Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Opiniões e Críticas Secretas

Opiniões e Críticas Secretas

Depois da barracada da campanha da Leopoldina a pedir esmola para SNS, agora a mascote da Sonae, resolveu continuar numa de ser também mascote do SNS ao lançar uma campanha para criação de acções de comabate a obesidade infatil e na volta como não quer a coisa toca de fazer promoções a consolas de videojogos.

Quem não vai neste futebol sou eu, porque com a carga fiscal que se tem em Portugal, a república tem dinheiro de sobra para este tipo de iniciativas e se não as tem é porque não quer e se a santíssima trindade do desporto nacional deve balúrdios ao fisco seria uma forma desta mesma trindade pagar o que deve ao criar secções de desporto escolar e as despesas envolvidas nestas secções seriam dedutíveis nos respectivos calotes.

Mas esta ideia não iria render receitas para a gerigonça que precisa de receitas para os seus amigos e para enganar os borregos que ainda vão nas suas cantigas que falam de taxinhas e proibições por tudo que é lado muito ao estilo daquele senhor de Santa Comba Dão que caiu de uma cadeira e depois a gerigonça ainda se diz de esquerda....

Fiquei a pensar se fosse um campanha para meter os miúdos a ler, ou aprenderem uma arte ou ofício nas escolas; ainda tinha o seu lado positivo, mas agora mostrar que o imposto coca cola nunca passou de uma forma de financiar os amigos da gerigonça e tapar os buracos que esta abre nas contas públicas e ainda há umas toupeiras cegas que ainda não viram isto é descer baixo demais.

Esta suposta filantropia do Continente é mais uma falácia para enganar tolos e borregos e para sustentar o porco de engorda que é a república que cada vez está mais gorda apenas aguardando o dia da matança e a sua transformação em enchidos, e outros cortes mais nobres e antes de irem na hipocrisia da época onde dizem ter nascido Jesus Cristo mas que nada está provado, pensem antes de agir porque Natal é todo o ano e que os pais tirem as consolas aos meninos e os coloquem a jogar a bola ou pelo menos no air hockey no shopping e os ponham a ler e a ver menos televisão dos 4 canais de sinal aberto porque ao ler pelo menos ficam mais inteligentes do que os idiotas que vão aos realities shows que os papás veem.

Se passam demasiado tempo no trabalho usem os sindicatos como arma de força e aqueles que defendem os subúrbios como exemplo de qualidade de vida pensem antes de falar e pensem que o sangue da cidade são os seus habitantes e não os turistas e este suposto comodismo de se viver nos subúrbios tem os seus custos.

E se querem acabar com oa obesidade infantil ponham os miúdos a mexer e os papás controlem aquilo que os filhos levam a boca e não esperem pela filantropia do Continente ou por mais uma taxinha da gerigonça enquanto aqueles que o podem fazer passam o tempo a passear o bobi e a ver quem é o próximo eliminado da casa dos enrolanços...

 

Assim Falou Nitzsche

 

Ainda muito se elogia o chamado imposto sobre as bebidas açucaradas que no mundo das redes sociais ficou conhecido por Imposto Coca Cola.

A Gerigonça andou a vender aos borregos que ainda vão acreditando nas cantilenas da Gerigonça que o mesmo imposto seria para reduzir a obesidade infantila e para financiar o SNS e muitos otários aplaudiram de pé, mas estes otários não viram que quem teve a ideia deste mesmo imposto foram os derrotados da Guerra Fria (Bloco de Esquerda e CDU).

Este imposto claramente ideológico que quer embedar a nação porque para república o vinho é um bem essencial e paga menos imposto que uma lata de atum ou um pacote de manteiga só aplicado às bebidas açuacaradas produzidas em Portugal porque as que são produzidas foram do território da república estão isentas de tal tributação.

A ironia é que desde que esta tributação começou, o SNS se transformou num SNS e passou-se alimentar um buraco sem fim chamado Banca Portuguesa e o SNS continua cada vez com menos meios e as dívidas dos hospitais e as farmácias cresce a olhos vistos sem que ninguém mexa uma palha e a nação apalude uma medida que nos tempos actuais não passa de uma medida hipócrita e fascista.

É que passados 30 anos da queda do Muro da Vergonha, sim do Muro de Berlim e do fim das DITADURAS COMUNISTAS na Europa onde ouvir rock, e beber coca cola era considerado crime e poderia valer uns anos de cadeia, haver tal tributação numa nação que passou quase 50 anos de ditadura é um paradoxo nojento.

No caso da obesidade há dois grande culpados: os paizinhos que não o sabem ser e passam o tempo em planear férias ou agarrados aos telemóveis e aos realities shows e deixam as crianças ao Deus Dará e não lhes sabem impor limites e lhes dar educação e alguns canais de telvisão que para encherem espaço nos espaços de "informação" dão verdadeiras overdoses de supostos estudos sobre obesidade, os quais manipulam as massas e a ditadura da Gerigonça com os seus fantoches da DGS aproveitam para colocar mais impostos sobre a nação.

Muito mais mata o vinho e as bebidas álcoolicas e nestas ninguém toca nem coloca impostos adicionais para forçar a redução do consumo como queriam fazer com os referigerantes PRODUZIDOS EM PORTUGAL porque ao inebriar a nação pode fazer toda a velhacaria que se possa pensar, mas esta nação desde que tenha Fado, Fátima, Futebol e Vinho fica calada e se deixa levar pelas cantilenas do poder político da república, já  era antes do 25 de Abril e ainda continua a ser...

E voltando aos defensores da bebida vínica; se a mesma fosse tão virtuosa, não existiriam tantos doentes de coração e depressivos; mas apesar das quantidades industriais de vinho que se bebe em Portugal, cada vez são mais os depressivos e os doentes de coração e neste estudo que defende o vinho como bebida de virtude, há algo que já cheira a vinagre.

Para concluir: a Gerigonça está numa forma muito subtil usando a mesma linha de pensamento do Estado Novo em relação ao vinho e ao  mesmo tempo quer condicionar os comportamentos da nação, algo completamente contra o que saiu do 25 de Abril  e o comportamento da Gerigonça é um fóssil vivo do antigo regime porque tolera o que vem de fora, mas não tolera o que é feito em Portugal quando este algo não se encaixa nos seus padrões.

E ficam ums questões para pensar: Porque taxam apenas os referigerantes feitos em Portugal? Porque não aumentam a taxação do vinho devido ao constante aumento de mortes ligadas ao vinho? Será que estamos no lado Sith do Estado Novo sem o sabermos?

 

 

 

Deem um bitaite...

O mundo anda entusiasmado com a nova activista ambiental Greta Thunberg de nacionalidade sueca que para mim não passa de uma ferramenta de manipulação das massas de borregos que parecem estarem espoliados de uma qualidade que torna os seres humanos, humanos que é a liberdade de pensamento e raciocínio.

E nas redes sociais apareceram uns chicos-espertos a colarem a imagem da jovem sueca a imagem de uma activista canadiana que fez um brilhante discurso da cimeira Eco-92 organizada no Rio de Janeiro sobre as alterações ambientais e as consequências humanitárias e ao contrário da jovem sueca que tem vários grandes tubarões e lobbistas a bancarem as suas despesas e os seus discursos ocos; a oradora canadiana não precisou que os grandes financeiros lhe financiassem a viagem.

A canadiana Severn Cullis Suzuki e mais alguns amigos formaram uma organização que juntou o dinheiro para a mesma Severn Suzuki poder ir a Eco-92 expor as suas ideias perante os delgados presentes na Eco-92 e tocou nos pontos todos que deveria de tocar sem usar ataques pessoas e dar uma de disco riscado.

Para os mais esquecidos, o Canadá estava ainda a se recuperar do maior desastre ambiental causado por um petroleiro, Exxon Valdez que tinha acontecido no Alasca em 1989 e a na altura menina Suzuki estava bem lembrada da fome em África e de um evento chamado Live Aid e da sua contra-parte norte-americana USA For Africa.

E fazendo este exercício de viagem no tempo, ainda me recordo de ver no telejornal as imagens chocantes da fome em África e da mendicidade na Índia e das guerras assanhadas nos chamados países do 3º mundo e a no discurso da mesma Suzuki a mesma fala que conviveu com crianças das favelas do Rio de Janeiro e as mesmas sonhavam na altura serem ricas para deixarem de passar mal e partilharem com os outros a suas riquezas...

Como é possível a Greta Thunberg falar que lhe estão a roubar a infância quando ela nasceu na Europa, não viu nenhum petroleiro a lhe dar cabo do mar que banha o seu país e que se esquece que ainda existem crianças a sofrerem com guerras e fome no mundo e só se limitava a atacar meia dúzia de nações num discurso pré-formatado sem tocar nos problemas que deveria falar; como alguém tem moral para ser activista em nome dos desfavorecidos se tem apoio de lobbistas da sua nação. E depois ainda há borregos que vão na conversa.

A mesma Greta em vez de usar um discurso onde chame a atenção para os erros da humanidade passa o tempo a destilar ódio contra alguns e não contra todos, usando discuros formatados e sem ter um pensamento bem estruturado como a canadiana que fez o mundo pensar há coisa de há 30 anos atrás.

A mesma Greta fala em infância roubada, mas a mesma Greta não via as imagens cruas das crianças a morrer em África devido a fome causada por maus anos agrícolas devido a secas sucessivas e que um tal de Bob Geldof e outro inglês um tal de Midge Ure viram no local depois de terem visto na televisão estas mesmas imagens e os mesmos ficaram chocados e oragnizaram numa primeira fase a Band-Aid para que se gravasse um single de Natal cujas receitas das vendas iriam para a compra de alimentos para estas mesmas crianças e nos EUA se tomou medida semelhante com o USA for Africa...

Passados uns meses , os dois lados do Altântico se juntaram para um dos mais brilhantes momentos da humanidade de seu nome Live Aid e onde apesar dos objectivos iniciais a que proposeram Geldof e Ure terem sido atingidos, depois na distribuição dos alimentos houve muito trafulhice feita pelos líderes locais.

Mas quem vive na Suécia, com pais bem na vida ainda pode dizer que tem a infância roubada, a não ser que os pais por causa de manter o seu o status a tivessem encaixotado num colégio interno porque de resto não estou a ver lógica em tais palavras e depois a atitude e a linguagem corporal nos discursos me lembra um certo ser nascido na Áustria há mais de cem anos e que fez o favor de levar o mundo para a sua mais sagrenta há coisa de 70 anos e ainda estão a dar corda a uma criança que dizem ter vários problemas mentais e que ao discursar parece um ditador dos anos 30... Bem assim sendo parece que a humanidade se está a transformar em seres híbridos entre zombies, cegos saídos do Ensaio Sobre a Cegueira de Saramago e uma qualquer espécie pecuária sem o mínimo de instinto de racionalidade que se deixa levar por qualquer pataquada de um qualquer pastor.

 

Para vos fazer pensar....

 

o discurso da Miss Suzuki

 

e uma música dos Queen que parece que foi feita para o Live Aid mas não foi, mas que se encaixa no espírito do evento...

 

 

 

 

 

 

 

Ontem, fui buscar os meus bilhetes para o filme biográfico sobre o grandioso Freddie Mercury, Bohemian Rhapsody, para não ter que ficar em pé na fila nem ter que ir várias horas antes para o cinema antes da sessão para ter o bilhete e depois de ter feito umas coisinhas descansei.

Hoje de manhã quando me levantei e fui acabar um trabalho pendente que tinha do curso soube de uma das mais tristes noícias da minha vida....

 

 

Que a Diva Montserrat Caballé se tinha juntado a Freddie Mercury no eterno palco do paraíso.....

 

 

 

Senti como tivesse perdido alguém de muito querido e tive que sair antes que me sentisse mal tamanha é a tristeza que sinto 

 

E me despeço da grande diva em espanhol e em catalão:

 

Hasta Siempre! Diva universal, tu tienes para siempre un lugar en mi corazón, ahora estás cantando para Dios con otro dios cerca de tu llamado Freddie Mercury, hasta un dia... nos veremos por ahí...Dama Real Montserrat Caballé...

 

 

 
 
Fins Sempre! Diva universal, tu tens per sempre un lloc en el meu cor, ara estàs cantant per a Déu amb un altre déu a prop del teu anomenat Freddie Mercury, fins a un dia ... ens veurem per aquí ... Dama Reial Montserrat Caballé ...
 
 
 
 
E deixo 5 vídeos onde o talento de Montserrat foi levado ao extremo
 
 
 
 
Barcelona; How Can I Go Home, La Japonaise e Ensueño (em dueto com Freddie Mercury) e Bohemian Rhapsody (dueto com Bruce Dickson, apenas o áudio)
 
 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Devido aos trágicos fogos do último Outono, se gerou uma corrente solidária nesta nação para ajudar as vítimas dos incêndios do Pedrógão Grande que fizeram tanto vítimas mortais como vítimas materiais.

Acontece que parte destes dontivos acabaram no bolso no desgoverno da gerigonça que os usou para as obras nos hospitais da Universidade de Coimbra e outra parte se sublimou como fossem cistais de iodo expostos ao ar e dezenas de milhões de euros se sumiram no ar, sem ninguém saber onde pararam e nem as casas prometidas a quem tinha ficado desabrigado tinham sido construídas.

Passado quase um ano desta tragédia, uma reportagem da TVI, colocou o dedo na ferida e conseguiu descobrir que o dinheiro que sobrou do que não desviado para nenhuma obra de última obra como a dos HUC, ficou nas mãos da edilidade local e ainda mais grave, o edil está a pedir e a fazer o jeitinho para quem não tinha a sua morada principal na área afectada pelos fogos, transferirem a sua morada para esta mesma zona; de forma a terem as obras de reconstrução das suas casas de férias completamente gratuitas pagas pelos dontivos que os portugueses e outros cidadãos do mundo deram para mitigar esta tragédia.

O mesmo edil resolveu processar o canal de televisão, embora não tenha dado qualquer explicação sobre o destino dos dinheiros e na imprensa têm aparecido vários casos de cunhas para a obtenção de ajudas para a reconstrução de casas de férias enquanto quem precisa mesmo fica para trás e quem recebe normalmente tem alguma ligação partidária ou de amizade ao mesmo edil.

Por outro lado o Perfeito Vazio de Belém que está a banhos apenas diz que é preciso apurar saber o que se passou sobre este desvio dos donativos; mas palavras leva-as o vento e este refogado pede acção antes que comece a cheirar mais a esturro e se exige medidas profundas e radicais para se apurar responsavéis destes mesmos desvios e puní-los de forma exemplar e jamais os deixar soltos, porque gente desta tem que ir para a cadeia pagar pelo que fez o pelo que está a fazer.

O que esta situação vai levar é que a proxima angariação que ocorra através dos meios de comunicação social e que tenha suporte do presidente da república ou de outra entidade pública acabe em fracasso e tenham que ser privados que por sua iniciativa levem os donativos em géneros (exemplos: alimentos, rações para animais ou roupas) ou financiarem directamente a reconstrução de casas que não sejam habitações de férias como está acontecer em Pedrógão Grande.

Duvido que no futuro, próximas angariações de fundos para ajudar vítimas de incêndios ou de outras tragédias que envolvam dinheiro voltem a ter a mesma mobilização do que teve a causa do Pedrógrão por que agora quem quiser doar vai querer doar em géneros do que doar um céntimo que seja por que os possíveis doadores ficam desconfiados do real destino dos donativos em dinheiro porque estes podem não acabar para onde devem ir e vão para o sítio errado.

Estas situação do Pedrógão tem que ser investigada doa a quem doer e não são vãs palavras que vão fazer a máquina judicial andar, mas sim acção, acção contra aqueles que enganaram uma nação e vários cidadãos de outras partes do mundo que entraram com milhares de euros para ajudar as vítimas desta tragédia épica e que nos deveria de fazer pensar no fim do tremendo eucaliptal que existe em Portugal e numa real política de prevenção de fogos e não na pura demagogia como foram as medidas apresentadas pela gerigonça para a limpeza de florestas.

E ficam os engimas da esfinge: Por onde param os donativos para as vítimas do Pedrógão? Para quem é este compadrio que a imprensa denuncia? Porque raio não é investigado? Porque o pefeito vazio de Belém não aperta a sério com as instituições para saber o que é feito dos milhões doados?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

A overdose de turismo em Lisboa que chega ao ponto de uma pessoa dizer palavrões para tanto turista que deixa os transportes públicos sem condições para serem utilizados porque ficam sobrelotados de turistas e os lisboetas sejam eles naturais de Lisboa ou lisboetas por empréstimo e ninguém pode entrar tendo que esperar vários minutos quando não chega a horas para poder ir trabalhar our ir para casa.

Mas este nem é o probema mais grave da overdose de turismo, o mais grave são as leis do arrendamento urbano que têm sido criadas pelo menos desde dos tempos de Santana Lopes passando por Sócrates Pinto de Sousa nº 44 e Passos Coelho ao que se junta a gerigonça; o problema que vos falo é o aumentar brutal dos despejos de famílias das suas casas sobretudo nos bairros históricos com o simples propósito de as alugar a turistas para rendas de curta duração.

Os números de despejos atingiram um número absurdo de 5 famílias perdem a sua casa todos os dias em despejos devido aos aumentos de renda brutais que servem como alavanca para estes mesmos despejos que está a estropiar a Lisboa histórica e a empurrar os lisboetas para fora de Lisboa ou com sorte para os bairros periféricos da capital onde ainda não chegou a overdose dos turistas que tomou de assalto a cidade de Lisboa.

Me dá uma raiva ver que o trabalho de reconstrução do Marquês de Pombal e da equipa que ele reuniu depois da tragédia do grande terramoto de 1 de Novembro de 1755, passam hoje 262 anos, cair por terra porque cada vez mais a Baixa e o centro da cidade a ficar deserto o que torna a actual geração de políticos e proprietários lisboetas uns verdadeiros ingratos perante a obra do Marquês que era tornar a baixa habitável.

Nunca se sentiu tanto como agora, o abandono da Baixa e dos bairros típicos que depois da noite ficam transformados em autênticos desertos, e os bairros típicos vão sendo tomados pelos estrangeiros enquanto os portugueses vão ficando sem casa e até sem abrigo porque aquelas pensões manhosas que serviam de refúgio aos desabrigados estão a ser transformadas em hostels e residenciais mais caras, enviando estes desgraçados para a rua.

A constituição da república portuguesa defende o direito inabalável a habitação condgigna e nos 20 anos perdidos da república e nem com Marcelo, nenhum presidente da república travou as sucessivas leis do arrendamento urbano que apenas tiveram e têm um objectivo: o despejo sumário de inquilinos e a retirada do direito inabalável à habitação condigna.ao assinar de cruz as várias leis dos despejos.

Com estas leis dos despejos que nunca foram pensadas nos tempos do Estado Novo onde apesar da miséria latente e dos bairros de lata, haviam também as vilas operárias e se os turistas queriam dormida ou iam para os hotéis ou então para as residenciais e deixavam as casas e os quartos particulares para quem precisasse deles e nunca iam ara turistas de pé descalço que até era coisa não existia na altura e os poucos que começaram a aparecer com as primeiras sementes do rock e com o Vilar de Mouros ficavam no campismo.

Agora com a invasão dos turistas e as leis dos despejos o direito a habitação ficou esquecido e os vários presidentes da república que têm assinado de cruz as várias leis dos despejos se esquecendo que juram defender a constituição e a fazer cumprir, mas no final das contas se esquecem do juramento que fazem ou estão am prejúrio porque com esta amnésia permitem que o direito à habitação condigna seja roubado do povo de forma descarada e aos olhos de todos em nome do novo ópio de autarcas e proprietários com poucos ou nenhuns escrúpulos: o turismo.

E como sempre deixo as minhas perguntas de sempre: Se a habitação é um direito que nos é assegurado pela constituição, então porque nos é roubado? Porque não controlam o turismo descontrolado que tomou as principais cidades de Portugal de assalto? Quem ganha com estas violações a CRP? Que raio andam os presidentes da república a fazer? Que porcaria andaram os governos a fazer?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

 

Em Portugal temos um partido político com representação parlamentar que ainda pensa que existe URSS e muro de Berlim e o Pacto de Varsóvia tem mísseis apontados aos países da NATO e dá pelo nome de PCP - Partido Comunista Português e desde há muito anda de braço dado com os supostamente ecologistas Verdes e que é dos poucos partidos comunistas no mundo que ficaram imunes a perestroika e a glasnost.

E tiveram o foco da imprensa nacional esta semana quando depois do Parlamento Europeu ter atribuído o prémio Sakharov para os direitos humanos a Resistência Venezuelana que luta pela democracia na Venezuela que se encontra sob o jugo da ditadura de Nicolas Maduro, vieram para o parlamento português contestar este mesmo prémio, sendo a única força política a mostrar tal desagrado.

Estes senhores da CDU que de democrática só tem o nome tal como Hitler era socialista e dava caçada aos verdadeiros socialistas ainda não abriram os olhos e não viram o que Maduro vez com o Chavismo foi o mesmo que Stalin fez com o Leninismo, desvirtuou as poucas virtudes que tinha ao que se juntou uma queda brutal no preço do petróleo e sabendo-se que a Venezuela é uma economia petro-dependente, o caminho para a queda do chavismo estaria aberto se Maduro fosse um verdadeiro democrata ou tivesse espírito de estado como o seu antecessor teve por muito pouco que fosse.

Maduro não passa simplesmente de um Stalin dos tempos modernos sem os gulag e outros requintes da URSS e não assume que chegou a hora da sua saída e passar a vez a uma cara nova para o poder porque numa qualquer democracia seja ela que tipo for, tem sempre que haver renovação no poder porque a democracia é o poder do povo e se o povo da Venezuela em eleições limpas disse que basta de Maduro, Maduro tinha que sair e reconhecer a derrota; mas se o seu sucessor errasse e fizesse figura de urso, Maduro na oposição lhe poderia apontar o dedo e mencionar os erros e o derrubar numa moção de censura ou outra figura legislativa semelhante.

A China Vermelha que é a China Vermelha, país irredutivemente comunista, tem feito renovações nos seus quadros políticos refrescando ideias dentro do partido e da nação, o que ao longo prazo é positivo para a China e além da Venezuela os únicos imunes a reformas políticas mesmo tímidas é Cuba e a Coreia do Norte; nações que a CDU aponta como exemplos de...democracias.

Gostava saber de que gruta saíram os deputados comunistas e os seus aliados ecologistas para saírem com esta forma de verem o mundo porque cada vez mais se parecem com a protagonista do filme Goodbye Lenin!, e não sei como não reconhecem a luta daqueles que querem liberdade para a sua nação, quando se diz de uma forma politicamente correcta que o PCP lutou pela democracia nos tempos do Estado Novo, mas ideia que tem vindo ao de cima como a nata no leite é que o PCP na realidade lutou pela sua sobrevivência no Estado Novo e se aproveitou o facto de também os verdadeiros democratas estarem a ser perseguidos para ganhar uma base sólida de apoio porque se o Estado Novo se tivesse reformado mais ou menos como nos moldes de "Portugal e o Futuro" o PCP em Portugal teria os dias contados.

Sim, depois desta atitude, a verdade veio ao de cima e o conceito de democracia que é defendido pelo PCP é o mesmo conceito de democracia que havia na URSS nos tempos de Stalin e Brejnev e quando alguém ou alguma entidade internacional ataca algum destes bastiões stalinistas, o PCP salta logo em defesa da sua dama como seria de esperar e dizer que o PCP é um paladino da democracia é tão hipócrita como dizer que Hitler era um pacifista.

Em relação ao Prémio Sakharov, a Resistência Venezuelana pediu para que o dinheiro associado ao prémio seja doado as vítimas da ditadura de Nicolas Maduro.

Como sempre ficam as minhas perguntas: Quando é o PCP se renova? Quando é que o PCP se torna um partido democrático de facto? Quando é que deixa de apoiar ditaduras?

Como sempre vos pçeo para ler, comentar e divulgar

Em Portugal, mas precisamente, no Tribunal da Relação do Porto, existe um juiz que deveria ter estado em hibernação durante  a revolução dos cravos e apesar de ter apenas 28 anos de serviço parece vindo de tempos antigos, onde os direitos humanos não eram iguais entre homens e mulheres e onde as mulheres pouco mais eram do que escravas ou objectos para os homens fazerem das mulheres capacho.

O juiz em questão é o meritíssimo juiz Joaquim Neto de Moura que já em 2013 quando apenas era um juiz auxiliar no Tribunal da Relação de Lisboa, já tinha sido polémico, para não dizer pior quando reduz a pena a um agressor acusado em primeira instância de violência doméstica, "homem" que tinha agredido a sua esposa que tinha uma criança de nove dias de idade ao colo ao murro e as dentadas, ao absolver o mesmo agressor do crime e apenas o penalizar com uma multa de 350 euros devido a agressão que foi desagravada pelo mesmo juiz.

Este mesmo juiz, já como desembargador na cidade Invicta, absolveu outro agressor porque a esposa do mesmo trocava sms com um suposto amante e o agressor que tinha sido condenado a uma pena por agressão, mas que era pena suspensa, acabou absolvido por este mesmo juiz porque a vítima não tinha qualquer crédito (palavras do mesmo juiz).

Já no ano passado o mesmo juiz assinou um acórdão em parceria com uma colega, a juíza desembargadora Ana Bacelar onde um acórdão do mesmo tribunal revoga uma medida de afastamento urgente de um "homem" por violência doméstica da residência do casal por supostamente as ameaças entre as partes serem recíprocas ao ponto da alegada vítima dos maus tratos ter desejado a morte do agressor.

Mas o mais grave foi o que aconteceu esta semana quando o mesmo juiz usou a Bíblia para justificar as agressões sofridas por uma mulher tanto da parte do marido como da parte do amante e o mais grave é que o mesmo acórdão não foi apenas assinado pelo juiz Neto de Moura, mas também foi subscrito pela juíza Maria Luísa Abrantes e além das citações bíblicas que está erradas e incompletas foi rabuscar o código penal de 1836 onde aparece criminalizado o adultério, quando na actualidade tal facto não é mais crime.

Acontece que o mesmo acórdão não é passível de recurso para Supremo e o melhor que a vítima deste caso pode fazer é recorrer para o Tribunal dos Direitos do Homem em Haia porque a justiça de Portugal não lhe pode valer e por outro lado este mesmo juiz em 2007 este mesmo juiz foi alvo de um processo por abuso de autoridade, mas o mesmo processo não deu em nada.

Além das referências bíblicas o que torna o acórdão polémico é também o facto de ser também subscrito por duas juízas o que tornar a polémica deste processo de agressão contra uma mulher ainda maior e dá que pensar em que mundo vivemos e que alguns juízes devem pensar que o mundo ainda não evoluiu com as decisões que tomam e por outro lado as relações humanas chegaram a um ponto em que fico a pensar aonde que se chegou onde o respeito mútuo desapareceu e uma coisa que aprendi com a minha família foi que o respeito entre um homem e uma mulher nunca se alcança pela violência mas sim pelo diálogo e quando se chega a violência mais vale cada um ir para o seu lado porque a violência não leva a nada.

Por exemplo eu e a minha comapnheira temos uma ou outra discussão sobretudo porque o dinheiro a nós é curto mas dá mais ou menos para tudo, mas no fim chegamos sempre a um acordo ou um consenso sobre o que estamos a discutir sem haver qualquer episódio de violência e com estes casos se vê o quão está decomposta a sociedade portuguesa.

Ficam as minhas perguntas de sempre: Porque fizeram as citações bíblicas se Portugal é um estado laico? Que raio de acórdão é este? Afinal onde para o respeito entre as pessoas?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

Nunca me lembro na minha vida de ver estes números tão graves em termos de mortes nos incêndios florestais nesta nação em 38 anos de vida.

Mais de cem mortos, mais precisamente 106 mortos causados pelos incêndios florestais em apenas 4 meses algo nunca visto e que foi causado sobretudo pela incúria de sucessivos governos, mas que este governo da gerigonça não soube corrigir erros do passado e os erros passados foram-se acumulando e chegaram a um ponto de serem imperdoáveis.

Está claro que a demissão de Constança Urbano de Sousa é o primeiro passo de muitos passos a serem dados para que se resolva de forma definitiva ou perto disso o problema dos incêndios florestais porque se chegou ao ponto de quase não termos floresta para se respirar e como disse uma vez o grande Zé Leonel dos Ex-Votos "Com as árvores a queimar já custa a respirar".

O presidente da república quis colocar nas mãos do parlamento, o hipotético futuro do governo da gerigonça; sobretudo depois da demissão de Constança Urbano de Sousa (Ex-MAI) ao mesmo tempo que exigiu medidas para que não se repitam tragédias como do Pedrogão e dos 500 incêndios que foram em quase todo centro e norte desta nação ao ponto de aniquilar o Pinhal de Leiria mandado plantar pelo Rei D. Afonso III e concluido por D. Dinis no século XIII para conter as areias que arruinavam os campos agrícolas da zona de Leiria e Marinha Grande.

Além dos danos ambientais e materiais que são já de si trágicos, ainda são de lamentar os damos humanos que somam 106 vítimas mortais e dezenas de feridos cujas dores não há remédio do mundo capaz de mitigar na totalidade e se Marcelo colocou nas mãos do parlamento o futuro do governo não deveria de ter sido de ânimo leve porque o principal partido da oposição está em processo eleitoral para escolha de novo líder e é assim carta fora do baralho para um governo de iniciativa presidencial porque o mesmo não iria durar muito e o aparecimento de Santana Lopes veio fazer um favor a António Costa.

A esquerda chumbou a moção de censura, mas sem deixar umas quantas farpas ao governo e estranhamente ou talvez não, o PS não lançou nenhuma moção de confiança, sabendo que muito provavelmente a própria esquerda se iria juntar a direita e chumbaria a moção de confiança.

Mas o mal foi das pessoas que morreram ou ficaram feridas, daqueles que perderam os seus entes queridos e daqueles que perderam os bens e os trabalhos de uma vida inteira e que são perdas irreparáveis por muito grande que seja a solidaridade das pessoas e das instituições, mas não se admite a negligência descarada a que está jogada a floresta nacional de há várias décadas para cá, sobretudo depois da subsídio-depedência da CEE/UE que incentivou a não-produção e a troca de várias áreas produtivas por pinhal e eucaliptal, sem estes terem os caminhos de escape e acessos para o combate aos fogos e ninguém fez nada ou tornaram a situação pior como foi com a extinção dos guardas-florestais e a nomeação de boys partidários para a Protecção Civil e outras entidades semelhantes.

Estes 106 mortos foram o pináculo de uma situação que se arrasta há décadas e que nenhum governo abriu os olhos e muito menos corrigiu fosse ele de esquerda ou de direita e a situação, apesar de não haver muito mais para queimar pode ficar pior porque tanto o pinheiro como o eucalipto são árvores de cresimento rápido e vão ser replantadas no mesmo sítio onde arderam sem ter o mínimo de ordem e depois vamos assisitir a mais do mesmo.e depois a esquerda volta a dizer que a culpa foi da PAF, mas se as árvores forem plantadas com a ajuda do governo da gerigonça, o que a PAF tem a ver com isto?

O chumbo da moção de censura foi uma forma de reforço do governo porque também o PSD está em auto-gestão, mas foi um reforço com muitas ressalvas por parte dos colegas de coligação ao ponto de haver nenhuma moção de confiança para contrabalançar a moção de censura do CDS, o que vos confesso me deixou meio surpreso, mas como disse em cima, tal ferramenta legislativa poderia ser um tiro no pé por parte de António Costa.

Como sempre ficam as minhas perguntas de sempre quase sempre sem resposta: Porque não houve moção de confiança? Como foi posssível morrerem tantas pessoas nos incêndios? Será que vão haver mais mortes relacionadas com os incêndios? Porque raio Santana Lopes quer ser líder do PSD logo numa altura que a gerigonça está frágil? Quem ganha com estas tragédias? Quem são os verdadeiros culpados?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

A minha escolha vai para uma música que deve ter para aí uns 20 anos ou perto disto e foi cantada por um grupo chamado Ex-Votos que tiveram como membro mais conhecido o seu vocalista Zé Leonel falecido em 2011 e que foi um dos fundadores dos Xutos e influenciou outros mitos como Heróis do Mar ou Peste & Sida... 

A escolha de hoje tem a ver com a situação que vivemos dos fogos e vou vos postar primeiro uma das exibições em TV da mesma música e outra quando Zé Leonel preparava-se para a sua derradeira viagem para o infinito, mas a música não deixa de ser bela e actual.

 

 

 

Canto aos Peixes - Ex-Votos