Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Opiniões e Críticas Secretas

Opiniões e Críticas Secretas

O caso BES/GES já peço menos arranjou um consenso na assembleia da república porque pelo menos fez com que se criasse uma comissão cuja constituição e linha de trabalho foi aprovada por todos os deputados com assento parlamentar e que vai render umas quantas horas de audições e contra audições de suspeitos e testemunhas no parlamento.

Segundo o jornal I, já quase há um ano atrás em Dezembro de 2013, o próprio Ricardo Salgado admitia que o buraco do GES era bem maior do que o buraco do BPN e quando admitiu isto, Ricardo Salgado atacou o BPI entre outros e foi quando saiu o pedido do depósito de garantia por parte do Banco Central.

Entretanto as coisas ficaram bastante mais pretas para Ricardo Salgado que foi apontado pelo seu primo José Maria Ricciardi como culpado único do desabmento do Grupo Espírito Santo ao ponto de alguns administradores passarem a noite em claro com medo de serem presos e a estudarem quais seriam as nações que não têm acordo de extradição para Portugal para poderem escaparem a uma enventual prisão porque a entidade de fiscalização do Panamá fechou o ramo local do BES e todos os outros ramos internacionais têm sido um por um tomado pelas autoridades locais embora hajam casos que estas tomas sejam polémicas como no caso do Dubai e de Angola onde há muita peixarada no meio.

E como se costuma dizer na lei de Murphy o que está mal pode sempre ficar pior, hoje se soube que na segunda-feira o tribunal de comércio do Luxemburgo decretou a falência Espirito Santo International Group que para quem ainda não sabe foi a semente da reconstrução do Grupo Espírito Santo quando foram as privitizações dos tempos de Cavaco Silva (primeiro ministro) e com esta falência apenas podemos esperar um valente estrondo do qual os mesmos de sempre vão aguentar com as consequências.

E ficam as minhas perguntas de sempre: Quem vai pagar esta conta ? Porque as entidades de fiscalização financeir em Portugal não se mexeram ? Se não mexeram-se, não seria caso para serem exonerados dos respectivos cargos ? Será que vai haver alguém preso ?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

Depois das empresas e dos depositantes e dos investidores de todos os calibres desde do otário que compra 10 acções para ganhar algum passear até ao Algarve numa escapadinha de dois dias até aquele que é chamado de accionista de referência ter ficado a arder e como quando são as grandes desgraças, quando a desgraça toca, toca todos agora tocou o desgoverno da república.

Na altura em que oficialmente o desgoverno colocou um ponto final a centenária existência do Banco Espírito Santo, vários membros do governo de Passos Coelho tinham no GES quer via contas bancárias, quer via acções mais de um mlhão de euros e os que tinham acções, são acções de empresas do GES que faliram e os depósitos ultrapassam o fundo de garantia do Banco de Portugal porque são todas acima de cem mil euros (um pequeno detalhe, cobram imposto de 20% nos prémios dos jogos sociais quando estes ultrapassam os 5 mil euros e temos políticos com mais de 100 mil euros só no BES, dá que pensar).

Os membros do governo em risco de perder dinheiro com a quda do GES são 16 e as contas acima dos 100 mil são pertença de 6 membros do actual governo e não se sabe quem são embora a lei protuguesa em relação aos depósitos bancários mesmo aqueles que são acima do limite da garantia é relativamente flexível se comparada com as directivas europeias e há algumas ressalvas que protegem estes super-depositantes.

Era interessante saber quem são os governantes que ficaram a arder com a queda do GES e saber qual foi a sua reacção quando sentiram os calcanhares apertados e o receio de perder parte generosa das suas poupanças e depósitos de outras origens conseguidos muitos a nossa conta e talvez tenha sido por isso que se mexeram, mas o controlo de danos parece não ter sido o suficiente e a coisa está preta para alguns membros do governo que poderão ficar com as calças na mão ou perto disso e vamos ver como vai ser a verdadeira reacção do desgoverno do Führer Passos Coelho depois desta grande descoberta.

E ficam as perguntas de sempre: Quem vai pagar este buraco ? Quem são os governantes que vão perder dinheiro com a queda do GES ? Como foi possível se chegar a esta situação ? Quem são os os culpados ?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

Depois das vítimas indiviuais dos buracos abertos no Grupo Espírtito Santo e com o seu colapso e depois dos individuais aparecem as empresas e depois da Portugal Telecom estar no limbo da falência devido a dinheiro investido no GES, agora aparece o banco do estado a penar com um calote dado pelo GES.

Sim, a Caixa Geral de Depósitos está a arder com cerca de 114 milhões de euros emprestados a uma empresa do falecido GES, a Espírito Santo Irmãos SGPS que está praticamente falida e a Caixa Geral de Depósitos é apenas o terceiro credor do GES e este dinheiro vai a caminho do esgoto ou então tem que se apurar pelo menos parte da chamada massa falida do GES e dos seus tentânculos.

Vamos ver agora quem vai pagar mais este buraco aberto pelo agonizante GES que já deveria de estar em liquidação para que os otários contribuintes portugueses não paguem mais ainda do que já pagaram pela boçalidade o poder político e financeiro a república.

Este buraco tem que ser sanado não por nós, mas sm pela CGD que se reclama entidade independente e aqui o desgoverno tem que ficar quase de fora porque se vai meter o bico quem vai pagar a conta vão ser os mesmos de sempre que já estão aparentemente fartos de pagar as broncas da república que não tem qualquer tino nem eira e muito menos beira.

Vamos ver se a direcção da CG vai tomar alguma medida para recuperar estes 114 milhões ou se vamos ser todos nós a pagar mais esta conta que esta vez é deste governo, embora os primeiros sinais de queda do GES já venham dos tempos de Cherne Barroso e que aumentaram de forma brutal no consulado do Führer Sócrates; mas nunca ao ponto a que se chegou e estes 114 milhões é apenas a ponta do tentânculo do calote o GES a CGD porque a coisa vai ainda aumentar mais.

E ficam as minhas perguntas de sempre ou quase sempre: Até one vamos parar ? Quem nos salva desta situação ? Quem paga esta conta ? Quando é que este desastre acaba ? Quem foi o culpado ? Quem ganha e quem perde com esta situação ?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

A queda praticamente anunciada do BES e do GES teve hoje mais uns pregos no caixão onde vai seguir para o repouso eterno um dos maiores grupos económicos da nação e que cuja queda como eu já disse aqui neste mesmo blog, vai ser uma verdadeira bomba nuclear de consequências verdadeiramente imprevisíveis.

Se soube hoje que as autoridades norte-americanas estão a investigar um dos tentáculos do Grupo Espírito Santo, o Espírito Santo Miami e em Portugal o ministéro públco fez buscas em empresas do Grupo Espírito Santo, em especial as do ramo não-financeiro como a Rioforte; entretanto se sabe que a Oi vai iniciar o processo de cobrança do resgate do chamado papel comercial e outro membro do GES, mas este da área económica; o Banque Privée do Luxemburgo ainda não fez o reembolso do seu papel comercial estando o ramo luxemburguês do GES todo em protecção de credores para que possam pagar em prestações os respectivos calotes, digo dívidas aos respectivos subscritores do papel comercial e nestas voltas o ESFG foi corrido do índice bolsista português PSI-20.

Muitos de nós sabemos que o GES tem um peso épico na economia nacional e na sua coluna de hoje no alfacinha jornal Público; João Miguel Tavares, conhecido de quem ouve a TSF por fazer parte do quadro de comentadores do programa de debate com humor (leia-se crítica cáustica, ainda mais cáustica que a Noite da Má Língua da SIC) afirma que no caso do GES cair não vai ser só Ricardo Salgado que cai da cadeira, mas que vai ser o país que vai cair e com estrondo; resumindo; mais uma opinião e desta vez bem avalizada que segue na linha daquilo que eu e muitos bloggers têm escrito do que pode acontecer na provável queda do GES em relação a frágil economia da nação e o desastre que pode dar porque vai ser um desastre transversal a toda a sociedade.

E volto a bater numa tecla que é a forma como o desgoverno do Führer Coelho está a deixar andar este caso sem qualquer intervenção estatal no GES, quando esta é mais necessária cada dia que passa e ao mesmo tempo se sabe que os desgovernos tanto de Sócrates como de Passos Coelho salvaram uma pulga bancária chamada BPN e vão deixar cair um dos maiores bancos da nação sabendo-se que esta queda como diz João Miguel Tavares vai dar estrondo e vamos ver se este estrono não vai fazer danos colaterais na república com uma possível ou provável agitação popular.

Como sempre deixo as minhas perguntas: Porque o governo não intervenciona o GES ou o BES ? O que o BPN tinha a mais do que o GES para ser intervencionado ? Disto o que vai sobrar para o comum dos mortais ? Porque todos se calam ? Será que a república vai aguentar o estrondo da queda do GES ? Para que nos serve a república e o seu presidente ?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

Quando a pulga bancária chamada BPN começou a cair o esgoverno mexeu carros e carretas para salvar um banco de pequena implantação nacional sobretudo porque nos seus corpos dirigentes estavam membros do PSD e do PS e deste mesmo salvamento ainda estamos a pagar a conta com o coirão com as consequências e os cortes que nós sabemos.

Acontece que o GES tem um peso estratosférico na banca e na economia lusitana e a sua queda vai levar muita gente atrás desde do simples depositante ou do café de esquna as grandes empresas da nação que têm dinheiro metido no BES seja de que forma for e a queda do GES vai ter um impacto entre uma bomba nuclear e o meteorito que exterminou os dinossauros e a ministra das finanças afasta o cenário de intervenção estatal imediata no GES e tal só será feita em último recurso, mas pelo que eu me lembro não houve a mesma atitude com o BPN e no falecido BPN entraram logo e não deixaram cair e por outro lado o desgoverno da república vai deixar cair um dos maiores bancos da nação.

De facto não consigo entender esta atitude do desgoverno que está numa de filhos e enteados porque o BPN ao lado do BES é uma gota de água no oceano e aqui funcionou a lógica do cartão do partido ou da fraternidade do pedreiro-livre e como amigo não empata amigo deitaram a mão ao BPN e agora no BES se estão nas tintas apesar da implantação do BES em Portugal e no mundo ser milhões de vezes superior do que era a do BPN e curiosamente ninguém quer fazer nada e está a espera de mais um deastre em Portugal que vai ter consquências épicas.

Gostava, bem e muitos o que causou este temporal financeiro de consquências que ninguém pode prever, mas que vai ser bem doloroso para toda a nação e que pode ter consequências no mundo da lusofonia pelo menos e não sei se ainda poderá ter consequências políticas em especial quando falta cerca de um ano para as eleições gerais e esta situação aém de prejudicar a economia da nação pode por consequência agitar todos os sectores da nação e vamos ver se não vamos assistir a verdadeiros tumultos a porta das agências e das sedes do BES porque se o GES cai é o que vai acontecer e a coisa vai ficar mesmo feia se não for travada quando ainda pode ser travada.

A ministra das finança lembra o caso BPN, mas como eu já disse o BPN se comparado com o BES é uma pulga, uma gota de água no oceano e se o BES cai, vai cair muita gente conhecida e desconhecida e por tabela com quase toda a certeza parte do poder político da república porque as ruas de Lisboa vão ficar mesmo em tempestade tropical.

E ficam as minhas perguntas de sempre: Quem é o culpado desta situação ? Porque o governo não quer intervir quando deveria de intervir ? O que vai por aí e nos vai cair em cima de nós ? Será que Portugal ainda tem salvação ? Será que o céu nos vai cair em cima das cabeças ? Quem vai pagar esta cena ?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

O que muitos temiam, sobretudo quem anda no mercado de capitais; está mesmo para acontecer porque depois da Espirito Santo International ter avançado com pedido de protecção de credores depois do buraco da venda de papel comerical (aka. obrigações de muito curto prazo); outra empresa do Grupo Espirito Santo que dá pelo nome de Rioforte que pediu dinheiro emprestado a PT sob o formato de papel comerical no valor de 897 milhões de euros e a sorte da Rioforte é que a PT não quis (no sentido mais literal do verbo querer) cobrar a dívida que vencia hoje e sim negociar o seu pagamento, porque caso a PT cobrasse directamente o dinheiro que é seu por direito; bem meus amigos e mnhas amigas de quase 11 anos de blogs, seria a maior falência da história da república e abalaria em definitivo a nação por detrás destes pequenos calotes via papel comercial há um passivo ou dívida total do Grupo Espírito Santo que se cifra em mais de sete biliões de euros.

E o temporal não fica por aqui porque ainda vai ficar pior porque a Espirito Santo Finacial Group (ESFG) que tem 20,1% do BES vai ou pode avançar para um pedido de protecção de credores (medida para evitar falência, algo semelhante aos planos de recuperação de empresa que envolve um administrador judicial) e estas fatias do império Espírito Santo estão sediadas no Luxemburgo e falta a aprovação das autoridades locais para que estes planos de protecção comecem a ser executados e quando o forem as acções destas mesmas empresas serão retiradas da Bolsa de Valores de Lisboa e da sua homóloga da cidade do Luxemburgo os processos provavelmente serão transferidos para Portugal.

Apenas para aumentar mais o dano, a própria família Espírito Santo vai fazer o mesmo pedido de protecção de credores e pelo que se sabe a PT não ver a cor do bagulho que meteu na Rioforte ou pelo menos parte do dinheiro ao ponto de em vez de ser fusão entre a PT e a Oi passa a ser Oi a dona da PT para que a empresa brasileira não seja apanhada em mais uma das brincadeiras daquele senhor Bava que tem a mania que percebe de mercado de capitais e todo o que rodeia este mesmo mercado, mas até a minha mãe doente e que teve um AVC consegue perceber melhor do que este senhor que detonou por dentro a TvCabo e agora está a fazer o mesmo na PT e ia fazer na Oi mas os brasileiros não foram na palheta mole.

A situação chegou ao ponto da própria família Espírito Santo ter que, pelo menos, fazer venda controlada dos 20,1% que detem no BES e restruturar os sete biliões de dívida para evitar a falência, mas no Diário Económico já se fala em colapso do Grupo Espírito Santo e não sei como o presente Führer do desgoverno da república; Führer Passos Coelho diz nos meios de comunicação social que os depositantes do BES podem estar descansados que os seus depósitos não correm riscos, e para estas palavras de Passos Coelho há uma resposta simples e educada: não correm risco uma ova ! E se eu fosse depositante no BES tirava de lá o dinheiro todo de forma muito discreta para não chamar a atenção e colocava noutro banco qualquer que não esteja em risco ou aparente risco como os bancos mutualistas ou a estatal Caixa Geral de Depósitos e esperava para ver até onde este temporal nos vai levar e se vamos ver o Ragnarök ou Apocalipse da Banca (sobretudo privada) e da República por tabela.

 E ficam as minhas perguntas de sempre: Até onde isto vai parar ? Vamos ter um novo BPN para pagarmos ? Para quando uma intervenção estatal nem que seja para clarificar a situação ? Em que posição vão ficar os depositantes e quem tem a sua reforma ou salário domciliado ao BES ? Como foi possível se chegar a este ponto ? De quem é a culpa ? Quem vai pagar esta grande bronca ? Aonde está o poder político da república ?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

Dívida de 30 milhões pode levar Câmara de Gaia à falência, alerta autarca

 

 

 

 

Sociedade luxemburguesa escreveu ao Ministério das Finanças, invocando o memorando da troika para exigir pagamento devido pela autarquia.

 

 

 

 

 

 

 

 

(Fonte: Público)

 

 

 

 

(nota: este aviso foi feito pelo novo edil de Gaia que em teoria nada tem a ver com Luís Filipe Menezes)

Hoje entro com mais detalhe no que comecei ontem a escrever sobre a attude da deputada portuguesa eleita pelo PS nas últimas eleições europeias há praticamente 5 anos atrás e Ana Gomes com o calo e alguma experiência que tem na área da diplomacia como se viu quando foi o reatar de relações diplomáticas com a Indonésia e começar da resolução do problema de Timor-Leste de forma relativamente positiva.

Mas pelo visto Ana Gomes tem um problema com o PS actual que é o facto de ela aparentar ser completamente anti-Sócrates e por tabela anti-Seguro e por isso não lhe dão um cargo digno em Portugal e esta mesma deputada europeia que se tem revelado como uma verdadeira pedra no sapato dos socialistas do poder da república porque Ana Gomes tem uma forma de expor as suas ideias e de fazer o seu discurso que lembra e muito os socialistas idealistas dos anos 60, muito antes de Mário Soares ter metido o socialismo na gaveta e por outro lado toca na ferida de muita gente grada ou amiga do poder político da república seja qual for o partido.

E esta negociata ainda muito mal explicada dos Estaleiros de Viana do Castelo e que um dos responsáveis primários para o seu estado de falência foi, e por favor não desmaiem, um dirigente socialista; mais precisamente o antigo presidente do Governo Regional da Região Autónoma dos Açores, Carlos César que encomendou dois barcos asfalteiros e só ficou concluído e o ou segundo a meio mas nenhum dos dois foi pago abrindo ainda mais o buraco financeiro dos Estaleiros de Viana e ajudando que mais algumas centenas de trabalhadores venham para o desemprego.

Apenas se sabe que Ana Gomes cosenguiu colocar de candeias as avessas, o comissário da defesa da UE e o ministro da defesa português por causa do caso dos estaleiros de Viana e e a mesma Ana Gomes fez queixa contra desconhecidos no DIAP e nesta coisa, as únicas coisas certas é que vai haver mais uns quantos milhares sem emprego por um lado e que temos mais um negócio escuro e podre a enorme lista de negociatas da república portuguesa e que são mais do que muitos.

Esta atitude de Ana Gomes é a atitude que a esquerda e direita em Portugal deveriam de ter tomado caso pensassem na nação e não no tacho porque se pensassem na nação nunca tinham deixado Portugal chegar ao ponto que chegou e o qual está a dividir a nação por um lado e ao mesmo tempo consegue colocar Portugal num nível de desenvolvimento bem abaixo dos tempos supostamente negros do Estado Novo que muitos queriam esquecer, mas quase sempre sempre actuais para nosso mal.

E ficam as perguntas de sempre: Porque Ana Gomes não tem um cargo em Portugal ? Quem ganha com a destruição dos Estaleiros de Viana ? Quem são os culpados desta situação que seria evitável ? Porque sempre que há casos estranhos, há socialistas no meio ? Como foi possível o desgoverno deixar que a situação chegasse a este ponto ? Aonde isto vai levar ? Para que quiseram aumentar as águas nacionais ? Para que nos serve a república e o seu presidente ?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar