Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Opiniões e Críticas Secretas

Opiniões e Críticas Secretas

Só hoje achei um pouco de cabeça para escrever sobre o protesto deste Domingo, dia 16, da chamada Família Militar que serviu para unir forças e ao mesmo tempo para ser uma espécie de despertar de consciências sobre a situação dos militares e também para enviar uns quantos recados velados, tanto para o poder da república como para dentro dos quartéis.

Apesar de mostrar a raiva contra os cortes extremos aplicados as Forças Armadas sobretudo nos salários, pensões e serviços sociais, o protesto deste Domingo foi relativamente pacífico embora se tenha não só o protesto das alunas do Instituto de Odivelas e respectivas mães, bem como o protesto de todos os militares ao activo e reformados contra os cortes que chegam a ultrapassar os mil euros mensais e que coloca em causa a dignidade dos mlitares segundo os mesmos manifestantes.

Não nos podemos esquecer que há relativamente pouco tempo publiquei aqui neste mesmo recanto que há casos de militares a pedir os restos das messes para terem que comer e/ou terem comer para as suas famílias devido aos cortes sádicos feitos em nome de uma dívida que cujos culpados apenas são os percevejos que constituem o poder político da república desde 1910 com uma ou outra variação ao longo dos anos e a Família Militar saiu para a rua de forma pacífica mas não de forma submissa e muito menos silenciosa porque começou ao som de uma música que marcou não a presença portuguesa na Eurovisão, mas sim marcou uma certa data numa certa e esquecida Primavera de há 40 anos atrás com o título "E Depois do Adeus" intrepertada por Paulo de Carvalho e depois junto ao parlamento cantaram outra pérola de Abril "Grândola, Vila Morena" e outras músicas de Zeca Afonso além do hino nacional e de novo se ter cantado "E Depois do Adeus".

O relativo silêncio foi subitamente interrompido pelas alunas do Instituto de Odivelas que vieram protestar contra o encerramento do Instituto de Odivelas se fizeram ouvir com um verso inspirado pela malha dos Quinta do Bill "Filhos da Nação" que foi assim: "Estas são as filhas da nação, já adultas podem crer, ansiosas por saber, se o IO tem solução".

Além das canções de protesto houve discursos que foram verdadeiros recados para quem quisesse ouvir começando pelo presidente da Associação de Oficiais das Forças Armadas, Coronel Pereira Carcel fez a lista das situações que  "vão afectando a vida profissional, mas também social e psicológica dos militares": a redução das remunerações, a "redução cega" de efectivos, as alterações à situação de reserva, a implementação de normas e procedimentos àquilo que já tinha sido contratuado, a dupla penalização nas reformas, a extinção do fundo de pensões, entre outras situações "de um processo de empobrecimento forçado". O que, nas palavras de Cracel, desmotiva e indigna os militares, provocando-lhes "sentimentos de revolta nada recomendáveis", ou seja, os oficiais estão no limite do ponto de ignição para algo que poderá acontecer.

Mas não são os únicos porque todas as patentes protestaram não só contra as situações críticas que o General Pereira Carcel apontou bem como tocaram no novo brinquedo favorito do Führer Passos Coelho que são os cortes que no caso das Forças Armadas chegam aos mil euros; além disso os militares elogiaram a polícia que guardava o parlamento e o General Pereira Carcel ainda acrescentou algo que o poder da república esqueceu: que os militares foram os primeiros responsáveis pela presente Constituição e acusa o desgoverno actual de "desconjurar" a mesma Constituição.

Na mesma linha o Sargento Lima Coelho, Presidente da Associação de Sargentos disse que não pretendia subir as escadarias do parlamento e as únicas escadarias que pretende subir são as da justiça e não ficou por aqui porque ainda disse: "As Forças Armadas estão serenas mas não estão submissas" e com estas palavras que tanto são para consumo externo como são para consumo interno das Forças Armadas como fossem mensagens para os quartéis e também foram recados para o poder político da república que não passa de um colchão cheio de percevejos como disse Ramalho Ortigão e que urge eliminar antes que surjam parasitas mais perigosos em Portugal porque este poder político da república não respeita nem nunca respeitou aqueles que serviram de alavanca para os tachos que têm; uma alavanca chamada Forças Armadas que há 40 anos alavancaram a subida ao poder do presente poder político da república num suposta democracia que está eclipsada pela ganância e pelos interesses particulares e de certos grupos mais ou menos secretos.

E ficam as minhas perguntas sem resposta: Porque não respeitam as Forças Armadas ? Porque raio o poder político da república não respeita as Forças Armadas que foram os mesmos que nos deram a liberdade ? Será que o poder político da república tem alergia a liberdade e a democracia ? Que caminho leva Portugal ? Aonde isto nos vai levar ? Será que vamos ter algo mais que uma simples manifestação nos tempos mais próximos ? Que raio de comadante supremo é o presidente da república que promulga cortes que fazem com que parte generosa dos militares ande a pedir restos nas messes ? Que porra é esta de nação ? O que é feito do 25 de Abril ? Para que nos serve a república e o seu presidente ?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

Os cortes feitos na Função Pública como um quase todo, porque a classe política escapa sempre, e algo que pode fazer lembrar uma escaldante primavera distante no tempo, mas próxima no espaço e na história, sim na filha de Heródoto e de Clio; que muitos querem que se repita para passar com lixívia pura nesta nação de quase 1000 anos que parece parada no tempo.

Acontece que desta vez, autoridades policiais e forças militares se juntaram para reclamar os seus direitos salariais, o que pode lembrar alguns o que foi a génese do 25 de Abril e estas forças com a excepção dos oficiais, se vão concentrar dia 10 de Julho no Largo do Camões em Lisboa; mas com a ausência dos oficiais que apesar de ausentes estão do lado dos manifestantes que afirmaram na edição electrónica do períodico Expresso, que não vão parar e existe uma Comissão Coordenadora que envolve militares e forças policiais com a GNR incluída.

Aparentemente é um extremar de posições como nunca se viu e que tanto pode dar em nada como pode ser o começar de muita coisa que pode tornar ainda mais escaldante o insuportável calor deste Verão que está a ser de longe mais quente do que o do ano passado; entretanto tudo entra em férias de Verão no sub-mundo da política enquanto aparece circo sobre as eleições municipais que se aproximam e são logo depois do início da época da caça, perdão política, sempre marcada pela Festa do Avante e enquanto o circo continua nesta canícula insuportável que nem o futebol tem para entreter porque para mim os jogos da Copa das Confederações não me despertam interesse, os políticos tratam eles mesmos de serem o circo e o ópio do povo enquanto outros andam a tentar a defender o que é seu por direito e outros andam numa de ditadura revisitada pós-moderna.

Confesso que como filho da revolução, nunca me lembro de ver tanta miséria como agora, tanta agitação social como agora e vamos ver se as forças militarizadas além de defenderem o seu bolso, não fazem como naquela Primavera de 1974 e varrem com tudo que está podre neste país porque tal limpeza é mais do que essencial para o bem desta nação que não merece as bestas que tem a frente dos seus destinos e nem a oposição de esquerda se aproveita porque no fim das contas é farinha do mesmo saco, embora os barões sobretudo do PSD, sejam a verdadeira oposição mostrando mais os dentes do que toda a oposição de esquerda junta.

De facto foi bom os professores se terem manfestado, foi bom ter havido greve geral e haver esta contestação toda quando as coisas estão mal, apenas espero ver acção por parte dos militares e menos palheta porque esta nação já desde do tempo do sucateiro Sócrates que está a precisar duma limpeza antes que apareçam os extremistas, e se por ventura o custo desta limpeza para defesa da democracia significar o fim da república, então em nome da pátria e da democracia se acabe com a república porque nada é mais sagrado do que 3 coisas: vida, pátria e liberdade.

E ficam as minhas perguntas de sempre: Será que os mlitares vão mesmo para a frente ? O que poderá acontecer ? Será que vai haver mudanças em Portugal ? Que caminho leva a nação ? Aonde vamos parar ? Para que nos serve a república e o seu presidente ?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

Este conselh de estado que deixou os corações e os espíritos inquietos de quase toda a nação portuguesa, foi talhado a imagem e semelhança do mandato de Cavaco Silva como presidente da república e mostra como a sua inutilidade cresce de dia para dia apesar do povo português estar a ser constantemente a ser assaltado pelos desgovernos da república.

Apesar da ensurdecedora contestação nas ruas, o conselho de estado foi surdo e apenas deu um puxão de orelhas a um desgoverno que está a tempo a mais no poder e que nunca deveria de ter assumido funções porque não passa duma quadrilha de ladrões incompetentes e acéfalos que enquanto enterram biliões em fundações colocam uma pátria com quase mil anos a passar fome qual fossem o imperador da Etiópia a dar carne de primeira aos seus leões de estimação enquanto quase toda a população morria de fome e com esta austeridad está acontecendo, havendo sempre lugares e poisos para os amigos daquela Honorável Associação de aventais ou para os amigos do Partido porque o povo, este que vá cavar batatas, mas que pague o imposto sobre as batatas porque o poder da república este fica com a carne.

Nem sei ao fim de contas para que foi esta novela do conselho de estado porque afinal tudo continua na mesma como na lesma e a república contnua a fazer ouvidos de mercador a todos aqueles que clamam pelos seus direitos roubados, direito ao trabalho, ao pão, a casa a educação; os que trabalham pedem o direito ao emprego certo e as férias pagas e agora já temos estudantes universitários a dever propinas e a irem estudar com fome porque não tem dinheiro para comerem, tal qual como fossem alunos da primária ou do liceu que em muitos casos a única refeição que têm é a do SASE e ninguém tem olhos para esta miséria que nem nos tempos naquele sacana de Santa Comba Dão mas que era mesmo doutor sem ajudas como aquela licenciatura Relvas que é de si uma vergonha.

Este conselho de estado mostra de forma clara e explícita a inutilidade pura do sistema republicano, sobretudo o português, que deixa que o número de esfomeados e viciados em drogas por desespero entre outros casos que mostram a desgraça para qual a república nos empurra nos tempos mais recentes cuja entrada no euro foi a facada final nas costas de um povo soberano que chegou a ser dono de metade do mundo conhecido e que agora não passa numa pátria de esfomeados onde o poder podre da república tem mas jóias do que Rei-Sol e que se pensa dona de todo o poder quando numa democracia real e verdadeira o poder vem do povo, é do povo e pelo povo e nunca por interesses de sociedades secretas, grupos de pressão ou percevejos semelhantes.

E ficam as minhas perguntas de sempre: Afinal para que foi esta teatrada a volta do Conselho de Estado ? Será que temos que comprar uns aparelhos de surdez para o conselho de estado ?  Afinal qual é a voz do povo ? Será o povo a grande maioria silenciosa que Spínola falou um dia ? Quando é que o povo ganha mesmo a sua voz ? Porque raio ainda ficou este desgoverno em funções apesar de violar a constituição de todas as formas ? Para que nos serve a república e o seu presidente ?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar