Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Opiniões e Críticas Secretas

Opiniões e Críticas Secretas

A overdose de turismo em Lisboa que chega ao ponto de uma pessoa dizer palavrões para tanto turista que deixa os transportes públicos sem condições para serem utilizados porque ficam sobrelotados de turistas e os lisboetas sejam eles naturais de Lisboa ou lisboetas por empréstimo e ninguém pode entrar tendo que esperar vários minutos quando não chega a horas para poder ir trabalhar our ir para casa.

Mas este nem é o probema mais grave da overdose de turismo, o mais grave são as leis do arrendamento urbano que têm sido criadas pelo menos desde dos tempos de Santana Lopes passando por Sócrates Pinto de Sousa nº 44 e Passos Coelho ao que se junta a gerigonça; o problema que vos falo é o aumentar brutal dos despejos de famílias das suas casas sobretudo nos bairros históricos com o simples propósito de as alugar a turistas para rendas de curta duração.

Os números de despejos atingiram um número absurdo de 5 famílias perdem a sua casa todos os dias em despejos devido aos aumentos de renda brutais que servem como alavanca para estes mesmos despejos que está a estropiar a Lisboa histórica e a empurrar os lisboetas para fora de Lisboa ou com sorte para os bairros periféricos da capital onde ainda não chegou a overdose dos turistas que tomou de assalto a cidade de Lisboa.

Me dá uma raiva ver que o trabalho de reconstrução do Marquês de Pombal e da equipa que ele reuniu depois da tragédia do grande terramoto de 1 de Novembro de 1755, passam hoje 262 anos, cair por terra porque cada vez mais a Baixa e o centro da cidade a ficar deserto o que torna a actual geração de políticos e proprietários lisboetas uns verdadeiros ingratos perante a obra do Marquês que era tornar a baixa habitável.

Nunca se sentiu tanto como agora, o abandono da Baixa e dos bairros típicos que depois da noite ficam transformados em autênticos desertos, e os bairros típicos vão sendo tomados pelos estrangeiros enquanto os portugueses vão ficando sem casa e até sem abrigo porque aquelas pensões manhosas que serviam de refúgio aos desabrigados estão a ser transformadas em hostels e residenciais mais caras, enviando estes desgraçados para a rua.

A constituição da república portuguesa defende o direito inabalável a habitação condgigna e nos 20 anos perdidos da república e nem com Marcelo, nenhum presidente da república travou as sucessivas leis do arrendamento urbano que apenas tiveram e têm um objectivo: o despejo sumário de inquilinos e a retirada do direito inabalável à habitação condigna.ao assinar de cruz as várias leis dos despejos.

Com estas leis dos despejos que nunca foram pensadas nos tempos do Estado Novo onde apesar da miséria latente e dos bairros de lata, haviam também as vilas operárias e se os turistas queriam dormida ou iam para os hotéis ou então para as residenciais e deixavam as casas e os quartos particulares para quem precisasse deles e nunca iam ara turistas de pé descalço que até era coisa não existia na altura e os poucos que começaram a aparecer com as primeiras sementes do rock e com o Vilar de Mouros ficavam no campismo.

Agora com a invasão dos turistas e as leis dos despejos o direito a habitação ficou esquecido e os vários presidentes da república que têm assinado de cruz as várias leis dos despejos se esquecendo que juram defender a constituição e a fazer cumprir, mas no final das contas se esquecem do juramento que fazem ou estão am prejúrio porque com esta amnésia permitem que o direito à habitação condigna seja roubado do povo de forma descarada e aos olhos de todos em nome do novo ópio de autarcas e proprietários com poucos ou nenhuns escrúpulos: o turismo.

E como sempre deixo as minhas perguntas de sempre: Se a habitação é um direito que nos é assegurado pela constituição, então porque nos é roubado? Porque não controlam o turismo descontrolado que tomou as principais cidades de Portugal de assalto? Quem ganha com estas violações a CRP? Que raio andam os presidentes da república a fazer? Que porcaria andaram os governos a fazer?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

 

A marcar o meu regresso a este espaço após uma fase agitada da minha vida e onde a inspiração não foi muita devido aos nervos, volto para analisar as eleições municipais do ano da graça do Senhor de 2017.

Estas eleições municipais se podem resumir numa vitória esmagadora do PS e derrotas para os restantes partidos ao ponto do PAN ter perdido o seu único eleito que era um vereador de junta na Junta de Freguesia de Arroios em Lisboa, para não falar nas câmaras perdidas tanto pelo PSD, mas sobretudo nas quedas dos outros partidos da gerigonça que foram maiores do que as quedas do PSD dado que estas foram amortecidas por um aumento de número de votos.

No partido sediado na Lapa (PSD), os barões jcomeçaram a questionar a liderança de Passos Coelho ao ponto de atirar Rui Rio para a liderança do partido fundado por Francisco Sá Carneiro e o próprio Passos Coelho já disse que não vai ser candidato a liderança do PSD no próximo congresso do partido que ainda não tem nem local nem data certos.

Não sei se Rio será o senhor certo para o actual PSD, e se o mesmo irá ser tão diferente de Passos como muitos poderão pensar devido a este mesmo apoio dos barões do partido, os mesmos que em parte apoiaram Passos Coelho quando este tomou a liderança do PSD, embora se saiba do perfil aparentemente diferente de Rui Rio como pessoa e como politico.

Mas Passos Coelho não tem que ser o único a cair do seu pedestral do poder político, as outras vítimas foram o líder comunista Jerónimo de Sousa e a líder do Bloco de Esquerda que ainda tiveram uma queda maior do quea de Passos Coelho e não assumem as respectivas derrotas e apenas se preocupam com a galinha da vizinha, ou seja, com as quedas de Passos Coelho em vez de olharem para o seu reduto e para verem que também foram derrotados e de forma pesada e para não falar no parente pobre da gerigonça que perdeu o seu único eleito por sua conta e meteu o rabo entre as pernas (PAN).

Quem ganhou mesmo as eleições municipais ou autáquicas foi o PS e com números expressivos em todas as frentes, sendo provavlemente a maior ou uma das maiores vitórias eleitorais do PS de sempre em termos de eleições autárquicas e que vai fazer o resto dos partidos com assento parlamentar pensarem nos sufrágios que se seguem daqui a dois anos: europeias e legislativas (se não houver nenhum evento extraordinário até lá) e no que têm que mudar em termos de lideranças e de atitudes perante os eleitores se quiserem ter resultados decentes e quiserem dar dores de cabeça ao actual Führer da república, António Costa; porque com resultados como tanto os outros membros da gergionça bem como os membros da oposição, António Costa pode dormir descansado porque vai ficar muitos e bons anos no poleiro.

E na ressaca deste verdadeiro furacão cor-de-rosa, o único que assumiu a derrota foi Passos Coelho, e os outros o evitaram quando o facto de terem sido até mais derrotados do que Passos Coelho é evidente aos olhos de todos que acompanharam o especial eleições nem que fosse pela rádio como eu fiz.

Também tenho que destacar do lado dos vencedores os movimentos de cidadãos mais ou menos independentes que conquistaram algumas dezenas de municípios e de vereadores contribuindo estes também para a derrocada partidária fora PS e que mostraram um certo enjoo por parte dos eleitores em relação ao sistema partidário existente na república que amanhã festeja o seu aniversário número 107. E outro vencedor além dos independentes foi a senhora abstenção que passou dos 40%.

Vamos ver como os autarcas eleitos se vão portar e se vão ser cumpridores do seu programa, embora estes critério não seja importante para que um autarca seja reeleito e o que conta apenas é a conversa barata que o mesmo possa ter e o suporte que tenha no comportamento do governo da república.

E ficam as minhas perguntas: Porque nem todos os derrotados assumem a derrota? Quais as consequências destes resultados eleitorais? Que leitura pode ser feita destes mesmos resultados eleitorais? 

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

 

Eu apesar de ser monárquico e ter votado no Tino de Rans porque para mim era o único candidato digno de assumir o cargo de presidente da república, não esperava ver um votação tão massiva em Marcelo Rebelo de Sousa nem ver os chamados candidatos de quadro partidário como Maria de Belém, Edgar Silva ou mesmo Marisa Martins terem levado votações humilhantes, ao ponto do até distritos comunistas como Beja ou Setúbal terem sido ganhos por Marcelo Rebelo de Sousa e por outro lado além de Marcelo que ficou bem na foto foram Tino de Rans e Marisa Matias que apesar de ser daquelas que pedia uma segunda volta, acabou em terceiro com mais votos do que os outros candidatos do Bloco de Esquerda a Belém.

E por outro lado um dos derrotados para não dizer o pior derrotado da noite foi o candidato comunista Edgar Silva que foi o candidato com mais gastos de campanha que para nada lhe serviram porque teve uma votação equivalente a votação de Tino de Rans e nunca os comunistas em eleições presidenciais ou outras quaisquer ficaram abaixo dos 5% que no caso de ser traduzido num possível sentido de voto em eleições gerais faria que se voltasse a ter uma maioria absoluta de direita no parlamento e o Bloco se assumir de forma clara como ou quarta força no parlamento deixando os comunistas muito mal da fotografia dos possíveis resultados eleitorais de uma eleição geral.

Foi a primeira vez que um candidato presidencial limpa todos os distritos na história das eleições presidenciais e felizmente por uma lado que se escolheu um presidente de sentido contrário ao do governo para se ver se o cargo em si ganha alguma utilidade porque os dois últimos exemplares se mostrar de uma inutilidade violenta e dolorosa que dá para questionar a existência e a continuidade do regime republicano porque os dois mais recentes presidentes da república ficaram numa de deixa andar em relação aos governos e assinaram tudo de cruz sem medir as consequência desta atitude de verdadeiro desprezo pelas necessidades dos portugueses.

A ver vamos como Marcelo se vai comportar e se este vai ser uma tsunami laranja e se vai ser positiva ou negativa para a nação, mas vamos ver como vão ser 5 anos de Marcelo em Belém embora eu não confie nem as minhas ceroulas sujas a um presidente da república, mas é o presidente eleito, logo a primeira volta e se foi eleito por dois milhões de votos é aceitar os resultados e se houve mais de 50% de abstenção foi por culpa da re-introdução das subvenções aos antigos políticos e porque um dos requerentes era um dos candidatos a presidente da república e nenhum dos candidatos favoritos a ter uma votação decente disse que iria chumbar um orçamento de austeridade, bem pelo contrário e com esta conjunção de factos era de esperar uma grande abstenção como aconteceu.

Não tenho confiança no regime republicano no seu todo e para mim qualquer urso pode ser presidente da república, mas tem que ser um urso que tenha uma noção razoável da lei fundamental e que tenha dois dedos de testa para saber o que está certo e o que está errado e não fazer o frete ao seu partido ou sociedade secreta, mas sim ser a garantia da constituição que é coisa que os dois últimos exemplares de presidente da república não o foram.

Não sei o que vai render Marcelo Rebelo de Sousa com presidente, mas se espera que não vai ter vida fácil porque a situação da nação se aproxima do insustentável e vai ser preciso alguém com pulso para segurar os destinos da nação e vamos ver se Marcelo Rebelo de Sousa vai ser um presidente da república à altura da pulso que a nação pede e não apenas uma figura decorativa e cara qual fosse um qualquer elefante branco implantado no meio da cidade de Lisboa e com as agitações que têm acontecido na república e que pedem um pulso presidencial ou então a república como regime não passa de uma feira de vaidades e interesses instalados que nada têm a ver com aquilo que se define como democracia porque esta coisa em Portugal que foi conquistada em 1974 e reforçada em 1975.

Muitos esperam deste presidente, mas o desinteresse pela república e pela política é tal que a abstenção na eleição para o presidente da república foi acima dos 50% e este desinteresse deveria de ser visto pelas forças vivas da república como sinal de algo não vai bem no sistema político da república e que algo tem que ser mudado para que estes números da abstenção não tomem estes números que nem parecem de uma democracia onde o povo está satisfeito com o sistema político.

 Como sempre as perguntinhas sem resposta: Será Marcelo Rebelo de Sousa um novo Eanes? Será Marcelo o melhor presidente da república ou ficará ao nível de Samapio e Cavaco? Como vai-se portar Marcelo perante esta agitação que a república sente? Será que vai ser um presidente a sério?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

Com os socialistas no poder podre da república começam a surgir casos de ajudinhas aos amigos do partido, bem como acontecia quando o PSD estava no poleiro, acontece com os socialistas os amigos são mais e é preciso arranjar tachos e panelas para mais gente que está sempre a aparecer por todos os lados e mais alguns e volta ao baile a questão dos vistos dourados que muito deu e ainda vai dar que falar.

Desta vez é o cidadão Luís Goes Pinheiro, jurista e envolvido no caso dos Vistos Gold e que foi nomeado chefe de gabinete do secretário de Estado do Conselho de Ministros, este cidadão teve a sorte de António Figueredo, presidente do IRN lhe ter metido uma cunha (a grande instituição nacional) a um membro da Comissão de Recrutamento e Selecção para a Administração Pública (Cresap) que por acaso é outra envolvida no caso dos vistos dourados, Maria Antónia Anes; que era secretária-geral do ministério da Justiça e que foi acusada de mais casos de cunhas, ou seja, foi apanhada em flagrante a meter cunhas como se bebe água-pé no São Martinho. Esta senhora era amiga de Paula Teixeira da Cruz, antiga ministra da justiça do anterior governo.

Se sabe que o concurso público no qual foi nomeado Luis Goes Pinheiro tinha melhores concorrentes com currículos bastante mais apreciáveis, com experiência dada e provada em cargos de chfia tanto no ministério da Justiça como em outras pastas aparentemente sem qualquer mácula em termos de cadastro ou de incompetência, mas Luís Goes Pinheiro tinha uma coisa que talvez os outros concorrentes não tinham que é um cartão de militante do PS com as quotas em dia e este verdadeiro cartão de crédito platinum lhe abriu as portas de par em par de um alto cargo público e relativamente bem pago.

Está claro que niguém quer assumir a culpa da manipulação do concurso ou quem sabe contestar o seu resultado, embora o no caso de contestação, os lesados se calhar nem sabiam que que Luís Pinheiro tinha o cartão platina da república que abre todas as portas para altos cargos que é o cartão de um militante do partido que estiver no poleiro ou que possa ter este acesso ao poleiro, ou seja, do PS ou do PSD e sem saberem isso poderiam ter deixado passar os prazos para contestar o resultado do mesmo concurso público e terem sabido do caso da cunha pelos jornais como todos nós e tenham ficado surpreendidos pela decisão e da forma como a decisão foi tomada, todavia a mim já nada me surpreende em Portugal em termos de podridão porque é fruta da época em especial quando os socialistas estão no poder porque parecem aparecer mais casos com estes senhores no poleiro e até podem aparecer milhões destes casos nos jornais e nas televisões mas apenas servem para nos colocar indignados contra uma certa submissão do sistema judicial aos interesses instituídos que são o verdadeiro poder em Portugal.

Interesses que têm vindo a aumentar a sua presença ao passar dos anos e torna o sistema que se diz democrático numa não-democracia dominada há 106 anos pela aristocracia republicana que aos soluços tem vindo a tomar conta dos nossos destinos guiando os votos ao sabor do seu vento por muita contestação haja na rua; e esta divulgação de uma cunha com os socialistas no poleiro é apenas mais um de centenas para não dizer milhares de casos de cunhas dadas por socialistas e sociais-democratas quando estes estão na cadeira do poder e que fazem parte do pão de cada dia dos cargos públicos em Portugal.

Mas agora puxar alguém para um alto cargo e que está metido numa investigação sensível a qual ainda não está arquivada nem prescrita é ser reles demais mesmo para uma república podre e senil como a portuguesa e mostra assim a verdadeira face do que é o poder republicano em Portugal onde a cunha partidária abre todas as portas mesmo daqueles que não têm qualquer mérito para ter acesso a um qualquer cargo de chefia como é este caso em particular embora se desconfie que existam mais casos semelhantes pois que isto é mesmo fruta da época.

Não deixa de ser irónico a troca de mimo entre PSD e PS em relação as cunhas, embora se saiba que ambos fazem o mesmo embora as proporções conhecidas possam ser diferentes, mas fazem o mesmo e excusam de atirar pedras uns aos outros neste ponto porque ambos os partidos têm telhados de vidro e não podem mandar pedras uns aos outros porque se o vão fazer acabam por ficar sem telhas e se fica saber as verdades sobre as cunhas.

Como sempre as perguntas que ninguém sabe responder: Quando é que esta situação vai mudar? De quem é a culpa? Quem será capaz de mudar esta situação? Quem ganha e quem perde com esta situação?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

Com os socialistas no poleiro tinha que voltar a baderna ao poder político da república um grupo de deputados socialistas e sociais-democratas (21 do PS e 9 do PSD) requeram ao Tribunal Constitucional a inconstitucionalidade da medida que acabava com as reformas dos políticos que não estão em funções e entre os deputados signatários se encontra o antigo presidente do governo regional da Região Autónoma dos Açores, Mota Amaral... e da antiga ministra da saúde depois da igualdade (ministério o qual não se sabia para que servia) e utilizadora de laca compulsiva e além disso tudo, candidata a presidente da república e amiga de velhinhos em lares....Maria de Belém.

Os comunistas num raro acto de dignidade nesta república, os deputados da bancada da CDU se apressaram a recusar o regresso da subvenção e este regresso foi aprovado e faz jurisprudência e agora os deputados que têm a dignidade de a recusar não sei como vão fazer esta mesma recusa, mas deve haver algum documento ou algo parecido e Maria de Belém assume em altura de campanha eleitoral que assinou o pedido e esta reposição vai custar 10 milhões de euros aos portugueses e se saber isso em semana de eleições presidenciais e com a troika a vir aí é o belo e o bonito.

A lista dos meninos bonitos que assinaram o requerimento é a seguinte: Alberto Costa (PS), Alberto Martins (PS), Ana Paula Vitorino (PS), André Figueiredo (PS), António Braga (PS), Arménio Santos (PSD), Carlos Costa Neves (PSD), Celeste Correia (PS), Correia de Jesus (PSD), Couto dos Santos (PSD), Fernando Serrasqueiro (PS), Francisco Gomes (PSD), Guilherme Silva (PSD), Hugo Velosa (PSD), Idália Serrão (PS), João Barroso Soares (PS), João Bosco Mota Amaral (PSD), Joaquim Ponte (PSD), Jorge Lacão (PS), José Junqueiro (PS), José Lello (PS), José Magalhães (PS), Laurentino Dias (PS), Maria de Belém Roseira (PS), Miguel Coelho (PS), Paulo Campos (PS), Renato Sampaio (PS), Rosa Maria Albernaz (PS), Sérgio Sousa Pinto (PS) e Vitalino Canas (PS); e esta lista ilustre e no caso dos socialistas são todos socratistas o que não deixa de ser interessante.

Pago para ver qual vai ser a reacção da esquerda espartaquista que serviu de bengala para a subida ao poder a António Costa e qual a reacção do líder da oposição, Passos Coelho; porque no caso da esquerda tirar o tapete a António Costa, este vai ficar nas mãos de Passos Coelho e se este quiser uma vingançazinha poderá dar ordem aos seus deputados para seguirem o sentido de voto da esquerda e aí o governo vai cair ainda antes da posse do sucessor de Cavaco Silva no Palácio de Belém e não sei qual a ferramenta constitucional que poderá ser usada se um governo cair no hiato que vai da eleição de um novo presidente da república até a sua eleição.

Vamos ver quais vão ser as reacções a esta medida dos juízes do Palácio Ratton que é uma cacetada nos nossos impostos para satisfazer a aristocracia da república que tem roubado Portugal nos últimos 106 anos e vai continuar a roubar e uma medida que seria um alívio para este roubo foi anulada por um abaixo-assinado de meia dúzia de aristocratas da república e ironicamente quando uma qualquer petição junta milhares de assinaturas quase nunca é votada no parlamento e quando o é, o pedido feito na petição é sempre recusado e são petições em muitos casos que ultrapassam as 20 mil assinaturas.

Não sei qual o valor democrático desta decisão porque foram apenas 30 aristocratas a  pedir a revogação de uma lei, sobretudo quando esta lei vai prejudicar o povo e um dos signatários se afirma socialista e defensora do país real e ao assinar tal peitção mostra que não deve ser assim como ela diz ser algo como fosse um Paulo Portas de saias e sem submarinos para ser massacrado pelos espartaquistas que deram o braço a António Costa para este ser Führer da nação chamada Portugal que vai a caminho do pântano e da bancarrota a passos largos e mais uma vez com a ajuda do PS como pareceio habitual das entradas da troika em Portugal e dos respectivos resgates para afundar um pouco mais a moral nacional já de sim na fossa.

Como sempre ficam as minhas perguntas de sempre quase sempre sem resposta: Onde está o interesse democrático dos signatários deste pedido? Quem vai pagar a factura deste pedido? O que a troika vai achar desta ideia? Será que a troika vai aprovar? Porque não canalizam estes 10 milhões de euros para outras despesas públicas mais importantes?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

Os mais recentes casos de mortes e de transferências evitáveis na sede do maior núcleo hospitalar da capital da república na semana passada um jovem de 26 anos morreu no dito hospital porque não havia nenhum neurocirugião de plantão ao fim de semana o que causou demissões em massa nas várias administrações gerais de saúde e no próprio Hospital de S. José.

O caso mais recente é de um idoso que não foi atendido na neurocirugia de S.José pelo facto do médico ter acabado o seu turno e ninguém o chamou para atender um caso urgente que era um avc isquémico (ironicamente uma das causas da morte da minha mãe) e o coitado que já vinha mal de Faro (cronicamente sem neurocirugia de plantão), acabou por ser transferido não para Santa Maria, mas sim para Coimbra e por causa disso está em coma profundo e entretanto faleceu e o jovem que morreu na semana passada devido ao rompimento de um anuerisma e morreu porque não havia um neurocirugião e um neurorradiologista de plantão a um fim de semana e esta situação é nojenta e estranha pois que se trata um dos principais hospitais da nação.

Muito se tem falado, mas nada se tem feito a não ser troca de argumentos entre médicos e governo, mas a situação continua na mesma e as mortes por falta de especialistas de plantão já se cifram em 7 e com toda a certeza vai aumentar porque os salários líquidos dos médicos são talvez grandes demais e os médicos não estão virados para atender urgências mesmo quando estão vidas humanas em risco e por outro lado, voltando ao caso do idoso, haviam 3 hospitais em Lisboa para o atender sendo dois deles públicos e não se consegue preceber porque raio o pobre homem teve que ser transferido para Coimbra onde veio a falecer.

Estes casos de falta de cuidados de saúde num país que se diz do primeiro mundo nos coloca a pensar se afinal Portugal é mesmo Primeiro Mundo ou se não passa de um pedção de Terceiro Mundo separado da Europa desenvolvida pela Espanha que meio aos trambolhões está sempre ou quase sempre melhor que Portugal e depois colocam a culpa nos cortes feitos na saúde pelos governos anteriores, mas os mesmos governos anteriores andaram a salvar bancos em vez de injectar dinheiro onde deveriam como no caso da saúde e depois aparecem casos desses onde as pessoas morrem literalmente a espera de um atendimento médico e depois andam a afirmar que Portugal é uma estado de direito, bem só se for de direito para os políticos da república sejam eles de que cor forem ou para os muito ricos, porque para os outros a regra é simples: pagar e não bufar e não esquecer da facturinha com NIF para se ganhar o carrinho que não servir para nada a não ser pagar mais impostos ainda ao poder podre da república.

Ninguém ainda apresentou medidas para acabarem com estas mortes evitáveis por falta de médicos ou falta de vontade dos médicos para trabalhar e nesta discução ésteril irão acontecer mais casos de mortes de utentes hospitalares sem atendimento ou então casos de utentes que entram no desespero por falta de antendimento e começam a partir para a estupidez devido a este mesmo desespero e na assembleia da república se pune o piropo quando ao mesmo tempo morrem pessoas por não serem atendidas nos hospitais e cada vez mais estamos mais parecidos com o Brasil nos mais piores motivos e aspectos que estão acontecer no Brasil actual e a única diferença é que Portugal tem menos de 11 milhões de habitantes e o Brasil tem 200 milhões de habitantes e além disso tem uma dimensão continental ao ponto de se ter que usar redes de tv por satélite para que as regiões mais remotas possam ter Tv porque nem a tv por cabo tem capacidade de cobretura e Portugal não passa de um rectângulo espetado no cu da Europa onde apenas são eleitos 22 deputados para o parlamento europeu e que no fim das contas não passa de um Länder alemão por ocupar de facto e jure pela Alemanha de Angela Merkel, mas um Länder tão atrasado que nem Merkel o quer adicionar a sua República Federal.

E deixo as minhas perguntas: O que é feito do SNS? Porque deixam morrer pessoas? Para que serve o juramento de Hipócrates? Afinal qual é o dever de um médico? Porque uns trabalham muito e outros nada ou quase nada? Quando é que esta situação é resolvida? Quantos mais têm que morrer para que se resolve o problema da falta de especialistas de Neurocirugia?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

No parlamento do reviralho hoje, o antigo poder, agora oposição lançou em discussão um projecto para criminalizar o abandono de idosos e abusos de toda a espécie contra idosos e este projecto apresentado pela antiga coligação de governo foi aprovada porque o PS num raro acesso de intelegência se absteve e assim a lei passou indo para a devida comissão parlamentar.

Gostava de saber porque o BE nem a franquia comunista chamada CDU não queria penalizar o abandono de idosos e infleizmente já assisti no lar onde a minha mãe sobrevivia ao verdadeiro abandono de idosos no lar porque ninguém das respectivas famílias se preocupava a ir ver os seus entes queridos nem que fosse uma vez por semana e sem ser eu apenas duas ou três pessoas iriam ver os seus partes uma vez por semana e mais alguns tinham a sorte de ver a família a cada 15 dias e muitos nem sequer uma chamada recebiam dos seus parentes e nem no aniversário recebiam uma sms e estes casos são cada vez mais e se não são em lares é nos hospitais e quem abandona os seus idosos deve ser chamado a atenção porque se um pai ou uma mãe cuida de um filho é o dever de um filho cuidar do seu pai ou da sua mãe quando este precisa depois de chegar a uma idade avançada.

Gostava de saber o que se passou nas mentes alteradas da esquerda espartaquista que queria não penalizar este acto criminoso e nesta lei consta também que os idosos não podem ser impedidos de ter acesso a bens e a serviços devido a sua idade e também não podem coagir os idosos que não estejam na totalidade das suas faculdades  que uma pessoa terceira administre os seus bens e não pode ser recusado o acolhimento do idoso caso este não queira passar os seus bens para a instituição via testamentária ou para que a instituição os administre  como passa a ser crime obrigar um idoso que não esteja na posse das suas faculdades actos notariais.

Esta lei até pode pecar por tardia, acho estranho é como vem a esquerda parlamentar votar contra uma lei que vai punir o abandono de idosos e estão mais preocupados com os animais que são usados em circos ou os touros nas touradas do que estão preocupados com aqueles cidadãos que apesar de terem passado boa parte das suas vidas a cuidar dos filhos, acabam os seus dias despejados num lar de idosos em muitos casos os filhos não querem ter o fardo de aturar os seus pais e quando os colocam em lares nem nos anos os vão ver.

Sei disso porque vivi a experiência de ter a minha falecida mãe num lar da 3ª idade e eu era dos poucos que ia visitar a minha mãe todos os dias e boa parte dos utentes nem sequer uma chamada telefónica tinham dos seus filhos ou netos e notava-se se não fosse o facto dos utentes mais lúcidos se entreterem a ouvir a bola ou a fazer artesanato ou mesmo irem registar o boletim do euromilhões ou beber um café a rua, estavam ali abandonados como fossem cães com sarna e quem faz isso deve ser punido e se eu tinha a minha mãe num lar é porque eu não tinha condições para a ter em casa porque por minha vontade a tinha em casa ao pé de mim, mas não tive esta sorte de puder ter a minha mãe junto de mim nos seus dias do fim e aí a lei deve separar o trigo do joio e ver aqueles que não querem saber dos pais e os colocam num lar como se colocam crianças numa cresce, ou aqueles que não podem ter os pais em casa por estes terem problemas de saúde sobretudo devido a idade ou alguma doença incapacitante.

E volto a bater no ceguinho saber o que a esquerda parlamentar tinha na cabeça para chumbar um diploma socialmente aceitável e que apenas peca por ser tardio porque já deveria de ter sido feito noutras legislaturas anteriores independentemente de quem fosse o primeiro-ministro ou o partido no poder e é de uma estranheza esta atitude da esquerda parlamentar e ainda bem que os socialistas tiveram dois dedos de testa e se abstiveram para não queimar o acordo parlamentar que lhes segura o governo e por outro lado deixa passar uma lei que peca por ser tardia porque há centenas de casos de idosos mal tratados e abandonados.

Como sempre as minhas perguntas sem resposta: Porque raio a esquerda parlamentar votou contra esta lei? Será que são defensores de alguma medida para os idosos semelhante a Aktion T4 do 3º Reich? Porque não se pode punir o abandono de idosos?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

Agora vem a cereja em cima do bolo deste dossier que já vai no seu terceiro volume e já fazia tempo que eu não fazia um artigo de fundo neste mesmo blog e que no dia 4 fez o seu 12º aniversário.

Depois do contactato com Carlucci sobre o serviço que este tinha para Farinha Simões; o mesmo Farinha Simões se vai reunir com Frank Strugies que Farinha Simões considera como uma pessoa fria e com aspecto sinistro e que lidera as operações das forças anti-castritas em Miami e é o elo de ligação dos Contra na Nicarágua e o mesmo Srugies avança com a ideia que alguém do governo português tem que ser eliminado sem avançar quem seria o alvo a eliminar e passado algum tempo Farinha Simões vai jogar ténis com Frank Carlucci na antiga residência do embaixador dos EUA em Portugal e depois no jantar, Carlucci abre o jogo onde este afirma que há problemas em portugal para o transporte e venda de armas e que Sá Carneiro não é uma pessoa querida dos EUA e não nos podemos esquecer que no Verão Quente e no PREC, o homem querido da CIA era Mário Soares, considerado o Kerensky da Europa (Kerensky: revolucionário russo liberal que derrubou o Czar em Fevereiro de 1917) e a sobremesa deste mesmo jantar não é leve porque se juntam a mesa o Gen. Diogo Neto, o Cor. Vinhas, o Cor. Robocho Vaz e Paulo Cardoso e que voltam a mencionar os obstáculos para o tráfico de armas e voltam a dizer que Farinha Simões é a pessoa indicada para remover estes mesmos obstáculos.

No mês de Outubro de 1980, acontece um jantar no Sheraton onde na mesa se sentam além de Farinha Simões, Frank Sturgies (CIA), Vilfred Navarro (CIA), o General Diogo Neto e o Coronel Vinhas (já falecidos) que referem que existem entraves no tráfico de armas e noutro jantar aparece o coronel Oliver North (sim o mesmo do caso Irão-Contras) que fala em "afastamento" de pessoas e na volta há portugueses que também tiram lucro do tráfico de armas e até que são cidadãos conhecidos:  Major Canto e Castro, o Gen. Pezarat Correia, Franco Charais e ainda se acrescenta José João Zoio, conhecido toureiro e maçon, que faleceu de ataque cardíaco aos 59 anos no ano de 2009.

E antes do antentado, o principal alvo do mesmo atentado, Adelino Amaro da Costa que era o ministro da defesa queria travar de qualquer maneira o tráfico de armas que passasse por Portugal e ao mesmo tempo estava a investigar o chamado Fundo de Desenvolvimento do Ultramar e o mesmo Amaro da Costa queria acabar com este fundo que estava nas mãos do ministério das finanças cujo titular era um desconhecido nascido em Boliqueime de seu nome Aníbal Cavaco Silva; todavia a CIA e restante corja abriu o olho e viu que não poderia afastar o governo da AD por uma via normal porque este tinha ganho as eleições e apenas um atentado é que poderia facilitar a vida aos sicários das armas.

Depois do segundo jantar, Farinha Simões é contactado pelo major Canto e Castro e este marca um encontro com o mesmo Farinha Simões no hotel Altis onde também se encontrava Frank Sturgies e aí pela primeira vez se fala em atentado e voltam a afirmar que contam com Farinha Simões para o atentado e depois desta mesma reunião, há outra reunião no mesmo local onde Farinha Simões se vai reunir com Sturgies e Snell onde recebe ordens para recrutar operacionais porque a operação é para ser executada no prazo máximo de 3 meses e preguntam ao mesmo FS se ele conhece algum perito em bombas e o mesmo FS diz se for preciso contacta alguém da ETA se for preciso e quem banca a operação é Canto e Castro e a CIA.

Para organizar a operação, Farinha Simões contacta José Esteves e Sinan Lee Rodrigues o qual não era conhecido de Farinha Simões, e o mesmo Lee Rodrgues foi apresentado a Farinha Simões por Evo Fernandes, moçambicano, tal como Lee Rodrigues e que era membro da RENAMO e serviu de ponte de ligação para Lee Rodrigues e na volta Farinha Simões vai fazendo contactos com os etarras.

Alguns dias depois, o amigo de Mário Soares e de Artur Albarran, Frank Carlucci diz a Farinha Simões como vai ser feita a operação e quem é o alvo primário: Adelino Amaro da Costa e que tanto Kissinger como North tinham dado a luz verde para tudo começasse a ser feito e muito convineintemente Canto e Castro vai para Londres 3 semanas antes do atentado e neste espaço Canto e Castro, juntamente com Sturgies confirmam que Amaro da Costa é o alvo a abater.

Frank Strugies pede a Farinha Simões para que este arranje um cartão de acesso ao aeroporto para Lee Rodrigues, entrementes, Canto e Castro contacta Farinha Simões e lhe ordena que este vá para a capital britânica ter com ele onde aí, Canto e Castro lhe mostra o material a ser usado e que este irá ser enviado pela sua companheira Junita Valderrama e Farinha Simões se desloca ao Altis onde recebe a encomenda de Juanita Valderrama e vai acompnhado com José Esteves e este monta o dispositivo com a ajuda de Carlos Miranda depois de Canto e Castro saber que o dispositivo estar pronto vem para Lisboa e as apresentações são feitas no restaurante Galeto.

Entretanto depois de José Esteves ter montado o dispositivo da morte com o qual ganha 200 mil dólares; Farinha Simões vai a Paris e se reune no Hotel Ritz com Oliver North, o cor. Wilkison e Philip Snell onde estes confrimam quem é o alvo a abater e numa reunião seguinte em Lisboa, Oliver North aparece com um cidadão chamado Penaguião que é apenas o segurança pessoal de Sá Carneiro e que afirma que o mesmo iria no avião porque a sua palavra era lei e o mesmo Farinha Simões ficou de pé atrás, mas a CIA disse que o seu o homem em Portugal era Soares e não Sá Carneiro devido as suas atitudes anti-americanas e com a morte das duas cabeças da AD a investigação do saco azul do Ultramar ficava em águas de bacalhau.

Tal facto é verdade porque dos operacionais neste magnicídio se disfarçou de agente da PJ e descobriu a mala de Amaro da Costa que tinha a lista de quem andava a ganhar com o saco azul do Ultramar e esta mesma pasta se sumiu e segundo os apoios de Farinha Simões, que o próximo primeiro-ministro português seria Pinto Balsemão (conhecido membro do clube de Bilderberg) e o operacional dava pelo nome de Victor Pereira, membro das Brigadas Revolucionárias e que depois do atentado os políticos portugueses iriam ser mais do agrado de Washington e depois dos antentados; os documentos se volatizaram, as armas voltaram a ser traficadas, o fundo do Ultramar desapareceu misteriosamente ao mesmo tempo que o tal algarvio das finanças se sumia durante 5 anos para voltar a ser o regedor da república quando fazia a rodagem a um Citröen na Figueira da Foz.

Iornicamente, aparece agora nas livrarias um livro que sugere que não houve atentado nenhum ao mesmo tempo que temos um governo de esquerda, leia-se com os socialistas no poleiro tal como eram as CPI´s que defendiam a tese de acidente eram sempre com governos do PS e o jornalista que fez a reportagem de investigação foi um tal de Artur Albarran que ficou perdido algures no deserto da Arábia Saudita e depois foi salvo por uma soldado da coligação multinacional que se uniu para ir contra Saddam Husein quando este invadiu o Koweit.

Ficam as minhas perguntas de sempre e sempre sem resposta: Porque não reabrem o processo? Quem ganhou com o atentado? Porque não se fez justiça? Porque sempre que há socialistas no poleiro, a tese de acidente ganha "força"? Aonde para esta mesma pasta com a lista dos culpados do tráfico de armas? Como foi possível falsificar documentos desta forma tão simples? Qual o papel da maçonaria e do clube de Bilderberg nesta história? Quem são os envolvidos em termos nacionais neste atentado? Será que alguma vez saberemos a verdade sobre Camarate? Quando é que as famílias das vitimas terão justiça, mas verdadeira justiça? Porque não foram tidas em conta as crónicas de Augusto Cid?

Como sempre vos peço para ler, comentar e divulgar

Continuando o artigo anterior, Farinha Simões ainda acrescenta mais algumas coisas a sua confissão que num país normal seria o suficiente para reabrir a investigação sobre o atentado de Camarate porque as suas declarações são graves o suficientes para que qualquer investigação que esteja em banho-maria seja reaberta em nome da justiça que deveria ter sido feita em nome de todos aqueles que foram assassinados em 4 de Dezembro de 1980 em Camarate.

E retomando o testemunho de Farinha Simões que foi contactado pelo agente da CIA colocado em Portugal de seu nome Philip Snell através do amigo em comum de Farinha Simões e Snell, Paulo Cardoso e esta apresentação foi no Hotel Sheraton em 1975 e o mesmo Paulo Cardoso vivia no hotel situado nas Picoas, pertinho da Maternidade Alfredo da Costa e a conversa entre Farinha Simões e Philip Snell levou algum tempo que o próprio Farinha Simões não se lembra quanto tempo durou a conversa, todavia se lembra que passados alguns dias desta mesma reunião; Farinha Simões foi contactado por Philip Snell para ir levantar a uma agência de viagens situada na Avenida de Ceuta que trabalhava para a embaixada dos EUA, um bilhete de avião para a viagem Lisboa - Londres.

Na capital da velha Albion Farinha Simões encontrou um seu conhecido, o sul-africano Gary Van Dyk que trabalhava com a Companhia de Langley e támbém entrevistado por John Logan, o representante para a Europa da Companhia de Langley e o sr. Van Dyk meteu uma cunha pelo seu amigo Farinha Simões por este ter trabalhado em Angola e o mesmo Farinha Simões trabalhou com os NISS (Serviços de Infromações da Áfica do Sul), mas o Sr. Van Dyk era agente na Europa dos Serviços Secretos Sul-Africanos (DONS).

Entretanto, Farinha Simões regressa a capital da Lusitânia e trabalha para os norte-americanos entre 1977 e 1988 e entre 1976 e 1977 viveu com a sua família no Sheraton e tinha a sua disposição um Ford com matrícula diplomática, estacionado no parque de estacionamento do mesmo hotel cujas despesas eram pagas pela embaixada nos EUA que na altura tinha como embaixador Frank Carlucci (depois director da CIA nos anos 80)  e actividade de Frainha Simões era fazer contactos com a Stasi, Serviços Secretos sul-africanos, Mossad entre outros e ganhava por estes serviços 5000 dólares por mês e conseguiu entes emprego por ser fluente em seis línguas e saber o dialecto angolano kimbundo e a partir de 1978 Farinha Simões passou a ser um efectivo da Companhia de Langley, além disso também cuidava de uma ccasa de segurança da mesma companhia que ficava na Quinta da Marinha onde passavam militares e agentes secretos em passagem por Portugal.

Para estas despesas Farinha Simões tinha todos os cartões de crédito que se possa imaginar emitidos no Brasil por bancos estrangeiros e cada um um tinha um limite de 10 mil dólares e entre 75 e 89, Farinha Simões gastou 10 milhões de dólares em várias parte do mundo sobretudo em pagamentos a informadores, politicos, militares, homens de negócios, e também traficantes de armas e de drogas, em ligação com a DEA (Drug Enforcement Agency). E além deste dinheiro havia um saco azul para ser usado naquilo que fosse preciso e o mesmo Farinha Simões lança a bomba quando afirma que a operação Camarate custou a preços de 1980: algo entre os 750 mil e 1 milhão de dólares e José Esteves só por sua conta levou 200 mil dólares e esta verba já inclui pagamentos a vários integrantes da operação como o engimático Sinan Lee Rodrigues.

Neste ponto Farinha Simões descreve as suas acções de formação como ter frequentado cursos em Langley, Virgínia (EUA) e em Quantico pagos pela CIA e o mesmo Farinha Simões andou infiltrado em várias partes do mundo tanto em nome da CIA como da DEA, em países como: Portugal, El Salvador, Bolívia, Colômbia,Venezuela, Peru, Guatemala, Nicarágua, Panamá, Chile, Líbano, Síria, Egipto, Argélia, Marrocos, Filipinas e a ligação de Farinha Simões com a DEA começou em 1981 através de Richard Lee Armitage, conhecido de Henry Kissinger e de Frank Carlucci e o grupo empresarial do antigo chefe da CIA além dos negócios da construção civil se deica ao tráfico de armas bem como o grupo Haliburton que tem como cabeça o vice presidente de Bush Filho, Dick Cheney.

Sendo que o Grupo Carlyle tem vários investidores privados com ligação ao Partido Republicano e que tem ganho fortunas com a venda de armas, petróleo e cimento para os países da chamada primavera árabe como o Afeganistão, Tunísia entre outros e este grupo usava o banco BCCI para lavagem de dinheiro, banco que tinha ligações a CIA e a NSA e que foi fechado nos anos 90 devido a vários casos de lavagem de dinheiro.

Agora vou saltar para a parte que interessa.

Em 1980 o mesmo Farinha Simões é contactado por Frank Carlucci, que além de antigo chefe da CIA e embaixador dos EUA em Portugal é um dos grandes amigos de Mário Soares e Rui Machete, diz de forma vaga a Fartinha Simões que tinha um "trabalho" com a maior das importâncias e que a CIA, o próprio Carlucci e a embaixada dos EUA seriam o apoio de Farinha Simões....

 

Continua no próximo capítulo