vários investidores privados com ligação ao Partido Republicano e que tem ganho fortunas com a venda de armas, petróleo e cimento para os países da chamada primavera árabe como o Afeganistão, Tunísia entre outros e este grupo usava o banco BCCI para lavagem de dinheiro, banco que tinha ligações a CIA e a NSA e que foi fechado nos anos 90 devido a vários casos de lavagem de dinheiro.

Agora vou saltar para a parte que interessa.

Em 1980 o mesmo Farinha Simões é contactado por Frank Carlucci, que além de antigo chefe da CIA e embaixador dos EUA em Portugal é um dos grandes amigos de Mário Soares e Rui Machete, diz de forma vaga a Fartinha Simões que tinha um "trabalho" com a maior das importâncias e que a CIA, o próprio Carlucci e a embaixada dos EUA seriam o apoio de Farinha Simões....

 

Continua no próximo capítulo

Está mesmo visto, Portugal está com a portagem paga na auto-estrada para o inferno e agora vamos até haver algum anjo que nos resgate do inferno como aconteceu com Fausto......

 

 

 

 

da Austrália, a mensagem em forma de música sobre o destino próximo de Portugal.....

 

 

 

 

 

Highway to Hell - AC/DC (legendado)

 

 

 

 

 

 

A escolha musical de hoje é um prévio sobre o artigo principal que vou escrever amanhã e que vos vai fazer pensar um pouco no sentido da vida e não estou a ser lamechas, mas apenas realista.....

 

 

 

 

We Are The World - USA for Africa

 

 

 

 

espero que gostem e vos faça pensar um pouco

 

 

 

 

 

 

 

Oito mil artigos é muita coisa escrita e publicada em quase 13 anos de blog e vos deixo a música de um dos aniversariantes de hoje, mas um conhecido: António Manuel Ribeiro, líder do grupo rock bem português os UHF.

 

 

 

Convosco vos deixo uma música bem actual

 

 

Rua do Carmo - UHF

 

 

e ao ouvirem a música pensem se algo mudou em Portugal nos últimos 35 anos

 

 

 

 

 

 

 

Quero encerrar a série das músicas da Primavera....

 

com um diamante que me apareceu nas recomendações da minha conta de youtube

 

 

 

esperando que seja do vosso agrado

 

 

o dueto que os verdadeiros amantes de música sobretudo dos anos 80 queriam ver e nunca viram....

 

 

mas aqui ficam com uma ideia como seria....

 

 

 

 

 

Nessun Dorma - Marc Martel (imitando as vozes de Freddie Mercury e Luciano Pavarotti)

 

 

 

se fecharem os olhos pensam que este canadiano virtuoso não está a imitar as melhores vozes masculinas de sempre da humanidade, mas que é mesmo um dueto entre os melhores cantores masculinos de sempre: Mercury e Pavarotti.... (e como eu queria voltar atrás no tempo e fazer com que estas duas gargantas preciosas cantassem em Wembley ou no Scala e tornassem o mundo num palco ainda mais pequeno para duas vozes únicas)